28
Qua, Out

Huap cria Caixa de Memórias para familiares de pacientes que faleceram por covid-19

A partir desta semana, os parentes irão receber a caixa acompanhada de flores e um cartão com mensagem de apoio e contatos para ajuda psicológica - Foto: Divulgação

Niterói
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Pensando na dor de famílias que perderam entes queridos para a covid-19, a Ação de Humanização para Enfrentamento da Pandemia do Hospital Universitário Antônio Pedro (Huap) criou um projeto para fazer com que a entrega dos pertences de pacientes que faleceram pela doença seja um pouco mais afetiva e humanizada. A partir desta semana, os parentes irão receber a Caixa de Memórias, acompanhada de flores e um cartão com mensagem de apoio e contatos para ajuda psicológica neste momento tão difícil.

"A Caixa de Memórias surgiu com o intuito de transformarmos a experiência dos familiares de pegar os pertences 'contaminados' dos pacientes que faleceram em algo mais carinhoso e de cuidado. As boas lembranças permanecerão para sempre, a morte não encerra esse vínculo. Essa é uma forma de ajudá-lo a começar a elaborar seu luto, um processo tão singular a cada um. Assim, pretendemos também mitigar o impacto à saúde mental das pessoas por conta da pandemia", explica Thábata Luiz, psiquiatra do Huap e uma das idealizadoras.

A Caixa de Memórias será entregue aos familiares das vítimas de covid-19 - Foto:Divulgação 

Antes, os familiares levavam os pertences em um saco, que ficava por três dias de quarentena, devido ao risco de contaminação. Agora, a entrega é feita na Caixa de Memórias, lembrando ao parente que a vida daquele paciente foi compartilhada, e ele esteve presente em vários momentos dela. É importante não se reduzir ao momento da morte, mas sim pensar em toda a história e biografia. As caixas são confeccionadas por Thábata e pelas psicólogas Tânia Ventura e Virgínia Dresch. O projeto conta com a colaboração da ACHUAP (Associação dos Colaboradores do Hospital Universitário Antônio Pedro).

A ideia surgiu depois que a psiquiatra ouviu do chefe do CTI de covid-19, Túlio Possati de Souza, que ele havia ficado muito comovido após o falecimento de uma paciente, quando seus pertences foram entregues à família em um saco plástico. Agora, com a Caixa de Memórias, fica mais afetuoso. Lembrando que a caixa não estará contaminada, pois não entra no CTI, nem tem contato com pacientes infectados por coronavírus. Para Túlio, a pandemia interfere diretamente na relação médico-paciente, tornando ainda mais importante a ação humanizada.

"A pandemia por covid-19 está sendo desafiadora em diversos aspectos. O momento da entrega dos pertences dos pacientes que evoluem para óbito tem sido tenso e difícil. Os objetos eram entregues nos sacos e os familiares orientados a respeitarem um tempo de quarentena específico de três dias em domicílio, antes de ter acesso ao conteúdo. A iniciativa de confecção da Caixa de Memórias ajuda a ressignificar esse momento que tem sido tão complicado não somente para os familiares, mas também para os profissionais e o sistema de saúde", afirmou.

Visitas virtuais a pacientes no CTI também serão iniciadas esta semana no Huap

Um outro projeto que também saiu do papel e começará a ser aplicado esta semana é a visita virtual a pacientes do CTI do Huap internados com coronavírus. A ideia é que, através de um tablet, eles possam entrar em contato com os familiares, já que o ambiente de covid-19 é de alta contaminação, inviabilizando presença física. Segundo Thábata, o objetivo é minimizar estressores adicionais, como afastamento familiar e impossibilidade de despedida. Assim, contribui-se para a prevenção de transtornos mentais, como luto complicado e estresse pós traumático:

"A média de permanência das internações de pacientes com coronavírus varia bastante, e envolve isolamento deles e seus familiares. Muitos ficarão sem contato e em solidão, já que mantê-los com seus celulares nem sempre é uma opção viável. Por outro lado, os familiares também vivenciam a angústia pela não interação com seu ente querido. A criação de um fluxo de comunicação voltado a esses pacientes e sua rede de apoio social, através de visitas virtuais, mostra-se como importante recurso para humanização do atendimento e redução do sofrimento", contou.

O médico Túlio acrescenta que a inexistência das visitas prejudica, principalmente, pacientes idosos com potencial de desenvolvimento de delírio e síndrome do confinamento. Além disso, o contato olho no olho e a proximidade física facilitam, inclusive, a comunicação de notícias difíceis e a percepção de entendimento do que está sendo dito.

“Ou seja, a elaboração das visitas virtuais através de tablets surge como uma boa alternativa para contornar esse isolamento social imposto pela doença”, ressalta o chefe do CTI.

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.