26
Seg, Out

Niterói e SG somam mais de 6 mil denúncias por aglomeração

As cidades somam episódios de praias, bares e casas de shows lotadas - Foto: Marcelo Feitosa

Niterói
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Muita gente parece ignorar o novo coronavírus. Desde o início da pandemia até julho, foram registrados 2.388 acionamentos para ocorrências através do 190 por conta de aglomerações em Niterói. No município vizinho,São Gonçalo, o número é maior e chega a 3.725 denúncias, segundo a Secretaria de Estado de Polícia Militar.

O problema se agravou há pouco mais de um mês quando o funcionamento de bares foi liberado em São Gonçalo e, mais recentemente, também em Niterói. Mesmo com todas as restrições e novos protocolos que deveriam estar sendo seguidos, o que se vê são bares lotados nos finais de semana, pessoas sem máscara e o total desrespeito às restrições sanitárias impostas pelos municípios.

A falta de fiscalização piora a situação, visto que é cada vez maior a incidência de estabelecimentos noturnos promovendo eventos e desrespeitando os decretos municipais. Um homem de 22 anos, que preferiu não ser identificado, contou que a maioria das casas de shows não respeita as medidas.

"Eu até vejo fiscalização nos bares, mas eles não cumprem as regras, as casas de shows deveriam funcionar com 30% da capacidade, mas já está tudo normal, ninguém respeita. Alguns lugares verificam a temperatura e se a pessoa está de máscara, alguns locais também param o som e pedem para que as pessoas coloquem as máscaras, mas a maioria das casas de shows liberam a retirada de máscaras depois da entrada no local", revelou.

Porém, não são só os bares e restaurantes que geram aglomerações nas duas cidades. Os bancos, principalmente as agências Caixa, por conta da retirada do auxílio emergencial, causam enormes filas pelas calçadas, criando intensa movimentação sem nenhuma fiscalização de guardas, agentes bancários e vigilantes. O problema vem se repetindo mês após mês, apesar de as cidades estarem em quarentena há pouco mais de cinco meses.

Um estudante que não quis ser identificado, de 21 anos, conta que não viu fiscalização em nenhuma das vezes em que esteve nas ruas de São Gonçalo.

"Há fiscalizações apenas na entrada de lojas privadas. As ruas seguem com aglomerações e movimentos de um dia comum, com o uso das máscaras mas sempre tem algumas pessoas sem. Nos bancos, as restrições só funcionam da porta para dentro, mas enquanto aguardam fora dele, pode acontecer de tudo, aglomerações em filas já se tornou normal", descreveu o estudante.

No último domingo (16), uma casa de eventos no bairro Camarão, próxima ao centro de São Gonçalo, estava lotada de pessoas sem máscara, com direito a apresentação de diversos DJs, promoção de bebidas e churrasco liberado. O evento foi divulgado através das redes sociais pelos produtores e não havia fiscalização no local.

Uma outra casa de eventos, localizada no bairro Laranjal, também em São Gonçalo, promoveu um show em meio a um ambiente com muita aglomeração, onde quase todos os presentes estavam sem máscara de proteção. As imagens do evento foram divulgadas no Instagram pelos frequentadores, gerando revolta de muitos que tomaram conhecimento da situação.

Praias - Em Niterói, não é difícil encontrar banhistas aproveitando um dia de sol ao longo da orla da cidade. Em Icaraí, diariamente pessoas ocupam a faixa de areia com tranquilidade, sem ser incomodadas. Na Região Oceânica, o problema encontra um aliado: a falta de conscientização. Pelas redes sociais, moradores de São Gonçalo relatam que, ao serem abordados por guardas municipais em Itacoatiara, rumaram para Camboinhas, onde conseguiram seguir o dia de lazer sem problemas.

Segundo a Secretaria de Estado de Polícia Militar, a Corporação tem desenvolvido um amplo trabalho de conscientização junto à população desde a adoção das primeiras medidas restritivas implementadas pelo Governo do Estado.

Procurada, a Prefeitura de Niterói informou que desde o início da pandemia, o Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp) de Niterói atendeu cerca de 9 mil chamados relacionados à covid-19. A maior parte é de pedidos de esclarecimentos de dúvidas de saúde e protocolos sanitários, dúvidas sobre os benefícios assistenciais concedidos pela Prefeitura, pedidos de fiscalização e denúncias sobre descumprimento de medidas sanitárias.

Cerca de 41% dos chamados estão relacionados a abertura de comércios, somente 4,21% das denúncias foram relacionadas a aglomerações.

O Departamento de Fiscalização de Posturas e a Guarda Municipal seguem fiscalizando as praias com apoio do Niterói Presente com o objetivo de fazer cumprir os decretos municipais de prevenção sanitária e combate à covid-19. Diariamente os agentes realizam a fiscalização nas praias da cidade.

Ainda segundo o Executivo municipal, foram aplicadas mais de 600 multas em pessoas que não estavam usando máscaras. A maior parte das autuações foi aplicada em praias e nas barreiras sanitárias localizadas em pontos estratégicos como as barcas, Avenida Jansen de Mello, Avenida Feliciano Sodré e Alameda São Boaventura, além de ônibus. As multas são no valor de R$ 180. As denúncias podem ser feitas para o número 153 que atende no Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp).

Já a Prefeitura de São Gonçalo foi questionada sobre multas aplicadas até o momento por conta do desrespeito às medidas de prevenção à covid-19, bem como sobre providências para diminuir os problemas nos bares e filas bancárias, mas não houve resposta até o fechamento desta edição.

 

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.