14
Sex, Ago

Aposta na recuperação de empresas

Programas visam reduzir impacto econômico, preservar empregos e oferecer crédito a micro e pequenos empreendimentos - Foto: Pixabay

Niterói
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A pandemia do novo coronavírus trouxe uma realidade difícil para muitas empresas, em especial para os micros e pequenos empreendedores. Com a propagação do vírus, empresários tiveram que lidar com a questão de como manter o pagamento dos custos fixos mensais. De acordo com uma pesquisa da Sebrae, 61% das micro e pequenas empresas fluminenses não tinham reservas financeiras para enfrentar essa crise. O estudo - realizado entre os dias 2 e 22 de junho - mostra que 16,2% tinham recursos financeiros para suportar apenas o primeiro mê; 12% conseguiriam chegar até o terceiro mês; e 4,9% resistiriam mais de três meses.

Com o intuito de reduzir os impactos sociais e econômicos causados pela pandemia, alguns municípios criaram programas de auxílio financeiros para as empresas da cidade. Em Niterói, por exemplo, cerca de 11 mil postos de trabalho foram preservados com a adesão do programa Empresa Cidadã 1 e 2. Segundo a prefeitura, o programa atendeu 2.851 empresas.

O Empresa Cidadã vai garantir o auxílio na folha de pagamento por cinco meses, ao invés dos três meses previstos inicialmente, das empresas cadastradas. Em contrapartida, os empresários terão que se comprometer, no novo termo de adesão, a não reduzir postos de trabalho por até oito meses.

O Empresa Cidadã 1 atende empresas, entidades religiosas e organizações sindicais com alvará na cidade e que tenham até 19 funcionários. Já o Empresa Cidadã 2 auxilia micro, pequenas empresas, entidades religiosas, organizações sindicais, clubes e entidades filantrópicas com até 40 funcionários e alvará na cidade.

O programa teve o prazo prorrogado para a revalidação do termo de adesão para o dia 12 de julho. Segundo último levantamento divulgado pela prefeitura, 370 empresas ainda não fizeram a renovação, e por isso o prazo foi prorrogado.

Para atender a demanda dos pequenos e médios empresários da cidade, a Prefeitura de Niterói criou os programas Niterói Supera e Supera Mais. Na última sexta-feira, o Executivo realizou um pregão presencial para contratação de instituição financeira para gerir e administrar o fundo de crédito do programa Supera Mais, cujo objetivo é oferecer crédito para micro e pequenas empresas do município que têm faturamento anual inferior a R$ 1 milhão e profissionais autônomos e liberais.

O fundo conta com três limites para financiamento, sendo eles: até R$ 20 mil para profissionais autônomos e liberais; até R$ 50 mil para microempresas; e até R$ 80 mil para empresas de pequeno porte com faturamento de até R$ 1 milhão.

De acordo com a secretária municipal de Fazenda, Giovanna Victer, Supera Mais é o programa de crédito que será complementar ao Niterói Supera e deverá utilizar-se inicialmente do cadastro dos beneficiários já inscritos no Fundo de Crédito Emergencial Niterói Supera.

Com isso, as micro e pequenas empresas com faturamento anual de até R$ 1 milhão que já se inscreveram no Niterói Supera e ainda não foram atendidas serão automaticamente direcionadas para o Supera Mais. A expectativa é que fundo de crédito já comece a operar na primeira quinzena de julho.

A Prefeitura de Niterói também beneficiou microempreendedores individuais que atuam como cabeleireiros ou como profissionais de estética e de cuidados com a beleza e podólogos residentes e atuantes na cidade, que receberam auxílio financeiro emergencial de R$ 1 mil, em parcela única. Ao todo, 1.181 microempreendedores individuais do setor de beleza foram cadastrados no benefício. O valor foi pensado a partir dos gastos essenciais como alimentação, refeição, farmácia, combustível e cultura.

Em breve, mais apoio – A Agência Estadual de Fomento do Rio de Janeiro (AgeRio) estuda possibilidades para dar mais apoio às empresas do Rio. Atualmente, o crédito emergencial oferecido pela AgeRio destinado aos MEIs e micro, pequenas e médias empresas fluminenses que passaram a apresentar dificuldades durante a pandemia da covid-19 está temporariamente suspenso pois a busca pelo empréstimo foi seis vezes maior que o esperado.

Benefícios para mais de 70 empresas - Em Maricá, uma das principais ferramentas de enfrentamento aos efeitos da pandemia sobre a economia local, o Fomenta Maricá, já beneficiou mais de 70 empresas. O programa é destinado a pessoas jurídicas tendo como prioridade micro e pequenas empresas registradas no Simples Nacional, do governo federal.

De acordo com a Prefeitura, cerca de 1,2 mil empresas se candidataram ao financiamento. Das 70 solicitações que já foram aprovadas, as liberações de crédito somam em torno de R$ 6 milhões. O valor médio contratado dessas empresas é R$ 30 mil.

O empresário tem duas opções de crédito: a primeira de microcrédito a juro zero, de R$ 300 a R$ 21 mil, e a segunda de R$ 21.001 até R$ 40 mil, com juros de 3% ao ano e tarifas subsidiadas. As duas linhas emergenciais terão um prazo de carência de 12 meses para início do pagamento das prestações.

As inscrições seguem abertas e continuarão até o valor total do investimento do governo ser alcançado, que é de R$ 30 milhões. As análises de crédito ficarão a cargo da AgeRio. Os valores serão disponibilizados de acordo com o envio das documentações e das análises feitas pela instituição financeira.

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.