19
Sáb, Set

Os dados foram informados pelo prefeito Rodrigo Neves nesta segunda-feira (4) - Foto: Arquivo/ OFlu

O prefeito de Niterói Rodrigo Neves informou, nesta segunda-feira (4), os dados relacionados a adesão da cidade ao isolamento social, que uma das medidas adotadas pela prefeitura no combate ao crescimento do coronavírus desde 22 de março. Segundo Neves, durante sua live diárias nas redes sociais, a cidade atinge 85% de adesão para o ideal do isolamento social, com o objetivo de manter a curva de crescimento achatada da infecção e dos óbitos. 


"Os óbitos têm crescido de maneira lenta e é importante a gente perseverar no isolamento social. A gente precisa melhorar ainda mais. Se o isolamento de Niterói é um dos melhores do pais, a gente tem que ter a consciência que nestes 15 dias, a gente precisa chegar a 100% daquilo que é o ideal para o isolamento social que nos garanta efetivamente a condição de tratar nossos doentes mais graves nos nossos hospitais", destacou o prefeito durante sua fala.


O chefe do Executivo Municipal ressaltou ainda que o gabinete de crise de Niterói tem avaliado todas as possibilidades. "Outros países e cidades tiveram que adotar meditas mais intensas e mais duras como a gente observou na Europa", completou.  

De acordo com o prefeito, Niterói vem apresentando quedas expressiva ao longo dos últimos dois anos - Foto: Divulgação / Prefeitura de Niterói

Os números do Observatório de Segurança Pública de Niterói, divulgados nesta segunda-feira (4), mostram novas quedas nos índices de criminalidade na cidade. O mês de abril de 2020, na comparação com o mesmo período no ano passado, registrou redução de 83,59% no roubo de veículos e de 78,92% nos roubos de rua. Os roubos de carga e a estabelecimentos comerciais diminuíram 58,33% e 50%, respectivamente.

O indicador letalidade violenta, composto por homicídios, mortes por intervenção de agente do estado, latrocínios e lesão corporal seguida de morte também registrou recuo de 26,32% quando comparado a abril de 2019. Na comparação com o primeiro trimestre do ano passado, a queda foi de 46,75% – uma redução de 77 para 41 óbitos de causas violentas em Niterói este ano.

“No contexto da grave pandemia da Covid-19, ampliamos ainda mais investimentos na saúde pública, mas também na área da segurança em Niterói”, informa o prefeito Rodrigo Neves. “Ampliamos os efetivos de Guarda Municipal e do Niterói Presente para enfrentarmos com êxito esse período mais difícil do país e das cidades. Agradeço a todas forças públicas e instituições da sociedade civil que participam do Pacto Niterói contra a Violência. As ações de inteligência, prevenção e proteção social e reforço ao policiamento estão construindo uma cidade ainda melhor e com menos violência”.

De acordo com o levantamento, a redução dos roubos de carga, de veículos e de estabelecimento comerciais é a mais expressiva entre todas cidades da região.

“Estamos seguindo a orientação do prefeito Rodrigo Neves, que nos recomendou que não descuidássemos das ações de segurança na cidade durante a pandemia de Covid-19”, explica o secretário do Gabinete de Gestão Integrada de Segurança de Niterói, Gilson Chagas. “Não estamos medindo esforços nas ações integradas com as forças de segurança estaduais e federais. Cabe destacar que no último mês tivemos importante reforço com convocação dos guardas municipais que passaram no último concurso e a ampliação do programa Niterói Presente para o Barreto. No contexto atual em que muitos municípios estão tendo problemas em unir o combate ao novo coronavírus e o enfrentamento à violência, Niterói está atuando em todas as frentes”.

A queda do roubo de veículos na área 81ª DP (Itaipu) foi a maior: 92,86%, diminuindo de 28 para apenas 2 ocorrências.

"Eu acredito que um conjunto de ações tenha influenciado para que se alcançasse esse resultado tão expressivo. A integração entre as polícias Militar e Civil, ações proporcionadas pela Prefeitura, como o Proeis e Niterói Presente, e a atuação do CISP, monitorando toda a cidade, foram decisivos para os resultados”, destaca o delegado Gláucio Paz, que esteve à frente da 81ª DP (Itaipu) no período.

Segurança – Implantado pela Prefeitura de Niterói, o Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp) monitora a cidade 24 horas por dia com aproximadamente 600 câmeras, 70 delas inteligentes que fazem o cercamento eletrônico, responsável por ajudar a recuperar veículos e prender quadrilhas. No Cisp, guardas municipais trabalham monitorando a cidade e acionando as forças de segurança e serviços de emergência de forma mais dinâmica.

Além disso, há o pagamento do Programa Estadual de Integração na Segurança (Proeis) para policiais trabalharem em horário de folga e pagamento de Regime Adicional de Serviço (RAS) para guardas municipais, entre outras iniciativas. Os programas financiados pela Prefeitura colocam em média 420 homens por dia nas ruas patrulhando a cidade.

Na atual gestão, o número de guardas passou de cerca de 300 para mais de 630 agentes, todos concursados, e a meta da Prefeitura é chegar a mil guardas, que é o limite permitido por lei. Além de dobrar o efetivo da guarda, a Prefeitura, desde 2013 está investindo na valorização da corporação, com ações como a construção da Cidade da Ordem Pública Coronel Marcus Jardim, que conta com um auditório com capacidade para 350 pessoas, alojamentos, banheiros e refeitório, entre outras instalações.

Foi criado o Regime Adicional de Serviço (RAS) da Guarda Municipal, que autoriza o trabalho de integrantes da corporação em turnos adicionais com escala diferenciada com gratificação de encargos especiais.  

Ao longo da curva da pandemia, o município espera testar um a cada 10 habitantes - Foto: Divulgação/Prefeitura de Niterói

Durante vídeo ao vivo nas redes sociais da Prefeitura neste domingo (3), Rodrigo Neves anunciou que, a partir de segunda-feira (4), terá início uma ação com a Defesa Civil, por meio dos voluntários cadastrados nos Nudecs, que irão auxiliar as equipes das unidades básicas de saúde para a triagem de pessoas nas comunidades com sintomas leves. O teste sorológico será feito a partir do oitavo dia dos sintomas identificados pela equipe de atenção básica, através do programa Médico de Família.

O plano da Prefeitura, de acordo com o prefeito, é seguir as experiências internacionais com a testagem rápida. Ao longo da curva da pandemia, o município espera testar um a cada 10 habitantes.

“A aplicação dos testes rápidos na população permite um melhor acompanhamento da evolução da covid-19. A intenção é conhecer o comportamento da doença e, dessa forma, estabelecer estratégias mais efetivas para qualificar o planejamento das ações em Niterói”, disse Rodrigo Neves.

Icaraí é o bairro da cidade com mais casos confirmados e fatais da doença - Foto: Douglas Macedo / Prefeitura de Niterói

Em uma intensa luta contra a pandemia do novo coronavírus, o município de Niterói atingiu no boletim atualizado nesta segunda-feira (04) pela prefeitura 470 casos de Covid-19 confirmados em moradores da cidade. E nessa nova atualização o município contabilizou mais 2 casos fatais da doença em relação ao número divulgado pelo Estado. De acordo com a prefeitura a cidade chegou a um total de 29 óbitos.  

Rodrigo Neves, prefeito de Niterói, durante a live diária da prefeitura afirmou que dos casos confirmados, 75%são de pessoas de 0 a 59 anos e 25% dos casos confirmados são de pessoas de 60 a 90 anos. Em relação aos óbitos ocorre uma inversão. 75% dos casos fatais são em pessoas com mais de 60 anos e 25 % em pessoas com menos de 60.

Dos pacientes confirmados com a covid-19, 204 estão em isolamento domiciliar e sendo acompanhados pela Fundação Municipal de Saúde, 64 se encontram hospitalizados e 173 recuperados. Vale ressaltar que o município segue firme no isolamento social que foi prorrogado pelo executivo até o dia 15 de maio, quando será feita uma nova avaliação.

Rodrigo Neves ainda lembrou a população que os casos confirmados devem aumentar ainda mais nos próximos dias por conta do programa de testagem massiva em moradores de Niterói através dos testes rápidos, que foram iniciados no dia primeiro de maio. Com isso o município terá uma proporção de testes em relação a habitantes superior a cidades de países desenvolvidos. Será em média um teste para cada dez pessoas.

Dos casos confirmados, o bairro de Icaraí está no topo da lista com 139 pacientes, em segundo está o  Fonseca com 42 casos, seguido por Santa Rosa com 34, e Barreto com 30. Praticamente todos os bairros já contam com pelo menos um registro de pacientes infectados com a doença.

Na lista de óbitos, Icaraí aparece com 9 casos fatais e Santa Rosa 5, quase metade dos óbitos registrados em todo o município estão divididos entre esses dois bairros.

Rodrigo Neves terminou a live reforçando a importância da perseverança na quarentena, garantindo que Niterói já está vencendo a luta contra a doença.

Prefeitura de Niterói pagará um salário mínimo, por três meses, para até nove empregados das empresas da cidade que tenham até 19 funcionários - Foto: Berg Silva/Prefeitura de Niterói

Nesta terça-feira (5), as empresas de Niterói que se inscreveram no programa Empresa Cidadã receberão o primeiro depósito. A Prefeitura de Niterói pagará um salário mínimo, nos meses de maio, junho e julho, para até nove empregados de empresas, entidades religiosas e organizações sindicais com alvará na cidade, e que tenham até 19 funcionários. Como contrapartida, as empresas se comprometem a não reduzir seu número de funcionários até outubro.

“Espera-se, com a medida, proteger 10 mil postos de trabalho. Essa é uma estratégia inovadora para ajudar pequenas e médias empresas a superarem esse momento difícil com a pandemia de Covid-19. Niterói é a única cidade do país com um programa desse tipo, para apoiar a atividade econômica”, enfatiza o prefeito Rodrigo Neves.

A secretária municipal de Fazenda, Giovanna Victer, destacou que entre as pequenas empresas já cadastradas, estão restaurantes, lanchonetes, livrarias, papelarias, salões de beleza, comércio varejista em geral, empresas de turismo, de serviços de manutenção e consultórios odontológicos, entre outras atividades. Giovanna falou também de outras medidas econômicas que foram adotadas pela Prefeitura.

“Nossa primeira medida foi o apoio aos MEIs, que receberão, por três meses, um auxílio de R$ 500. Implantamos também o Fundo Supera Niterói, no qual a Prefeitura de Niterói vai injetar R$ 150 milhões na economia da cidade por meio do Fundo de Crédito Emergencial de apoio às micros e pequenas empresas sediadas na cidade que terão direito a pegar empréstimos a juro zero em instituições financeiras credenciadas pelo município”, explica

De acordo com a secretária, os empréstimos poderão variar entre R$ 25 mil e R$ 250 mil, em uma linha de crédito de R$ 150 milhões.

“Com o Fundo Niterói Supera, a prefeitura pretende fortalecer e dar resiliência para as micro e pequenas empresas de Niterói. Pretendemos deixar as empresas vivas nesse período difícil em que muitas tiveram suas atividades prejudicadas devido ao isolamento social e pretendemos voltar, tão logo possível, às nossas atividades e o nosso crescimento”, afirmou Giovanna Victer.

Serviço gratuito oferece orientações personalizadas e a possibilidade de comunicação dos sintomas da doença aos profissionais de saúde - Foto: Divulgação

A Prefeitura de Niterói vai oferecer um novo serviço à população voltado para o combate à disseminação do novo coronavírus. O “Niterói serviços ao cidadão” é uma plataforma digital disponível gratuitamente nas lojas da Apple e do Google, que permite ao usuário fazer uma autoavaliação do estado de saúde. De acordo com o resultado, será possível cadastrar um telefone e/ou e-mail para receber mensagens e ligações de profissionais de enfermagem da rede pública de Niterói. A cada 24h ou 48h, os sintomas informados serão checados por essa equipe, que poderá indicar a ida até uma das unidades de saúde de referência para Covid-19 na cidade ou, se houver necessidade, acionar uma equipe do Samu para ir até o local. Aplicativo está em fase de teste e será lançado oficialmente este mês, ainda sem data definida.

O programa de telemonitoramento foi desenvolvido pela Fundação Estatal de Saúde de (Fe-Saúde), empresa pública ligada à Secretaria Municipal de Saúde. A diretora da Fe-Saúde, Anamaria Schneider, diz que todo o esforço foi feito para que pacientes com sinais de agravamento do quadro de saúde cheguem o mais rápido possível aos hospitais de referência.

“Essa agilidade é fundamental para salvar vidas, porque pode evitar que o paciente chegue às unidades de saúde com o quadro muito agravado. Por meio da plataforma digital, a Prefeitura se aproxima ainda mais dos cidadãos, apoiando-os nesse momento delicado, com orientações personalizadas”, afirma Anamaria Schneider.

O aplicativo também pode ser acessado através do site www.coronavirus.niteroi.rj.gov.br, um portal de serviços ao cidadão que têm ainda informações sobre o novo coronavírus e as ações adotadas pela Prefeitura de Niterói no combate à pandemia.

O “Niterói serviços ao cidadão” também oferece orientações sobre como evitar o contágio, dicas para o isolamento domiciliar e a lista de unidades de saúde que atendem casos suspeitos de Covid-19. Além disso, os dados registrados no site/aplicativo pelos usuários vão gerar relatórios de incidência de casos suspeitos e confirmados da doença, ajudando a orientar as ações de enfrentamento da epidemia implantadas pela Prefeitura.

Como funciona - Ao acessar o "Niterói serviços ao cidadão", o usuário é informado de que ele não está passando por uma consulta médica. Ao assinalar os sintomas apresentados e responder a perguntas como idade e doenças preexistentes, a pessoa recebe uma orientação baseada em protocolos da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde.

Caso sejam identificados sintomas relacionados à Covid-19, o programa também oferece informações sobre como todos na residência devem agir durante os 14 dias de isolamento domiciliar. Quando não houver condições de realizar a quarentena no próprio domicílio, a equipe ainda pode indicar o Centro de Referência de Quarentena Assistida para que esse isolamento seja possível. Durante esse período, profissionais de enfermagem do telemonitoramento entrarão em contato por meio de ligações telefônicas, SMS ou e-mail para acompanhar o estado de saúde do paciente e ajudar com orientações personalizadas. Para isso, ao fim do questionário respondido na plataforma digital, o usuário precisa informar telefone e/ou e-mail e se mora em Niterói.

O telemonitoramento aos usuários do aplicativo será realizado de segunda-feira a sábado, das 8h às 19h, por técnicos de enfermagem e/ou acadêmicos de graduação dos cursos da área da Saúde da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Tiroteio aconteceu no Engenho do Mato - Foto: Divulgação/PMERJ

Um homem foi morto e outros dois foram baleados, durante confronto com a Polícia Militar, na noite de sábado (2), no Engenho do Mato, Região Oceânica de Niterói. Segundo a corporação, os três são suspeitos de tráfico de drogas.

Militares do 12º BPM (Niterói) faziam patrulhamento pra reprimir o tráfico quando viram o trio passando numa moto pela Rua 53. Foi dada ordem de parada, que não foi respeitada, e, segundo o batalhão, os suspeitos atiraram contra a viatura.

Os policiais revidaram e houve confronto, no qual nenhum policial ficou ferido, mas os três suspeitos foram baleados, sendo que um deles morreu no local. Os feridos foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros ao Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), no Fonseca, Zona Norte da cidade.

A Polícia Civil fez a perícia no local e o corpo do suspeito que não resistiu, que tinha 18 anos, foi levado ao Instituto Médico Legal (IML), no bairro do Barreto. Com o trio, foram apreendidos uma pistola, 10 munições, binóculo, rádio transmissor, drogas a serem contabilizadas, além da moto, modelo Honda CG Fan.

O caso foi registrado pela Delegacia de Homicídios (DH) de Niterói.

Para universalizar a informação, dois intérpretes de Língua Brasileira de Sinais (Libras) participam para assegurar que todos tenham acesso às informações de prevenção ao coronavírus - Foto: Bruno Eduardo Alves / Divulgação Prefeitura de Niterói

Desde o início da pandemia do coronavírus, a Prefeitura de Niterói desenvolveu uma série de ações para cuidar da população, tanto na área da saúde quanto em projetos econômicos e sociais. Em transmissões diárias nas redes sociais, o prefeito Rodrigo Neves tem divulgado as medidas adotadas pelo município para proteger a população. E, para universalizar a informação, dois intérpretes de Língua Brasileira de Sinais (Libras) participam para assegurar que todos tenham acesso às informações de prevenção ao coronavírus.


“Estamos numa batalha para salvar vidas e isso abrange muitas ações em campos diferentes, desde o isolamento social, as ações de saúde, até as ações de mitigação dos efeitos econômicos, porém não podemos esquecer que essas informações precisam chegar à toda a população para que a mesma se sinta segura de que a prefeitura está agindo”, disse o prefeito.


Niterói tem, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), uma população surda de mais de 5.500 pessoas surdas e quase 20 mil com alguma deficiência auditiva. Essa população, independentemente do nível de escolaridade, possui algumas dificuldades para entender mesmo os textos estando em português, pois sua primeira língua é a dos sinais.


Desde o início de abril, o gabinete de crise colocou dois intérpretes de libras para fazer uma tradução simultânea nos pronunciamentos diários. Alex Sandro Lins Ramos (23), professor, tradutor/intérprete de Libras e guia-intérprete, e Drielle Hipólito de Moraes (25), professora, graduanda de Letras/Libras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e tradutora/intérprete de Libras, são os dois rostos que se tornaram conhecidos da população de Niterói e que traduzem às pessoas surdas e as com dificuldades auditivas as informações e medidas que o gabinete toma diariamente em prol da saúde dos niteroienses.


“A presença de intérpretes tem sido muito importante, pois possibilita o acesso às informações do que está acontecendo na cidade de Niterói, que possui uma população surda numerosa e politicamente engajada na luta por seus direitos. Principalmente no que diz respeito às legislações e decisões municipais, pois são informações específicas”, disse Alex.


Drielle ressalta que quando os boletins começaram a ser acessíveis em Libras, a comunidade surda, principalmente a de Niterói, vibrou muito com a conquista, pois agora podem participar de forma cidadã da vida pública e política da cidade.


“Alguns surdos tinham dúvidas com relação aos programas e projetos que foram estruturados pelo gabinete de crise para prevenção ao coronavírus. Muitos deles não sabiam que tinham direto aos apoios que a prefeitura de Niterói estava prestando nesse período de pandemia. Alguns até sabiam que a prefeitura estava se mobilizando para ajudar as famílias mais pobres, porém não sabiam como solicitar e ter acesso a esses benefícios. Outra dúvida constante foram os decretos que o prefeito sancionou nesse período, que trazem recomendações bem detalhadas sobre trânsito, hospitais de referência e apoio financeiros. Não sei o número exato de surdos que estão assistindo as transmissões diárias, mas tenho certeza que o alcance é muito grande, pois além de auxiliar os surdos residentes de Niterói, os boletins acessíveis em Libras também auxiliam os das cidades vizinhas”, explicou a intérprete.


A medida foi aprovada pela pedagoga e professora de libras Luciane Rangel Rodrigues (53), que mora em Icaraí.


“É muito difícil ler os lábios do prefeito e das demais autoridades durante os pronunciamentos. Acompanhava apenas os textos postados nas redes sociais e nos jornais.  Moro sozinha e estou isolada, pois pertenço ao grupo de risco por ser diabética.  Detesto precisar que meus amigos ouvintes me ajudem a interpretar e tenho dificuldade, assim como outros surdos que usam libras – que é a nossa língua natural, para ter acesso às informações em língua portuguesa”, conta Luciane.

O subsecretário de Acessibilidade, Bruno de Souza Teixeira, conta que, desde 2015, Niterói conta com uma Central de Interpretação de Libras.


“Os moradores de Niterói tem à sua disposição uma central onde eles podem solicitar um acompanhante que seja intérprete ou tradutor de libras quando precisam usar serviços públicos como marcação de consultas médicas, solicitação de emissão de documentos pessoais (CPF, Carteira de Identidade, Carteira de Trabalho, Passaporte, entre outros), cadastramento nos programas sociais do governo, consulta de situação de benefícios, auxílio na consulta de benefícios ao trabalhador (FGTS, Seguro-desemprego, vagas de emprego no SINE, entre outros), apoio à realização de denúncias no Disque 100 e demais canais de denúncia, acompanhamento jurídico, entre outros”, explica Bruno.

Por conta da disseminação do coronavírus, uma série de medidas tiveram que ser adotadas também na rotina dos condomínios

Por conta da disseminação do coronavírus, uma série de medidas tiveram que ser adotadas também na rotina dos condomínios, que precisaram reforçar a higienização nas áreas comuns e compartilhadas para evitar que o vírus se prolifere pelo local.

Com objetivo de conter aglomerações, especialistas orientam que todas as decisões sejam feitas por videoconferência, grupos de Whatsapp e avisos em áreas comuns do condomínio, evitando assembléias e reuniões presenciais. Desse jeito, é possível que se cumpra a recomendação de que os condôminos evitem ao máximo circular pelas dependências do local.

Como norma, ficou determinado que, até o fim do isolamento social, os condomínios devem suspender o funcionamento de todas as áreas de recreação como piscina, churrasqueira, salão de festas e sala de ginástica.

Os funcionários devem ser instruídos a lavar as mãos como indicam médicos infectologistas e sanitaristas e os prestadores de serviços gerais precisam ser instruídos a limpar com álcool 70° os corrimãos, maçanetas, botoeiras e painéis de elevadores, o balcão da portaria e todos os locais que moradores, colaboradores e entregadores tocam. Também é recomendado que o síndico disponibilize álcool gel na portaria e em outras áreas de maior circulação de pessoas. A sugestão é que as portas das áreas comuns sejam mantidas abertas para que o ar circule.

"É importante distribuir uma circular aos moradores lembrando que tais cuidados não são apenas para o coronavírus, mas servem também para reduzir a disseminação do vírus Influenza (gripe), sarampo, conjuntivite e outras viroses que podem ser evitadas com a higiene", orienta o Sindicato dos Condomínios Comerciais, Residenciais e Mistos de Niterói e São Gonçalo (SinCond). 

Obra é quase sempre um assunto polêmico nos condomínios. Durante a quarentena, todas as obras no interior dos prédios devem ser suspensas, com o objetivo de evitar o fluxo intenso de pessoas nas dependências comuns do local. Segundo o sindicato, o síndico tem a autoridade para suspender as autorizações para a realização de obras voluptuárias - ou seja, aquelas que não há necessidade de troca mas querem fazer por capricho - nas unidades autônomas da edificação, caso as mesmas sejam promovidas por terceiros contratados. Serviços de urgência, como reparos elétricos e hidráulicos devem ser mantidos e executados com o máximo de segurança, respeitando as recomendações do Ministério da Saúde. Em situações onde a obra ainda não foi iniciada e que não haja mais interesse em executá-la, é possível rompimento do contrato sem a culpa do contratante, em razão da pandemia.

"É importante ressaltar que a administração condominial não poderá impedir a realização de obras consideradas emergenciais, ou seja, aquelas que têm por objetivo sanar ou reparar defeitos ou irregularidades cujo perigo e necessidade sejam iminentes", salienta o sindicato.

Durante a pandemia, o condomínio pode proibir o acesso de prestadores de serviços nas áreas comuns e privativas em situações que não sejam de emergência.

Já lavanderias escapam das medidas de restrição em áreas comuns de condomínios. Orienta-se que a lavanderia continue funcionando em prédios onde os apartamentos não contém espaço para área de serviço. Nesses casos, a higienização e conscientização dos moradores deve ser ainda maior, evitando aglomeração.

O uso do elevador não deve ser paralisado, uma vez que é um meio de locomoção. A recomendação é que se crie regras de uso, como a limitação de pessoas e a constante higienização.

É importante destacar que o condomínio não pode proibir o acesso de visitantes, já que é um direito do condômino usar, fruir e dispor de seu unidade, na forma do art.1.355 do Código Civil. No entanto, as visitas violam a determinação de isolamento social. O sindicato recomenda bom senso.

Em caso de contaminação de algum morador, é dever do condômino infectado notificar a direção do condomínio sobre seu estado de saúde para que providências sejam tomadas junto à saúde pública. O síndico deve informar a todos os moradores sobre caso positivo da doença no local mas não é recomendado que identifique quem é o contaminado para que não ocorra uma exposição constrangedora.

Muitos condomínios já estão seguindo à risca as recomendações. Rodolfo Furtado Lima, de 54 anos, síndico de um prédio de Santa Rosa, Zona Sul de Niterói, garante que a conscientização está em dia no local. No prédio, que teve todas as áreas de lazer interditadas como recomendado, os condôminos estão seguindo as indicações impostas e nenhum precisou ser multado até o momento.

"Os moradores estão aderindo todas as recomendações. Achei que poderia ter algum tipo de problema com as novas normas, mas me surpreendi para o bem. Todos estão muito conscientes do perigo atual. Percebo que é um sentimento de conscientização. Seguindo a recomendação do sindicato, orientei que as obras que aconteciam nos apartamentos fossem interrompidas, pois além da determinação de evitar o fluxo de pessoas, muitos moradores estão em home office e o barulho provocado nessas intervenções poderia incomodá-los", disse Rodolfo, que também distribuiu máscaras para todos os funcionários e disponibilizou álcool em gel nas áreas comuns do condomínio.

Vale ressaltar que a pandemia do coronavírus não abstém o dever dos condôminos no pagamentos das taxas condominiais. Em casos de eventuais impossibilidades de pagamento, a recomendação é que a situação seja levada ao síndico e à administradora para que ocorra uma negociação.

Especialistas alertam que o condomínio pode ser penalizado caso não adote as medidas necessárias, visto que o local é uma pessoa jurídica de direito privado, representado pelo síndico ou administrador contratado.

Serviço entra na segunda etapa, levando higienização para vias secundárias e vielas - Foto: Luciana Carneiro/ Prefeitura de Niterói

Em pouco mais de um mês, desde 23 de março, mais de 28.009,67 km² foram percorridos entre bairros e comunidades de Niterói pela Companhia de Limpeza Urbana (Clin) e agentes de sanitização da empresa contratada para a aplicação da solução de quaternário de amônia de quinta geração para limpeza das comunidades e vias de Niterói. O processo entra agora em sua segunda etapa e vai seguir por vias secundárias e vielas da cidade.

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, ressalta que essa é uma das importantes medidas tomadas pela prefeitura no combate à expansão rápida do coronavírus.

“É importante ressaltar que essa ação já foi desenvolvida em países e cidades que enfrentaram, com sucesso, a epidemia do coronavírus. Com esta técnica, a um custo muito pequeno, realizados a desinfecção em ambientes externos, com durabilidade de três meses e, em ambientes internos, que ficam protegidos seis meses. Essa medida vai auxiliar para impedir a propagação rápida do vírus em Niterói”, disse o prefeito.

A secretária de Conservação e Serviços Públicos, Dayse Monassa, reforça a necessidade da continuação do trabalho, por causa da grande circulação de pessoas nesses locais.

“Já concluímos a sanitização das principais comunidades e todos os bairros de Niterói e agora estamos reforçando a sanitização nas 20 maiores aglomerações comunitárias da cidade. O reforço acontece por conta do grande fluxo de pessoas nestes locais. A sanitização é uma medida importante na prevenção da transmissão do novo coronavírus”, disse a secretária.

O produto age como uma película que mata os micro-organismos que estão no local (vírus, bactérias, fungos e ácaros) e forma uma camada protetora que mantém a superfície desinfetada por até seis meses, dependendo da circulação de pessoas. A solução química é a mesma usada pela China para desinfecção das ruas daquele País.

De acordo com o presidente da Clin, Luiz Carlos Fróes Garcia, o trabalho já foi feito em toda a cidade e agora começa uma nova fase.

“Seguimos com a sanitização por toda a cidade. Nessa segunda etapa, daremos continuidade pelas vias secundárias, já que iniciamos o processo pelas principais avenidas. Nossa equipe trabalha dia e noite e já chegamos a todos os bairros de Niterói, proporcionando um ambiente mais higienizado para toda a população. Seguiremos atuantes para vencermos essa guerra contra o coronavírus, disse Luiz Carlos.

 

Roteiro

O trabalho de sanitização já foi realizado nos seguintes bairros: Badu, Bairro de Fátima, Baldeador, Barreto, Camboinhas, Caramujo, Centro, Charitas, Cubango, Engenho do Mato, Engenhoca, Fonseca, Icaraí, Ingá, Itacoatiara, Jurujuba, Largo da Batalha, Maria Paula, Pé Pequeno, Piratininga, Ponta da Areia, Rio do Ouro, Santa Barbara, Santa Rosa, Santo Antônio, São Francisco, São Lourenço, Tenente Jardim, Várzea das Moças e Vital Brasil.

Também foram beneficiadas as seguintes comunidades: 30 de Outubro, Abacaxi, Africano, Alarico, Alberto Laurentino /Sape, Arroz, Bela Vista Atalaia, Bela Vista/Sape, Beltrão, Bernardino, Boa Esperança, Boa Vista, Bomfim, Bonsucesso, Brasiliana, Bumba Velho, Buraco da Bacia, Caniçal, Cantagalo, Capim Melado, Caranguejo, Cascarejo, Castro Alves, Cavalão, Chácara, Cocada, Coelho, Coreia, Coronel Leôncio, Coruja, Cravinho, Cruz, Cutia, Dionisio Mendes, Dona Inês, Dona Zinha, Erasmo Braga, Estevão, Eucalipto, Facciotti/Sape, Fatima, Fazendinha/Badu, Formiga, Galinha, Grota, Guaporé, Herdy, Holofote, Iara, Ignácio Bezerra de Menezes, Igreja de Jurujuba, Igrejinha, Jacaré, Jonathas Botelho, Juca Branco, Lara Vilela 94, Maceió, Marcia Valéria, Makenze, Mams, Marítimo, Maruí, Mato Grosso, MIC (Morro da Ilha da Conceição), Monan, Morro da Luz, Morro do Estado, Morro do Pires, Nova Brasília, Oliveira Lima, Palácio, Palmeiras, Papagaio, Pátio da Leopoldina, Penha, Poço Largo, Ponte Velha, Preventório, Rato Molhado/Sape, Recanto das Garças, Ribeiro de Almeida (Rua 28), Rua 1, Rua C, D e F, Rua do Rumo, Sabão, Salinas, Santo Cristo, São Luiz, Sem Terra, Serrão, Silvino Pinto, Sítio Ferro, Souza, Souza Soares, Terreirão, Trav. Alice e Odete, Travessa da Fonte, Trav. Oto, Travessa 600, União, Vila Ipiranga, Vital Brasil e Zulu.

Aumento expressivo de casos se deve ao início do programa de testagem massiva da população - Foto: Douglas Macedo/ Arquivo

A cidade de Niterói confirmou 431 casos de coronavírus até este sábado (2) e 26 mortes pela doença. De acordo com o boletim informativo da Prefeitura, são 176 pessoas em isolamento domiciliar, 167 recuperados e 62 hospitalizados. 

A cidade está em fase de transmissão comunitária e segue aumentando as medidas para evitar a proliferação do vírus. Estreitamento do isolamento social, uso de máscaras, distribuição de kits de higiene e limpeza, e restrição da entrada na cidade são algumas das ações adotadas pelo executivo municipal para controle do número de casos. 

"É importante destacar que o aumento expressivo de casos identificados no dia de hoje se deve ao início do programa de testagem massiva da população", destacou a prefeitura no boletim informativo. 

 

Mais Artigos...

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.