20
Ter, Out

Drogas e arma foram apreendidas - Foto: Divulgação/PMERJ

Uma operação policial teve tiroteio e terminou com dois presos e um baleado, na comunidade da Vila Ipiranga, no Fonseca, Zona Norte de Niterói. Um deles, é apontado pela Polícia Militar como líder do tráfico de drogas na região.

A ação foi coordenada por militares do 12º BPM (Niterói), e teve como objetivo reprimir o tráfico de drogas. No momento em que os agentes chegaram, foram recebidos a tiros por criminosos, iniciando o confronto.

Um dos suspeitos foi baleado e socorrido ao Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), e outros dois foram presos em flagrante durante a ação. Nenhum policial ficou ferido durante a ação.

Uma pistola e drogas também foram apreendidas. A ocorrência foi registrada pela 76ª DP (Niterói).

Niterói Presente e agentes civis vão atuar especialmente nas divisas do município -Foto: Luciana Carneiro/Prefeitura de Niterói

 A Prefeitura de Niterói vai convocar mais 80 guardas municipais para reforçar a segurança no município durante o período de contenção e isolamento social para prevenção ao coronavírus. O anúncio foi feito pelo prefeito Rodrigo Neves, que revelou ainda a negociação com o governo do estado para aumentar o efetivo do Niterói Presente com mais 100 homens, entre policiais militares e agentes civis.

“Nós estamos em um período muito peculiar e, por isso, o Gabinete de Crise decidiu reforçar as ações de Segurança Pública em Niterói. Os novos policiais e agentes civis do Niterói Presente vão atuar especialmente nas áreas de divisa da nossa cidade, principalmente na Região Norte”, explicou o prefeito.

O secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Modernização da Gestão, Axel Grael, informou que a Prefeitura de Niterói acertou o arrendamento, por três meses de um hotel para receber 70 moradores de rua durante o período de isolamento social.

"Essas pessoas poderão cumprir esse período de quarentena de forma segura, com acompanhamento médico, psicológico e de assistentes sociais. Além disso, vamos também arrendar um hotel para ficar à disposição dos servidores da prefeitura que estão trabalhando nas ruas, em especial os profissionais da saúde, defesa civil, guardas municipais e assistentes sociais", explicou.

47 casos confirmados 

Niterói segue no isolamento social e a passos mais lentos na infecção e propagação de coronavírus. Até o momento, a cidade soma 47 casos confirmados da Covid-19, dos quais 27 seguem em isolamento domiciliar, 12 estão hospitalizadas (sete em Unidades de Terapia Intensiva), sete pessoas foram recuperadas e uma morreu. Nenhum na rede pública hospitalar. Esses números são resultado das ações implementadas pelo Gabinete de Crise, criado em janeiro, pela Prefeitura.

O prefeito Rodrigo Neves reforçou ainda que o município deve receber até a próxima quarta-feira 40 mil testes rápidos para o coronavírus e outros 40 mil devem chegar dos Estados Unidos durante a próxima semana. O objetivo é ter um controle maior da expansão do vírus para nortear as ações do Gabinete de Crise.


Oficinas puderam reabrir nesta segunda - Foto: Marcelo Feitosa

A “janela” na quarentena para tipos específicos de comércio começou nesta segunda-feira (30). Excepcionalmente, puderam abrir as portas oficinas mecânicas e lojas de material de construção, qu , até então, estavam fechados assim como a maioria dos estabelecimentos, como prevenção ao novo coronavírus.

O período em que os esses estabelecimentos poderão funcionar é entre os dias 30 de março e 3 de abril, depois retomando a quarentena total até o dia 10. Cabe ressaltar que, em virtude de Decreto Municipal, somente podem funcionar supermercados; farmácias; pet-shops; restaurantes na modalidade delivery e padarias, sem a permanência de clientes para consumir no local.

Um dos estabelecimentos que reabriram nesta segunda foi a mecânica do Jorge Luiz Frison, de 61 anos, conhecido como Gaúcho, no bairro Ponta d’Areia, região Central da cidade. Ele afirmou que chegaram a denunciar à Guarda Municipal, nesta manhã, que ele estaria funcionando. No entanto, após mostrar o decreto aos agentes, pôde continuar trabalhando.

"Agora de manhã a Guarda Municipal veio me 'dar uma dura' mas eu mostrei o decreto e ficou tudo certo. Eles estão fazendo o trabalho deles, estão corretíssimos. Se recebem a denúncia eles têm que averiguar”, disse o proprietário.

Segundo Gaúcho, o movimento é intenso neste primeiro dia de reabertura. Na opinião dele, a janela é uma medida positiva. “O que o Rodrigo [Neves, prefeito] fez foi uma coisa certa, vai dando uma semana para cada comércio. O movimento está grande, quem não estava conseguindo resolver seus problemas já veio”, completou.

Um dos clientes da oficina é o taxista Wilson da Silva, de 47 anos. Ele conta que seu carro enguiçou na última terça-feira (24), e desde então não pôde trabalhar e já teve mais de R$ 200 em prejuízos. Segundo seu relato, mecânicas também deveriam ser considerados serviços essenciais.

"Eu sou taxista e na terça-feira meu carro teve um problema de manhã, mas as oficinas estavam fechadas. Vim até aqui onde costumo consertar o carro e estava fechado. Estou sem conseguir ganhar dinheiro para pagar conta, comer e tudo mais. Hoje ainda não consigo voltar a trabalhar, aí já perco mais um dia”, afirmou.

Em lojas de material de construção, a tendência é oposta a das oficinas: o movimento está muito abaixo do normal. O empresário Alex Fabiano, de 50 anos, proprietário de um comércio do tipo, também na Região Central, atribui isso à interrupção de obras, como medida de isolamento.

"Estamos procurando ficar inteirado com o que a Prefeitura manda fazer. No sábado fiquei sabendo que poderia reabrir e liguei fim de confirmar. Eles afirmaram que sim e abri novamente hoje, mas o movimento está bem aquém do que costuma ser, está muito abaixo do normal", relatou.

No entanto, existem obras consideradas emergenciais, como a que está sendo realizada pelo mestre de obras Francisco Frias, de 56 anos. Durante as últimas semanas ele teve dificuldade para encontrar materiais para dar sequência aos serviços.

"Fiquei sem trabalhar por duas semanas por falta de material, tendo obra para fazer e sem ter como ter material. Hoje que encontrei lojas para comprar alguma coisa, é vital a gente ter a loja aberta. Nós estamos fazendo obras emergenciais. Há coisas que não podem ser feitas depois", pontuou.

De acordo com o comunicado divulgado pela Prefeitura no sábado (28), o objetivo da janela é “evitar agravamentos de problemas de logística e permitir com que os produtos essenciais sejam entregues aos mercados”.

O município aproveitou para destacar que “é muito importante que todos continuem respeitando o isolamento social, pois ele já mostrou resultados em nossa cidade, que hoje possui um avanço muito mais lento da epidemia do que em outras cidades”.

Nesta terça (31), horário da vacinação será diferente: começa às 13h, e idosos com dificuldade de locomoção podem se cadastrar para receber imunização em casa - Foto: Luciana Carneiro

A Prefeitura de Niterói terá um horário especial para a vacinação de idosos contra a gripe nesta terça-feira (31). Os locais de vacinação abrirão às 13h e o atendimento seguirá até as 17h. Além disso, a prefeitura vai disponibilizar, a partir desta terça-feira, um cadastro para os idosos com dificuldade de locomoção e acamados receberem a vacina em casa. A imunização poderá ser solicitada em casa em qualquer região da cidade. Já foram vacinados 60 mil idosos no município.

Para solicitar a vacinação em domicílio, é necessário o envio dos seguintes dados: nome, idade, endereço com ponto de referência, contato telefônico e de uma pessoa da casa para o e-mail: vacinaidoso2020@gmail.com ou no telefone (21) 2613-0593. As marcações ocorrerão de 9 às 16h30.  Os idosos que moram em região com Programa Médico de Família (PMF) não precisam fazer o agendamento, pois as equipes já vão realizar a imunização desse público nas residências. Apenas idosos serão vacinados em casa.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Rodrigo Oliveira, a medida se soma a outras já tomadas pela Fundação Municipal de Saúde.

“Já estamos realizando a vacinação com o sistema drive thru – no qual a pessoa não precisa sair do carro para receber a dose – em todas as policlínicas regionais. Equipes do Médico de Família, em suas áreas de atuação, também estão vacinando os idosos em casa. Agora estamos ampliando para outras regiões da cidade, conseguindo assim, evitar a exposição dos mais vulneráveis”, destacou o secretário.

 

A Fundação Municipal de Saúde está disponibilizando a imunização em mais de 50 salas de vacina do município. A primeira etapa segue até 16 de abril, exclusiva para os idosos (com 60 anos ou mais) e profissionais de saúde.

A partir do dia 16, começa a vacinação para professores das escolas públicas e privadas, profissionais das forças de segurança e salvamento, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais - que devem levar a prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina. 

A terceira e última fase, iniciada 9 de maio, visa crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas (mãe nos últimos 45 dias), adultos de 55 a 59 anos de idade, povos indígenas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.

 

Salas de vacina - Policlínicas: Dr. Carlos Antônio da Silva - Rua Jansen de Mello s/nº, São Lourenço; Dr. Sérgio Arouca, Praça Vital Brazil s/nº – Santa Rosa; Dr. Guilherme Taylor March - Rua Desembargador Lima Castro, 238, Fonseca; Dr. Francisco da Cruz Nunes - Rua Ver. Armando Ferreira, 30, Largo da Batalha; Assistente Social Maria Aparecida da Costa - Est. Engenho do Mato s/nº, Itaipu; Dr. João da Silva Vizella, Rua Luiz Palmier, 726 – Barreto; Policlínica de Piratininga, Rua Marcolino Gomes Candau, 111, em Piratininga e Policlínica Almir Madeira, R. Prof. Hernani Melo, 103, São Domingos. A Policlínica da Engenhoca está vacinando no módulo do PMF em frente a unidade.

Unidades Básicas de Saúde (USB) Morro do Estado, Santa Bárbara e Engenhoca. A UB centro vai realizar a vacinação no Teatro Municipal.

Programa Médico de Família (PMF) e Clínica Comunitária da Família (CCF): Baldeador, Bernardino, Boa Vista, Cafubá I, Cafubá II, Cafubá III, Cantagalo, Caramujo, Colônia, Engenho do Mato, Grota I, Grota II, Ititioca, Jonathas Botelho, Jurujuba, Leopoldina, Maceió, Maravista, Marítimos, Martins Torres, Maruí, Matapaca, Nova Brasília, Palácio, Ponta D’Areia, Preventório I, Preventório II, Sapê, Souza Soares, Viçoso, Vila Ipiranga, Viradouro, Vital Brazil, CCF Badu, Ilha da Conceição, Teixeira de Freitas, Várzea das Moças, Morro do Céu, Cavalão e Coronel Leôncio.

 

Recomendações e contraindicações - Todas as crianças que receberam uma ou duas doses da vacina da gripe em anos anteriores, devem receber apenas uma dose em 2020. As menores de nove anos que serão vacinadas pela primeira vez, receberão duas doses, devendo-se agendar a segunda dose para 30 dias após a primeira.

Os tratamentos com imunossupressores ou radioterapia podem reduzir ou anular a resposta imunológica.

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que aprova o regulamento técnico de procedimentos hemoterápicos, após a vacinação contra a influenza os doadores de sangue devem aguardar 48 horas para nova doação.

A vacina é contraindicada para pessoas com história de reação anafilática grave a ovo; reação anafilática em dose anterior ou alergia grave a qualquer componente da vacina; em doenças febris agudas, moderadas ou graves, recomenda-se adiar a vacinação até a solução do quadro, com o intuito de não se atribuir à vacina as manifestações da doença.

Após a vacinação podem ocorrer manifestações locais como dor e sensibilidade no local da injeção, vermelhidão e enduração. É possível também que apareçam febre, mal-estar e dor no corpo, que podem começar entre 6 e 12 horas após a vacinação e persistir por um a dois dias. Essas manifestações são mais frequentes em pessoas que são vacinadas pela primeira vez, por exemplo, as crianças).

 

Agência Brasil

Niterói receberá mais de 40 mil testes para diagnóstico de covid-19 vindos dos Estados Unidos nesta semana e será o primeiro município brasileiro a fazer a testagem massivo na rede pública. O objetivo é identificar as pessoas contaminadas, garantir o isolamento social de pessoas assintomáticas e minimizar a propagação do novo coronavírus. O anúncio foi feito pelo prefeito Rodrigo Neves neste domingo (29) como mais uma das medidas adotadas pela Prefeitura para conter o avanço da doença na cidade.

O chefe do Executivo fez um novo apelo para que o niteroiense fique em casa até o dia 10 de abril, quando a situação será reavaliada, e que redobrem – sem pânico –, os cuidados em locais como farmácias, supermercados e padarias. No sábado (28) foi confirmado o primeiro caso de transmissão comunitária da doença no município.

“Estamos seguindo rigorosamente o que indicam especialistas infectologistas e as medidas que obtiveram sucesso em todo o mundo. Se não tivéssemos tomado todas as atitudes que já implantamos, como o gabinete de crise, a situação da cidade seria muito pior. Niterói tem características muito peculiares, tanto socioeconômicas quanto territoriais, e com muitas pessoas que tiveram acesso a viagens ao exterior e uma classe média que mora próximo a grandes locais de aglomerações, como as comunidades. Por isso nossas medidas tiveram que ser rápidas e enérgicas”, disse o prefeito.

Até o momento, são 42 casos confirmados em residentes em Niterói, sendo que 25 em isolamento domiciliar (monitorados pela Saúde), 9 internados (dos quais 5 em UTI), 7 recuperados que já tiveram em alta e 1 óbito.

Testagens

Com os lotes de testes que chegam nesta semana, a cidade pretende iniciar até a próxima sexta-feira a testagem massiva de cerca de 40 mil pessoas que apresentarem sintomas respiratórios, que residem em comunidades ou que trabalhem na área medica. Niterói seguirá o modelo que foi utilizado em locais como Singapura e Coreia do Sul.

“A testagem massiva nesses locais permitiu o isolamento mais rápido de pessoas que eram assintomáticas ou que possuíam sintomas mais leves. Nesses países a letalidade foi bem menor com a implantação de medidas semelhantes às que estamos implantando em Niterói. Por isso já estaremos com os locais para receber essas pessoas prontos. Estamos entrando em uma nova fase de combate ao vírus, com várias frentes simultâneas”, explicou o secretário municipal de Saúde, Rodrigo Oliveira.

Dentre as muitas medidas já adotadas por Niterói contra o novo coronavírus estão o aumento de leitos, arrendamento do hospital Oceânico para se tornar referência no atendimento à pacientes com covid-19, sanitização das principais ruas, avenidas e comunidades da cidade, concessão de 32 mil cestas básicas para as famílias de alunos da rede municipal de Educação, entre outros. A distribuição de 80 mil kits de higiene e limpeza para os atendidos pelo Médico de Família começa nesta semana.

Sanitização 

Até o dia 10 de abril, espera-se que todas as principais avenidas e locais de grande circulação tenham passado pelo processo de sanitização com o quaternário de amônia de quinta geração, mesmo produto usado na China, que tem durabilidade de três a seis meses. Nesta segunda, as equipes atuarão no Maruí, Leopoldina, Marítimos e Morro do Pires.

As ações continuaram nesta segunda-feira no Barreto com a aplicação do produto - Foto: Thayná Nunes/ Prefeitura de Niterói

Equipes da Companhia de Limpeza Urbana de Niterói (Clin) e agentes de sanitização da empresa contratada pela Prefeitura de Niterói prosseguem com a aplicação da solução de quaternário de amônia de quinta geração para limpeza das comunidades e vias da cidade. Neste final de semana as equipes se concentraram na Zona Norte, incluindo os bairros do Barreto, Engenhoca e Caramujo. As ações continuaram nesta segunda-feira, atendendo a comunidades da Região Oceânica e mais localidades do Barreto com a aplicação do produto, o mesmo usado pela China para desinfecção das ruas daquele País.

A substância quaternário de amônia de quinta geração age como uma película que mata os micro-organismos que estão no local (vírus, bactérias, fungos e ácaros) e forma uma camada protetora que mantém a superfície desinfetada por até seis meses, dependendo da circulação de pessoas.

Nesta segunda-feira as equipes atuaram no Barreto (nas comunidades do Maruí, Pátio Leopoldina, Morro do Marítimo e Morro do Pires) e na Região Oceânica (Hospital Bonsucesso, Caniçal, Beira da Lagoa, Boa Esperança, Morro da Luz e Jacaré).

Os trabalhos já foram realizados nas comunidades do Morro do Estado, Preventório, Vila Ipiranga e Cavalão, além das principais vias de Icaraí (ruas Gavião Peixoto, Coronel Moreira César, Miguel de Frias e Av. Roberto Silveira), no Centro (Av. Ernani do Amaral Peixoto, Rua da Conceição, Rua Doutor Celestino e Av. Visconde do Rio Branco, no trecho entre o terminal rodoviário e a Praça JK), Fonseca (ruas Alzira Vargas, Souza Soares, Santo Cristo, São Januário e Tenente Osório, entre outras), Barreto (Largo de São José e adjacências), Caramujo e Charitas (Avenida Sílvio Picanço da maternidade até o túnel e Rua Doutor Leitão).

São mais de 40 profissionais da Clin, além de agentes de sanitização da empresa contratada pela Prefeitura, realizando essa ação nas principais vias da cidade.

“Estamos atuando em muitas frentes e pontos estratégicos, em ruas de diversos bairros e comunidades. Estamos aplicando o produto nas calçadas, muros, fachadas, portões, pontos de ônibus e no asfalto. O objetivo é neutralizar esse espaço por algumas semanas para minimizar a propagação do vírus. É um trabalho incansável das equipes e vamos avançando a cada dia”, explica a secretária de Conservação e Serviços Públicos, Dayse Monassa.

Arquivo/André Redlich

O Caramujo, bairro com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Niterói, na Zona Norte, receberá nesta segunda-feira (30), os primeiros 3 mil dos 80 mil kits de higiene que serão distribuídos pela Prefeitura como mais uma arma no combate ao coronavírus. O plano é que até 10 de abril todas as 80 mil famílias atendidas porta a porta pelo Programa Médico de Família, em todas as comunidades carentes da cidade, já tenham recebido seus produtos que contam com álcool, sabonete líquido, sabão em pó e água sanitária.

A ação vai beneficiar, ao todo, 220 mil pessoas de classe média baixa de Niterói e ajudar a impedir a disseminação do vírus.

“A Prefeitura de Niterói já distribuiu 32 mil cestas básicas a alunos da rede pública de educação. Estamos fazendo um amplo trabalho de sanitização das ruas e comunidades com grande circulação de pessoas com o mesmo produto usado nas ruas da China. Agora, vamos colaborar para que as pessoas possam cuidar de dentro de suas casas usando os 80 mil kits de limpeza que começamos a distribuir a partir desta segunda-feira com as equipes do Programa Médico de Família. Vamos colaborar para proteger 220 mil pessoas nas comunidades de Niterói e dar condições para que a população permaneça em isolamento social", disse o prefeito Rodrigo Neves. ˜Se não tivéssemos tomado todas as atitudes que já implantamos, como o gabinete de crise, a situação da cidade seria muito pior".

A vice-presidente de Atenção Coletiva, Ambulatorial e da Família da Fundação Municipal de Saúde de Niterói, Maria Célia Vasconcellos, fala da importância da limpeza das casas.
“Vamos distribuir kits de limpeza reforçando a possibilidade das famílias carentes manterem a higienização adequada nos locais de moradia como uma das frentes de combate ao coronavírus“, explica .

A Prefeitura de Niterói também providenciou o arrendamento de dois hotéis pelo período de 4 meses para acolhimento dos servidores, em especial os da saúde, que estarão trabalhando nos hospitais, e outro para ampliar o acolhimento moradores de rua. O Município também prepara centros de quarentena para infectados em comunidades pobres da cidade.

"Se não tivéssemos tomado todas as atitudes que já implantamos, como o gabinete de crise, a situação da cidade seria muito pior', reforça o prefeito

Até o momento, são 42 casos confirmados em residentes em Niterói, sendo que 25 em isolamento domiciliar (monitorados pela Saúde), 9 internados (dos quais 5 em UTI), 7 recuperados que já tiveram em alta e 1 óbito.

Fundação de Saúde recebeu um lote de 20 mil vacinas - Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

A Prefeitura de Niterói reiniciou, nesta segunda-feira (30), a vacinação contra a gripe. A Fundação Municipal de Saúde (FMS) recebeu um lote de 20 mil vacinas, que estão disponíveis em mais de 50 salas de vacina em Niterói, nas Policlínicas Regionais, Unidades Básicas de Saúde e módulos do Programa Médico de Família, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. As Policlínicas Regionais e Unidades Básicas de Saúde estão realizando a vacinação nos idosos que chegam de carro no próprio veículo, no sistema drive thru. A meta da FMS é imunizar pelo menos 90% de cada grupo alvo.

Nesta primeira fase estão sendo vacinados idosos a partir de 60 anos e profissionais de saúde. No dia 16 de abril, começa a vacinação para professores das escolas públicas e privadas, profissionais das forças de segurança e salvamento, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais os quais devem levar a prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina.

A terceira e última fase, que terá início a 9 de maio, atenderá crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas (mulheres nos últimos 45 dias de gestação), adultos de 55 a 59 anos de idade, povos indígenas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Como medida de prevenção ao novo coronavírus, funcionários das salas de vacina organizarão as filas para evitar aglomeração.

O secretário municipal de Saúde, Rodrigo Oliveira, alerta que a dose da vacina da gripe não imuniza contra o novo coronavírus, mas evita outras doenças.

“É importante que as pessoas que fazem parte do público alvo se protejam dos vírus da influenza para reduzirmos o número de internações, complicações e mortes em decorrência de infecções. Isso é fundamental, principalmente nesse momento, que estamos enfrentando um outro vírus’’, destaca Rodrigo.

Locais de vacinação

Policlínicas: Dr. Carlos Antônio da Silva - Rua Jansen de Mello s/nº, São Lourenço; Dr. Sérgio Arouca, Praça Vital Brazil s/nº – Santa Rosa; Dr. Guilherme Taylor March - Rua Desembargador Lima Castro, 238, Fonseca; Dr. Francisco da Cruz Nunes - Rua Ver. Armando Ferreira, 30, Largo da Batalha; Assistente Social Maria Aparecida da Costa - Est. Engenho do Mato s/nº, Itaipu; Dr. João da Silva Vizella, Rua Luiz Palmier, 726 – Barreto; Policlínica de Piratininga, Rua Marcolino Gomes Candau, 111, em Piratininga e Policlínica Almir Madeira, R. Prof. Hernani Melo, 103, São Domingos.

Unidades Básicas de Saúde (USB) Morro do Estado, Santa Bárbara e Engenhoca.

Programa Médico de Família (PMF) e Clínica Comunitária da Família (CCF): Baldeador, Bernardino, Boa Vista, Cafubá I, Cafubá II, Cafubá III, Cantagalo, Caramujo, Colônia, Engenho do Mato, Grota I, Grota II, Ititioca, Jonathas Botelho, Jurujuba, Leopoldina, Maceió, Maravista, Marítimos, Martins Torres, Maruí, Matapaca, Nova Brasília, Palácio, Ponta D’Areia, Preventório I, Preventório II, Sapê, Souza Soares, Viçoso, Vila Ipiranga, Viradouro, Vital Brazil, CCF Badu, Ilha da Conceição, Teixeira de Freitas, Várzea das Moças, Morro do Céu, Cavalão e Coronel Leôncio.

Influenza

A Influenza, comumente conhecida como gripe, é uma doença viral febril, aguda, geralmente benigna e autolimitada. Frequentemente, é caracterizada pelo início abrupto dos sintomas, que são predominantemente sistêmicos, incluindo febre, calafrios, tremores, dor de cabeça, mialgia e anorexia, assim como sintomas respiratórios com tosse seca, dor de garganta e coriza. Essa infecção, geralmente, dura uma semana, com os sintomas sistêmicos persistindo por alguns dias, sendo a febre o mais importante.

Os vírus influenza são transmitidos facilmente por aerossóis produzidos por pessoas infectadas ao tossir ou espirrar. Existem três tipos de vírus influenza: A, B e C. O do tipo C causa apenas infecções respiratórias brandas, não causa impacto na saúde pública e não está relacionado com epidemias. A influenza A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o vírus do tipo A responsável pelas grandes pandemias.

Algumas pessoas, como idosos, crianças, gestantes e pessoas com alguma comorbidade apresentam um risco maior de desenvolver complicações. A vacinação é a intervenção mais importante na redução do impacto da influenza. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que a influenza acomete, anualmente, 5% a 10% dos adultos e 20% a 30% das crianças, causando de 3 milhões a 5 milhões de casos graves e 250 mil a 500 mil mortes.

O prefeito Rodrigo Neves acompanhou a sanitização na Vila Ipiranga. A comunidade foi a primeira do país a receber uma equipe de higienização por conta da pandemia/Crédito: Luciana Carneiro/Prefeitura de Niterói

O município de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, adotou, nas últimas semanas, medidas duras no combate contra o coronavírus. Desde a última segunda-feira (23), apenas serviços essenciais estão em funcionamento, como farmácias, mercados e postos de combustíveis, na chamada "quarentena total". Com estado de Emergência em Saúde Pública decretado e com um gabinete de crise instituído, cerca de R$ 200 milhões já foram destinados à compra emergencial de insumos, como equipamentos individuais e abertura de novos leitos em hospitais.

Também como reforço na saúde, um concurso online foi aberto para a contratação emergencial de 456 profissionais da área na cidade, além da suspensão de consultas médicas não essenciais, sanitização de calçadas, ruas, hospitais e comunidades com a mesma tecnologia utilizada na China, entre outras medidas.

No âmbito econômico, já estão anunciados auxílios de R$ 500 para cada um dos 7 mil microempreendedores individuais (MEIs) da cidade, assim como distribuição de 32 mil cestas básicas às famílias dos alunos da rede de Educação e adiamento do pagamento de ISS para todos os setores da economia pelo prazo de três meses. A Prefeitura vai apoiar empresas pequenas, com até 19 funcionários, e vai pagar um salário mínimo para até nove funcionários durante três meses. E anuncia crédito a juro zero para micro e pequenas empresas junto a instituições bancárias.

Para os mais desavisados, não existe qualquer tipo de exagero nas "medidas de guerra" na cidade. Não há registro, desde 1945, ano no qual a Segunda Guerra Mundial findou, de um abalo global tão grande quanto a pandemia - que se iniciou em 2019 e ganhou escala mundial neste ano - do novo coronavírus (Covid-19). Ao redor do globo, a doença, com características de alto contágio e potencial letal que não respeita fronteiras, sejam elas de nacionalidade, religião ou cultura, pôs pessoas em quarentena, chefes de Estado preocupados e a economia no corner.

Ainda em uma visão internacional, não é difícil achar exemplos de cidades e/ou países que tenham lidado bem ou mal com a situação, reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e demais instituições especializadas em saúde como um assunto sério. Agindo rapidamente, os danos na Coreia do Sul, por exemplo, foram mínimos pela velocidade na ação: o isolamento social começou cedo e o diagnóstico massivo foi promovido, com abundância em testes.

Já a Itália, um dos países mais afetados pelo vírus no mundo, que já superou a barreira dos nove mil mortos, adotou medidas não tão sérias no combate ao vírus. Em 28 de fevereiro, quando o país ainda registrava apenas 17 mortes pelo covid-19, medidas de isolamento foram adotadas. Pouco tempo depois, no entanto, o primeiro-ministro italiano derrubou na Justiça várias dessas medidas de isolamento social, instigando o povo às ruas, o que é altamente desaconselhado por especialistas da saúde.

É justamente de olho nestes exemplos que Rodrigo Neves, prefeito de Niterói, toma as suas decisões. Seguindo orientações técnicas da OMS e do Ministério da Saúde, a prefeitura priorizou vidas no início de pandemia, chegando inclusive a ser destaque na imprensa internacional. Agora, já começa a pensar e implementar outras medidas, de olho no abalo econômico inevitável do futuro e no cenário pós-pandêmico que há de chegar.

O FLUMINENSE conversou com Rodrigo Neves. E a visão dele, tal qual outros detalhes do enfrentamento ao coronavírus em Niterói, pode ser conferido abaixo.

Pandemia: cidade começou a se preparar em janeiro


O FLUMINENSE - Prefeito, a cidade de Niterói está sendo bastante elogiada por conta das medidas de enfrentamento ao coronavírus. Visto os impactos ao redor do globo e o posicionamento de líderes mundiais, é possível afirmar que ninguém previu o que ia acontecer neste ano. O que diferencia a cidade de Niterói de tantas outras que foram mais impactadas do que nós?

Rodrigo Neves- "Nós estamos nos preparando para o enfrentamento do novo coronavírus desde janeiro, com treinamento de equipes e as primeiras providências para preparação do sistema de saúde municipal. Lógico que àquela época já tínhamos informações do comportamento da doença na China e nos outros países em que a doença começava a chegar e, diferentemente do que aconteceu em outros lugares, não esperamos que os casos de infecção aparecessem para pensarmos como agir. Tivemos esse tempo para nos prepararmos. Infelizmente, alguns, como aconteceu com a Itália, demoraram a perceber ou tentaram e tentam ainda minimizar a gravidade dessa pandemia, mas não podemos arriscar quando o que está em jogo é a vida".

OFLU - O senhor realizou, nas últimas semanas, conferências com representantes da China e da Itália. Qual a importância da busca de conhecimento mundial em tempos de pandemia? É possível afirmar que Niterói fez um benchmark (análise estratégica) no que diz respeito ao Covid-19? Existem novos contatos internacionais em mente?

RN - "É fundamental conversarmos com aqueles que já passaram ou estão passando por aquilo que teremos que enfrentar. Esses contatos com as autoridades de saúde da China e Itália, por exemplo, foram fundamentais para nortearmos nossas ações. A embaixada da China, prontamente, nos atendeu, e pudemos trocar experiências e entender como os chineses agiram em iniciativas como a sanitização de áreas. Com base nessa tecnologia, fomos pioneiros em fazer a higienização dos bairros e comunidades de Niterói. Essa é uma medida importante que se soma a várias outras que estamos tomando, como a disponibilização de novos leitos no Hospital Carlos Tortelly, a transformação do Hospital Oceânico na primeira unidade de saúde municipal exclusivamente voltada para o atendimento de pacientes do coronavírus do país.

Além das várias outras medidas de cunho econômico que também estamos adotando como forma de minimizar o inevitável impacto nas finanças decorrente da quarentena forçada. Estamos numa guerra para salvar vidas e temos que lutar, obedecendo estratégias que preservem a saúde da população, mas que também garantam as condições de sobrevivência dos que são mais atingidos nessa hora, como as pequenas empresas. Tenho falado que não há contradição entre a saúde e a economia e nosso pacote de medidas de mitigação de impacto econômico da quarentena já mostra isso".

OFLU - Também em comparação com China e Itália, ainda somos "bebês" no que diz respeito ao tempo de vida útil da pandemia. Dito isto, o Executivo niteroiense implementará novas medidas de contenção de contágio e tratamento de doentes para as próximas semanas? Se sim, quais?

RN - "Estamos, como todos sabem, montando o primeiro hospital municipal totalmente voltado para o atendimento dos pacientes diagnosticados com coronavírus. Essa unidade terá UTIs devidamente equipadas com respiradores, fundamentais para a recuperação desses pacientes. As três maiores comunidades da cidade, Vila Ipiranga, Preventório e Morro do Estado, a exemplo de Icaraí e do Centro, estão sendo sanitizadas. A partir da próxima semana, será feita a distribuição, através do programa Médico de Família, de 80 mil kits de limpeza e higiene. Nossas equipes de saúde estão trabalhando em plantão contínuo com reforço de equipes de outras secretarias como, por exemplo, a de Assistência Social, que vem atuando junto à população de rua.

O Município vai arrendar dois hotéis, no Centro, para o abrigo dessas pessoas, ampliando a capacidade de acolhimento em mais 150 vagas além dos abrigos já existentes. A Educação, apesar da suspensão das aulas, está em ação para atender a distribuição de 32 mil cestas básicas às famílias dos alunos em situação de pobreza. São muitas as ações em muitas frentes. Planejamento, Defesa Civil, Ordem Pública, Secretaria do Idoso, Fazenda, enfim, são muitas as áreas da nossa administração envolvida. Faço um apelo para que as pessoas continuem cumprindo o isolamento social de fundamental importância para conter o avanço do vírus na cidade. Estamos fazendo tudo com base científica, técnica, ouvindo as organizações internacionais de saúde, os melhores especialistas do país e, graças a isso, nós estamos com uma performance melhor que outras cidades que, infelizmente, já estão sofrendo com o crescimento exponencial da epidemia e com a sobrecarga da rede pública de saúde".

OFLU - Após a adoção de medidas acertadas frente ao coronavírus, o senhor foi elogiado inclusive por notórios desafetos políticos na última semana. O senhor também acolheu indicações de vereadores da oposição, durante o momento de crise iminente. Existem muitos desencontros, a nível nacional, no que diz respeito à política em um momento tão delicado. Qual é, afinal, a correta condução do trato político neste momento?

RN - "O momento é de união na defesa da população, independentemente de siglas ou bandeiras. Não podemos politizar essa crise, estamos lutando para salvar vidas e, acredito que, se não todos, a maioria das nossas autoridades já entendeu a gravidade da situação. Lamento que, em nível nacional, haja um descompasso de ações que confrontam o que o mundo todo vem pregando.

Sabemos que medidas, por vezes extremas, vão impactar negativamente na economia, não podemos negar isso. Mas, neste momento, a prioridade é minimizar o impacto do novo coronavírus na saúde, na vida das pessoas. E tratar para que possamos reduzir o baque nos trabalhadores impedidos de trabalhar e nas empresas fechadas. Repito: precisamos salvar vidas".

OFLU - Embora o senhor tenha dado exemplos de ter se despido de vieses ideológicos e cores partidárias para enfrentar a crise, o senhor julga que, caso o bom combate ao coronavírus em Niterói continue sendo realizado, seu candidato nas urnas largará com vantagem nas próximas eleições?

RN - "Nós trabalhamos no combate ao novo coronavírus com a mesma seriedade que conduzimos a administração de Niterói nesses últimos oito anos. Quem se espanta com nossa atuação é porque provavelmente não acompanhava de perto nossa gestão, como pensamos Niterói e como trabalhamos pela população. Acredito que o momento agora é pensar nas vidas e nos empregos. A eleição é para outro momento".

OFLU - Como vem sendo a parceria de Niterói com o Governo do Estado neste momento? O governador tem sido acessível? Informações e parcerias foram sedimentadas nas últimas semanas?

RN - "Nosso diálogo e parceria com o governador sempre foram os melhores possíveis e não está sendo diferente neste momento".

OFLU - Já existem indicações legislativas para que o Fundo de Equalização da Receita (FER) seja utilizado emergencialmente neste momento de pandemia. O senhor está alinhado com esta indicação? Isto será possível?

RN - "Graças à gestão eficiente que implantamos desde 2013, colocamos as contas em dia, somos a única cidade do Estado com gestão de excelência segundo a Firjan. Ficamos também no topo dos rankings de transparência de órgãos como MPF e CGU. As contas da cidade foram aprovadas por unanimidade pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Podemos dizer que faremos o que for necessário para salvar vidas em primeiro lugar, salvar empregos e reduzir os impactos econômicos dessa pandemia mundial na população de Niterói. É fundamental que a população acompanhe nossas ações pelas redes oficiais da Prefeitura onde, com muita transparência, temos atualizado todas as informações e detalhado as ações da prefeitura no combate ao novo coronavírus".

OFLU - Existe a possibilidade de restringir o acesso nas entradas da cidade, levando-se em conta que muitos cidadãos de cidades vizinhas aqui trabalham?

RN - "Até agora, todos os casos confirmados em Niterói são importados. Não tivemos até o momento transmissão comunitária. Eu já expressei ao governador minha opinião de restringir, sim, o transporte intermunicipal em Niterói, seja por ônibus, seja pelas barcas. O isolamento social é a principal arma de combate a essa pandemia. Não podemos deixar a curva de crescimento da epidemia subir de forma descontrolada".

OFLU - Há alguma orientação e cuidados que estão sendo dados a quem precisa continuar trabalhando, como garis, guardas, servidores da saúde?

RN - "A maior parte dos servidores com funções administrativas foi dispensada da jornada presencial e, quando possível, esses servidores estão desempenhando suas funções em home office para afetar o mínimo possível o atendimento à população de Niterói. Os demais, que integram as equipes de serviços essenciais, estão cercados dos cuidados indispensáveis de prevenção, com equipamentos comuns às suas atividades, além de produtos para desinfecção".

OFLU - Exercitando a ferramenta de cenários, à médio prazo, gostaria que o senhor desenhasse como será Niterói após esta crise global. A cidade sairá fortalecida?

RN - "Niterói tem uma saúde financeira privilegiada se comparada à maioria dos municípios brasileiros porque há muitos anos temos arrumado as finanças e as contas públicas da cidade. É lógico que a crise do novo coronavírus afetará a economia como um todo, do país, estados e municípios, mas temos reservas, gastos enxutos e uma equipe administrativa de excelência.

Desenvolvemos o Plano de Mitigação dos Impactos Econômicos e Sociais, que se encarregará das ações durante esse período de isolamento social. A pretensão é investirmos R$ 150 milhões nessas medidas com juros zero. Conseguimos, graças a parcerias no setor financeiro, viabilização de créditos entre R$ 50 mil e R$ 200 mil para que pequenas e médias empresas, situadas no município, tenham capital de giro nesse período. Essas empresas são responsáveis pelo emprego dos niteroienses e precisamos que esses empregos sejam mantidos e retomados ao final da quarentena.

Com esse mesmo pensamento, iremos apoiar as empresas cidadãs que se comprometerem a não demitir seus funcionários por um período de seis meses. Visamos, aí, especialmente, pequenos comércios e serviços com um máximo de 19 empregados. Em contrapartida, a Prefeitura se compromete com essas empresas a pagar por três meses um salário mínimo para até 9 funcionários. Todas essas medidas passarão pela aprovação da Câmara de Vereadores.

O Legislativo já aprovou o auxílio de R$ 500, por três meses, para os cerca de sete mil microempreendedores individuais (MEIs) cadastrados em Niterói. Os taxistas da cidade também podem ser ajudados, com a concessão de um salário mínimo em abril, proposta essa que chegou ao Executivo pela Câmara de Vereadores. Não há contradição entre salvar vidas e salvar a nossa economia. Além de salvar vidas, nossa preocupação é manter a economia viva, de forma que possa haver uma recuperação de forma mais rápida. Esperamos preservar cerca de 10 mil postos de trabalho.

Nossa equipe trabalha com essa preocupação. Passada a tempestade, cuidaremos para que Niterói e os niteroienses retornem o mais rápido possível ao tempo da bonança. Estamos trabalhando firme para isso".

Cerca de 80 mil famílias devem receber kit higiene até 10 de abril- Foto Divulgação/ Luciana Carneiro

A Prefeitura de Niterói iniciou, nesta segunda-feira (30), a entrega dos primeiros 3 mil dos 80 mil kits de higiene que serão distribuídos pelos agentes de saúde do programa Médico de Família. O Caramujo, bairro com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Niterói, na Zona Norte, foi o primeiro a receber os kits.

O plano é que até 10 de abril todas as famílias atendidas porta a porta pelo Programa Médico de Família, em todas as comunidades carentes da cidade, já tenham recebido seus kits que contam com álcool em gel, sabonete, sabão em pó, detergente, cloro e água sanitária. A ação vai beneficiar, ao todo, 220 mil pessoas de Niterói e ajudar a impedir a disseminação do vírus.

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, enfatizou que as medidas adequadas de higiene são fundamentais no combate ao avanço do coronavírus na cidade. Ele reforçou também a necessidade de as pessoas continuarem cumprindo o isolamento social.

“Com o isolamento social e, ao mesmo tempo, mantendo a limpeza da casa e a higiene correta, principalmente, das mãos, vamos evitar a propagação rápida do coronavírus. Por isso, iniciamos hoje esta ação com a distribuição dos kits para as famílias atendidas pelo programa do Médico de Família. É importante ressaltar que as pessoas não precisam sair de casa para buscar os kits. Os agentes vão porta a porta realizando a entrega”, explicou Neves.

Junto ao kit de higiene e limpeza está sendo entregue também um folheto explicativo com as recomendações para o uso dos produtos. Moradora do Caramujo já 52 anos, Sueli Silveira, 56, foi a primeira a receber o kit de higiene.

“Estava precisando muito desses produtos para fazer a limpeza da minha casa. Estou muito feliz e aliviada de estar com esses produtos agora. Essa ajuda está sendo muito importante para todos nós”, disse ela.

Vizinha de Sueli, Maria Luiza Ferreira da Silva, 68 anos, que mora com a neta, contou que o kit chegou em boa hora.

“Estou limpando a casa todos os dias e evitando ao máximo ir à rua. O álcool gel que a gente tem em casa já está acabando, com esse kit vou poder continuar fazendo a limpeza da casa com tranquilidade e de forma certa”, contou.

A vice-presidente de Atenção Coletiva, Ambulatorial e da Família da Fundação Municipal de Saúde de Niterói, Maria Célia Vasconcellos, reforçou a necessidade de limpeza das casas.

“A higienização adequada nos locais de moradia é uma das frentes de combate ao coronavírus. A distribuição dos kits e a orientação dos agentes do programa Médico de Família neste momento será fundamental para avançarmos nesta guerra contra o vírus”, pontuou.

O secretário municipal de Saúde, Rodrigo Oliveira, destacou as medidas que estão sendo adotadas pela Prefeitura e também fez um apelo para que todos continuem mantando o isolamento social.

“Estamos fazendo, entre outras ações, a sanitização em comunidades e principais vias da cidade, iniciamos a distribuição dos kits de higiene e vamos receber mais de 40 mil testes para diagnóstico de covid-19 vindos dos Estados Unidos nesta semana. O objetivo é identificar as pessoas contaminadas, garantir o isolamento social de pessoas assintomáticas e minimizar a propagação do novo coronavírus”, explicou.

Comércio fechado em Niterói - Foto: Marcelo Feitosa

A Prefeitura de Niterói anunciou que abrirá uma “janela” na quarentena para oficinas mecânicas e lojas de material de construção, na próxima semana. O período em que os estabelecimentos poderão funcionar é entre os dias 30 de março e 3 de abril, depois retomando a quarentena total até o dia 10.

De acordo com comunicado divulgado pela Prefeitura, o objetivo da medida é “evitar agravamentos de problemas de logística e permitir com que os produtos essenciais sejam entregues aos mercados”.

O município aproveita para destacar que “é muito importante que todos continuem respeitando o isolamento social, pois ele já mostrou resultados em nossa cidade, que hoje possui um avanço muito mais lento da epidemia do que em outras cidades”.

Sanitização continua 

Equipes da Companhia de Limpeza Urbana de Niterói (Clin) e agentes de sanitização da empresa Truly Nolen fizeram, neste sábado (28), a aplicação da solução de quaternário de amônia de quinta geração para limpeza ruas do Caramujo, na região do Largo de São José e adjacências, na Engenhoca.

Mais Artigos...

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.