22
Ter, Set

Governo de Witzel perde mais um secretário

Fernanda Titonel pediu exoneração da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social - Foto: Philippe Lima / GOV RJ

Rio de Janeiro
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A secretária de Estado de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, Fernanda Titonel de Souza, pediu exoneração nesta sexta-feira (10). Em carta de demissão enviada ao governador Wilson Witzel, Fernanda alega razões pessoais para tomar a decisão. O Governo do Estado ainda não anunciou quem ocupará seu lugar.

"(...) considerando razões de ordem pessoal, entendo por bem apresentar a V. Exa. a presente solicitação de exoneração", escreveu a secretária, que ocupava o cargo desde o fim de 2019.

Na carta, Fernanda agradeceu pela oportunidade de ter exercido o cargo na secretaria. Ela ainda afirmou que desempenhou suas atividades de forma exclusivamente técnica e voltada para a execução das políticas públicas sociais.

Em poucos meses, o secretariado de Witzel se desmantelou. Desde maio, o governo perdeu sete secretários, sendo dois deles somente na pasta da Saúde. No dia 17 de maio, Edmar Santos foi exonerado devido ao escândalo de fraudes em licitações para a compra de respiradores. Ainda assim, ele foi transferido e nomeado como secretário especial, mas foi obrigado pela Justiça a deixar o cargo. Edmar foi preso nesta sexta-feira (10).

Em seu lugar, no dia 18 de maio, assumiu Fernando Ferry, que ficou pouco mais de um mês à frente da Secretaria de Estado de Saúde. Ele pediu exoneração no dia 22 de junho, dizendo que tentou resolver os problemas da saúde em meio à pandemia.

No dia 28 de maio, o governo do Witzel perdeu três secretários. Jorge Gonçalves, que estava à frente da Secretaria de Estado de Trabalho e Renda, pediu exoneração após o rompimento de seu partido, o Republicanos, com a base governista. Neste dia, Witzel publicou em edição extraordinária do Diário Oficial a exoneração do secretário da Casa Civil, André Moura, e da Fazenda, Luiz Cláudio Carvalho.

Dois dias depois, em 30 de maio, foi a vez de Marcus Vinícius Braga pedir exoneração da Secretaria de Estado da Polícia Civil.

Em junho, no dia 27, Otávio Leite pediu demissão do cargo na Secretaria de Estado de Turismo. A decisão, segundo ele, foi tomada por motivos acadêmicos, já que ele estava saindo da pasta para se dedicar a um doutorado na área do turismo.

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.