Restaurante Popular de Niterói reabre seguindo todos os protocolos de segurança

Neste primeiro dia de funcionamento dentro das regras para o novo normal, foram servidos 130 cafés da manhã e 790 almoços - Foto: Berg Silva/Prefeitura de Niterói

Niterói
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O Restaurante Popular Jorge Amado, no Centro de Niterói, voltou a servir refeições para a população, nesta quarta-feira (5). Para a reabertura da unidade, que estava fechada desde 23 de março, o haverá limite de 50% da capacidade e usuários intercalados nas mesas para manter o distanciamento social. Os funcionários passaram, antes, por treinamento com a equipe da Secretaria Municipal de Saúde, no qual foram estabelecidos protocolos a serem seguidos de acordo com o plano gradual de transição para um novo normal. Neste primeiro dia de funcionamento, foram servidos 130 cafés da manhã e 790 almoços.

Na entrada do restaurante, um agente de desaglomeração mantém o distanciamento na fila. É feita a aferição de temperatura e orientação dos usuários para a higiene das mãos. O uso da máscara é indispensável no restaurante, só podendo ser retirada no momento da refeição, já à mesa. Aqueles que chegam sem o equipamento de proteção, recebem uma máscara de tecido, ainda na fila. Os funcionários servem as refeições em material descartável e individual.

“Estamos seguindo todos os protocolos para que possamos ter um espaço adequado e seguro para que a população possa cumprir esse direito à alimentação no nosso município, também por meio do restaurante cidadão”, enfatiza o subsecretário de Segurança Alimentar da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SASDH), Vilde Dorian.

A secretária municipal de Assistência Social, Flavia Mariano, ressaltou que a limpeza no local também foi intensificada, com a higienização dos corrimãos, área do restaurante e banheiros, além da limitação do número de pessoas dentro do restaurante.

“Adotamos o uso de material descartável para servir as refeições e uma mudança no fluxo da fila, para que os usuários possam lavar as mãos antes de entrarem para o almoço”, informou.

O coordenador do restaurante, Nilo Oliveira, destacou ainda que o cardápio segue mantendo uma refeição equilibrada como sempre foi, com vegetais e proteínas. Neste primeiro dia de funcionamento, foi servido, arroz, feijão, polenta, salada, e os usuários podiam escolher entre carne moída ou linguiça calabresa. Para acompanhar, suco, e a sobremesa foi paçoca.

A aposentada Maria de Fátima Fonseca, completou 65 anos nesta quarta-feira, e quando soube da reabertura do restaurante Jorge Amado, decidiu que o seu almoço especial seria lá.

“Minha festa foi aqui hoje. Moro em São Gonçalo, esta é a terceira vez que almoço aqui, as outras duas foram antes da pandemia. O cardápio é sempre saboroso. A comida hoje remeteu à minha infância, à comida que a minha mãe costumava preparar para a gente. Estou muito feliz com a reabertura do restaurante e fiquei muito tranquila quando cheguei e vi que todo mundo está usando os equipamentos de proteção”, disse.

O restaurante funciona de segunda a sexta-feira, das 6h às 9h para o café da manhã, e das 10h às 15h para o almoço. As refeições custam R$ 2, e o desjejum, R$0,50.

Morador do Centro de Niterói, Omar Joaquim, de 69 anos, aposentado, também comemorou a reabertura do restaurante. Ele contou que vem com frequência na hora do almoço, e que a refeição aqui representa uma ajuda no orçamento mensal, devido ao valor mais em conta.

“O restaurante fez muita falta sem funcionar durante este período de pandemia. Encontrei aqui hoje muita organização, que demonstra cuidado com quem vem aqui para fazer a sua refeição. Este é um espaço muito importante para quem precisa, tenho certeza que a reabertura vai ajudar a muitas pessoas”, afirmou.

Municipalização – O restaurante foi municipalizado em janeiro de 2017, após ficar um período fechado quando o governo do Estado, que administrava o espaço, passou por uma crise financeira. A Prefeitura de Niterói investe aproximadamente R$ 4 milhões por ano para manter o local funcionando. O espaço é administrado pela Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos e atrai pessoas não só do município, mas de todo o Estado do Rio.