13
Qui, Ago

Será a primeira escola de Ensino Médio construída em Itaipuaçu, uma das regiões do município com carência de vagas neste segmento - Foto: Divulgação

O Governo do Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Educação (Seeduc), inaugurou, nesta quinta-feira (13), o Colégio Estadual Darcy Ribeiro, em Itaipuaçu, distrito de Maricá. Será a primeira escola de Ensino Médio construída na região, uma das áreas do município com carência de vagas neste segmento.

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel; o secretário de Estado de Educação, Pedro Fernandes; e o prefeito de Maricá, Fabiano Horta, estiveram presentes no evento.

"Nos últimos 17 anos, foram inauguradas apenas 15 escolas. Agora, em dois anos, foram 40 unidades escolares. Além disso, estamos com o quadro de professores, praticamente, completo no estado e essa escola inaugurada hoje, por exemplo, tem professores para todas as disciplinas. O resultado disso é que, no ano passado, a Secretaria registrou a maior aprovação da história e a menor taxa de evasão", declarou o governador Wilson Witzel.

O Colégio Estadual Darcy Ribeiro funcionará nos turnos da manhã, tarde e noite. A unidade escolar conta com cerca de 300 estudantes e está se preparando para ter mais 5 turmas.

"Os jovens desta localidade tinham que se deslocar cerca de 40 minutos para poder estudar e a demanda ainda é tão grande que em parceria com a prefeitura, já começamos o planejamento para ampliar a unidade em mais 5 turmas", declarou Pedro Fernandes, secretário de Estado de Educação.

Nas últimas semanas, diversas novas escolas têm sido iniciadas pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, principalmente, as vocacionadas ao Ensino Cívico-Militar, localizadas em 11 municípios do Rio de Janeiro. Inaugurada hoje, dia 13 de agosto, o Colégio Estadual Darcy Ribeiro vai suprir o déficit de vagas em Itaipuaçu, na cidade de Maricá.

"O crescimento desta região demandava a construção de uma escola. Com a parceria do Governo do Estado com a prefeitura, este sonho coletivo se concretizou. Pois, hoje estes alunos podem estudar perto de casa", afirmou Fabiano Horta, prefeito de Maricá.

Segundo a Cedae, serão disponibilizados carros-pipa para abastecer de forma alternativa os imóveis das regiões afetadas - Foto: Divulgação

Em função da estiagem e da consequente redução dos níveis dos mananciais onde a Cedae capta água para tratamento e distribuição, a Companhia informa que haverá redução no fornecimento de água para os municípios de Magé e Maricá.

A Cedae está realizando manobras operacionais para minimizar os efeitos da seca que reduziu a vazão das represas do Paraíso e Santo Aleixo, em Magé, e do Rio Ubatiba, em Maricá. Além disso, foram disponibilizados carros-pipa para abastecer de forma alternativa os imóveis da região. Moradores podem solicitar o serviço pelo 0800-282-1195.

Como não há previsão de chuva para os próximos dias, a Cedae solicita que a população utilize água de forma equilibrada e adie atividades que não sejam essenciais e que demandem grande consumo.

Em caso de reincidência, infrator perde os direitos de continuar nos programas do governo - Foto: Anselmo Mourão / Prefeitura de Maricá

Quem desrespeitar as medidas que compõem o protocolo de segurança e for flagrado sem máscaras de proteção - cujo uso é obrigatório - nas vias públicas de Maricá será multado. As multas variam de R$ 50 (pessoas físicas) a R$ 500 (pessoas jurídicas que descumprirem as condutas obrigatórias).

A medida, para evitar o relaxamento no cuidado com a covid-19 na cidade, foi publicada no Jornal Oficial de Maricá (JOM) desta quarta-feira (5) após aprovação pela Câmara Municipal do projeto de lei n° 33/2020 encaminhado pelo prefeito Fabiano Horta.

“A máscara é o instrumento mais potente para impedir a disseminação do vírus e infelizmente notei um relaxamento da população no uso das máscaras. Os números não traduzem a necessidade de uma mudança de estágio. O comércio tem que se autofiscalizar para que a aglomeração não aconteça. É um pacto coletivo e necessário”, afirmou Fabiano Horta na live do último dia 27/07 que foi transmitida pelas redes sociais da prefeitura.

É considerado conduta obrigatória o distanciamento de 1,5 m (um metro e meio) entre as pessoas, o cumprimento às determinações de higienização e utilização de álcool em gel, às restrições de acesso decorrentes de barreiras sanitárias, o cumprimento às demais restrições de acesso e horários.

Segundo o subsecretário de governo, Alexandre Costa, em caso de reincidência o infrator perde os direitos de continuar nos programas do governo.

“No segundo ato de infração dobra a multa de R$ 50 para R$ 100. Depois disso, a pessoa começa a perder os direitos ao benefício do Programa de Amparo ao Trabalhador (PAT), do Programa de Amparo ao Emprego (PAE), do Renda Básica de Cidadania (RBC), além da descontinuidade ao Programa Passaporte Universitário e o descredenciamento ao Bilhete Único Universitário”, explicou Alexandre, reforçando que os pedestres sem máscaras serão abordados por agentes da Guarda Municipal, do Procon e da fiscalização de Posturas para apresentação dos documentos pessoais.

No caso de estabelecimentos comerciais, devem obedecer às seguintes regras, já em vigor: assegurar que todos os clientes higienizem as mãos com álcool 70% ao entrarem nos estabelecimentos; disponibilizar e prezar pelo uso obrigatório de limpa-sapato, tapete ou toalha umidificada de hipoclorito de sódio 2% para higienização e desinfecção de sapatos na entrada; atender aos horários admitidos de funcionamento; observar a limitação de atendentes e de circulação das pessoas no recinto.

É necessário ainda medir a temperatura do corpo (termômetro) dos clientes na entrada dos estabelecimentos; colocar placa indicativa no acesso ao comércio, nos moldes determinados pelo Poder Público contendo a informação da bandeira atual (Nível Amarelo 2). Deve limitar a capacidade máxima de pessoas no estabelecimento e disponibilizar número e contato dos canais para denúncias de superlotação e descumprimento das normas e horário de funcionamento.

Como pena aplicada, caso o estabelecimento seja reincidente, ele será descredenciado do programa da Secretaria de Economia Solidária “Moeda Social Mumbuca”. Na terceira reincidência, haverá suspensão de alvará de funcionamento por 30 dias. Em persistência ao ato infracional, haverá a cassação do alvará de funcionamento até o final de vigência exercício financeiro.

A penalidade será aplicada mediante lavratura de auto de infração, que deverá conter o local, a data e a hora da lavratura, o nome, o CPF e o endereço do infrator, a descrição clara e precisa do fato que constituiu a infração e, se necessário, as circunstâncias pertinentes.

O infrator tem o prazo de 10 úteis dias para efetuar o pagamento da multa, contados a partir da autuação. Para isso, ele deve comparecer ao setor de Tributos da Prefeitura munido do auto de infração para a emissão do Documento de Arrecadação Municipal (DAM).

Antes de efetuar o pagamento, o infrator poderá recorrer da multa e apresentar a sua defesa no prazo de dois dias úteis do ato infracional. Este recurso será julgado pela Comissão Especial composta por um membro da Procuradoria Municipal, um membro do Conselho Municipal de Saúde e dois membros do Comitê Municipal de Prevenção, Orientação e enfrentamento à Covid-19. A comissão terá o prazo de 60 dias para julgamento da defesa, ficando suspensa a cobrança ou advertência da infração até o julgamento em trânsito em julgado.

Os valores recolhidos nas multas aplicadas deverão ser utilizados obrigatoriamente em ações e serviços de saúde e assistência social.

 

Iniciativa oferece crédito emergencial aos proprietários de micro e pequenas empresas instaladas na cidade - Foto: Marcos Fabricio/Prefeitura de Maricá

A Prefeitura de Maricá, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Comércio, Indústria, Petróleo e Portos, prorrogou as inscrições do Fomenta Maricá, até o dia 21 de agosto. A iniciativa faz parte das principais medidas de suporte à economia local durante a pandemia de covid-19, oferecendo crédito emergencial aos proprietários de micro e pequenas empresas instaladas na cidade.

Até o momento aproximadamente R$ 10 milhões em financiamentos foram concretizados e 300 pessoas jurídicas contempladas. Para ter acesso às linhas de crédito do Fomenta Maricá, é necessário que as empresas estejam instaladas no município, com prioridade para micro e pequenas empresas registradas no Simples Nacional, do governo federal.

“O Fomenta Maricá vem sendo essencial dentro das políticas de recuperação econômica da manutenção da economia e se tornou um modelo a ser implantado em diversos municípios que tiveram como exemplo a política de crédito de Maricá”, ressaltou o secretário Magnun Amado.

Os empresários que se inscreverem no programa devem ficar atentos à documentação necessária, que inclui ainda documentos obrigatórios exigidos pela Agência de Fomento do Rio de Janeiro (AgeRio): extrato bancário em nome da empresa que está solicitando o crédito, para garantir que o respectivo valor seja depositado na conta correta; cópia de comprovante de endereço da empresa atualizado (conta de água, luz, gás ou telefone) emitida há menos de 90 dias, foto (no formato selfie) do sócio solicitante do crédito, segurando o documento de indenidade (RG) com a foto do respectivo documento virada para câmera e Certidão de regularidade FGTS.

Os interessados devem ficar atentos ao preenchimento correto do cadastro e ao envio dos documentos obrigatórios necessários para solicitar o crédito emergencial. Toda a operacionalização de crédito do Fomenta Maricá será gerido pela AgeRio, além disso o município pretende priorizar ao máximo o acesso dos aprovados aos respectivos recursos.

Iniciado em março de 2020, o processo de revisão se desenvolverá ao longo de um ano - Foto: Divulgação/Prefeitura de Maricá

A Prefeitura de Maricá iniciou o processo de revisão do Plano Diretor, instrumento básico da política urbana que estabelece as diretrizes e regras para orientar o desenvolvimento da cidade, bem como prioridades de investimentos, considerando aspectos das áreas sociais, culturais, econômicas e ambientais. Iniciado em março de 2020, o processo se desenvolverá ao longo de um ano.

Maricá teve crescimento de cerca de 25% da população nos últimos 10 anos, a maior taxa da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Hoje, é mais dinâmica economicamente do que há 10, 15 anos, devendo atualizar seu Plano Diretor considerando seu papel regional atual e suas estratégias de desenvolvimento local. Por isso, é necessário avaliar os impactos sobre o espaço urbano e as condições de moradia da população.

O Plano Diretor deve estabelecer as diretrizes gerais para o desenvolvimento urbano e territorial do município e as políticas setoriais estruturantes do território, notadamente Habitação, Saneamento e Mobilidade. Através dele há uma orientação para a aplicação de instrumentos de planejamento urbano que o município poderá utilizar para induzir o desenvolvimento da cidade de acordo com as diretrizes fixadas. Tais instrumentos são previstos no Estatuto da Cidade e orientam a integração de diferentes políticas.

É fundamental para garantir a adequada aplicação de recursos públicos, fomentar a articulação de agentes públicos e privados, para que cada intervenção urbana contribua para produção de espaços melhores para a população.

São previstas cinco etapas de trabalho, da seguinte forma:

Etapa 1 – Organização dos trabalhos (março a maio/2020);

Etapa 2 – Diagnóstico (abril a agosto/2020);

Etapa 3 – Cenários de Desenvolvimento (julho a novembro/2020);

Etapa 4 – Estratégias (outubro/2020 a fevereiro/2021);

Etapa 5 – Redação do Anteprojeto de Lei (janeiro a março/2021).

A primeira etapa, dedicada ao planejamento de todo o processo, e a última, dedicada a dar forma legal à proposta de revisão do Plano Diretor de Maricá, são etapas prioritariamente de trabalhos internos das equipes da Prefeitura e do IBAM. As etapas 2, 3 e 4 constituem o coração do processo de revisão, quando trabalhos técnicos e discussões públicas com todos os segmentos sociais serão dedicados à elaboração de um diagnóstico sobre a realidade atual de Maricá e à elaboração de propostas para a revisão de seu Plano Diretor.

O processo de revisão do Plano Diretor respeitará as determinações de distanciamento social enquanto durar a pandemia do Covid-19. Todos os eventos públicos dirigidos aos moradores de cada Distrito do Município acontecerão de forma virtual durante esse período, assim como reuniões com setores organizados da sociedade e audiências públicas. Se durante o processo de revisão do Plano Diretor, tais determinações forem flexibilizadas e voltar a ser possível a realização de eventos com aglomeração de pessoas, poderão ser realizados também eventos presenciais.

A Praça Emilton Santos, em Araçatiba, vai se tornar ainda este mês o primeiro espaço agroecológico de Maricá. O local está recebendo 36 canteiros onde estarão disponíveis desde hortaliças até plantas medicinais, ornamentais e aromáticas, tudo com um sistema de irrigação por gotejamento. Haverá ainda academia ao ar livre, play ground e iluminação com postes em estilo colonial.

A previsão é que a estrutura física fique pronta até a próxima semana. No meio da praça, que tem mais de 2 mil metros quadrados, está sendo erguido um quiosque do tipo ‘gazebo’, onde técnicos da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca de Maricá vão distribuir mudas e sementes, além de oferecer orientações de plantio.

Haverá também capacitação e dicas para crianças sobre as diversas culturas. “Todos os que forem ao local vão receber as devidas orientações de como proceder na hora de plantar. Será um espaço para ação e contemplação de todas as idades”, explicou a subsecretária Julyana Von Matter.

Objetivo foi impedir a entrada de visitantes na cidade - Foto: Vinícius Manhães/Prefeitura de Maricá

Em resposta ao grande número de pessoas presentes nas praias e áreas públicas do município durante os fins de semana com sol e ao desrespeito à obrigação do uso de máscaras e a outros protocolos de segurança contra a pandemia de covid-19, a Prefeitura de Maricá montou no último sábado (1°) barreiras sanitárias em sete locais estratégicos da cidade: Estrada dos Cajueiros, Rodovia RJ-106 (no Cala Boca), Recanto de Itaipuaçu, Zacarias (Barra de Maricá), Ubatiba, Bambuí, Ponta Negra e na RJ- 114 (Maricá-Itaboraí).

Em todos os locais, dezenas de veículos foram abordados e vários obrigados a retornar. De acordo com a Secretaria de Ordem Pública, o objetivo do retorno das barreiras sanitárias, que também estiveram presentes no domingo (2), das 8h às 18h, é impedir a entrada de visitantes na cidade, evitando assim, aglomerações em praias, praças, parques e espaços públicos, além de bares e restaurantes. A Prefeitura também encaminhou projeto de lei à Câmara Municipal estabelecendo multas para quem desobedecer a obrigatoriedade do uso de máscaras e pelo descumprimento das regras de funcionamento durante a pandemia.

“Desde o início da pandemia de covid-19, percebemos que as barreiras sanitárias seriam aplicadas de acordo com as necessidades identificadas pelo grupo de gerenciamento de crise. Por muitas semanas fizemos as barreiras e o resultado foi fantástico. Mas em razão das últimas semanas, por percebermos um aumento expressivo do número de frequentadores em nosso litoral, decidiu-se pelo retorno das barreiras”, explicou Júlio Veras, secretário de Ordem Pública e Gestão de Gabinete Institucional. “Não temos dúvidas de que elas vão nos ajudar a manter os números da pandemia em Maricá sob controle. Além disso, esse retorno é um clamor da própria população”, frisou.

Segundo Júlio Veras diversos perfis de visitantes são abordados durante as barreiras sanitárias.

“Basicamente são pessoas que estão vindo a Maricá para aproveitar a praia, conhecer cachoeiras, o litoral e, nestes casos, elas estão retornando à sua origem”, garantiu o secretário.

Moradora do Rio de Janeiro, Noely de Oliveira, de 54 anos, que estava a caminho da residência de uma amiga em Itaipuaçu, não se incomodou ao ter a viagem interrompida na barreira sanitária montada na Estrada dos Cajueiros (no Calaboca).

“Acho esse trabalho de fundamental importância. Não pretendo circular pela cidade e nem mesmo ir à praia. Todos precisamos combater essa pandemia e evitar as aglomerações. Maricá está no caminho certo”, disse a Noely logo após assinar uma declaração de residência para fins de barreira sanitária e ser liberada para prosseguir ao endereço declarado.

Durante a ação, além de realizar uma triagem para identificar moradores e visitantes, os agentes aproveitaram para distribuir máscaras e conscientizar as pessoas sobre a importância do uso da mesma.

“Neste sentido o nosso efetivo vem fazendo um trabalho de conscientização e neste final de semana estamos distribuindo cerca de 5 mil máscaras para toda a população, fazendo um trabalho não somente nas barreiras sanitárias, mas também no recém inaugurado Parque a Céu Aberto Cidade de Maricá, no Parque Nanci, entre muitos outros locais como Centro, Bambuí e Ponta Negra. O intuito é orientar, educar, mas se percebermos a insistência, a reincidência, passaremos a aplicar as sanções cabíveis “, garante o secretário.

Moradora do Parque Nanci, Lilian Silva, de 33 anos, estava no parque com os filhos e o marido aprovou a ação de fiscalização. Todos usavam máscaras.

“É muito importante esse trabalho da Prefeitura de conscientização e fiscalização. Percebemos que só o fato de haver um agente presente, as pessoas colocam as máscaras e respeitam mais o distanciamento social. Se cada um fizer a sua parte, conseguiremos passar por tudo isso muito mais rápido” avaliou Lilian.

Administradas pelos profissionais de Educação Física, as atividades são enviadas por aplicativo semanalmente e podem ser realizadas no próprio ambiente doméstica - Foto: Clarildo Menezes/Prefeitura de Maricá

Uma iniciativa da Secretaria de Esporte e Lazer de Maricá, em parceria com a Secretaria de Saúde, oferece gratuitamente aulas online específicas com atividades para idosos do Projeto Esporte+Saúde durante o período de isolamento social por conta da covid-19. Administradas pelos profissionais de Educação Física, as atividades são enviadas por aplicativos de mensagem semanalmente e podem ser realizadas no próprio ambiente doméstico. O projeto, contempla, segundo a secretaria, aproximadamente 25 mil idosos.

Os benefícios são visíveis para quem pratica as atividades. “Comecei a praticar hidroginástica para amenizar os danos causados pela paralisia facial. Atualmente, não me vejo mais sem os exercícios físicos”, disse Maria Cícera Ferreira, 73 anos, moradora de Itaipuaçu e aluna do projeto.

“Eu praticava exercício físico três vezes na semana, entre eles, hidroginástica, alongamento, caminhada, zumba, dança cigana e tai chi chuan, isso tudo na Casa do idoso em Itaipuaçu. E, com esse isolamento, eu assisto e pratico as atividades físicas três vezes na semana em dias variados”, concluiu Maria Cícera.

Segundo a secretária de Saúde, Simone Costa, a parceria é de vital importância. “Saúde e Esporte precisam andar juntos para o completo bem estar físico e psíquico do ser humano, onde as atividades se complementam sobre tudo na promoção da saúde e evitando assim os agravos”, justificou.

“O afligimento com o outro é evidenciado como elemento primordial e nesse período delicado que estamos vivenciando, nada mais significativo que proporcionar bem estar através das atividades físicas, que possam otimizar um desempenho biopsicossocial dos nossos idosos. A parceria consolida mais um momento de interação e cooperação entre as secretarias”, completou o secretário de Esportes, Carlos Vagner Frauches.

Ao se manter ativo, vários benefícios são somados a rotina de vida dos idosos, uma vez que é uma atividade física totalmente elaborada para sua idade e orientada de forma didática para que ele possa seguir em sua própria residência, melhorando sua capacidade física e mental e com resposta específica na sua função cardiovascular e motora.

De acordo com a professora e personal trainer Luana Cazzotto, vinculada ao programa Esporte Presente, a atividade física é importante em qualquer idade pelos inúmeros benefícios à saúde.

“Exercícios são importantes em qualquer fase da vida, pois melhoram a saúde, a autoestima, estimulam o sistema imunológico, além de ajudar na saúde mental e a prevenir doenças, como a depressão. Os meus alunos reparam melhoras significativas na saúde e na rotina”, explicou a professora.

O programa 'Maricá Recebe, Maricá Protege' está associado ao selo Turismo Consciente, criado pelo Governo do Estado do Rio - Foto: Divulgação

O Turismo de Maricá está se estruturando para a retomada gradual das atividades. Para orientar os estabelecimentos sobre as normas e protocolos de proteção sanitária e os decretos municipais que regulamentam as atividades, a Secretaria de Turismo criou o programa Maricá Recebe, Maricá Protege.

Foram redigidos dois manuais de Boas Práticas para Meios de Hospedagem e Boas Práticas para Bares e Restaurantes que compilam uma série de medidas e práticas de prevenção, controle e contenção de riscos de acordo com as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e demais órgãos de vigilância sanitária. Também é obrigatório o cumprimento dos decretos que regulamentam o retorno seguro das atividades.

O objetivo é evitar ou reduzir, ao máximo, a transmissão pelo novo coronavírus e demais vírus respiratórios durante o tempo em que as pessoas utilizarem os equipamentos turísticos da cidade.

“A ideia do programa Maricá Recebe, Maricá Protege é auxiliar o setor na retomada dos serviços dentro de um novo normal. O programa vai oferecer uma consultoria que fará visitas técnicas para orientar os empresários e garantir que turistas e funcionários do setor se sintam mais seguros”, afirma José Alexandre Almeida, secretário de Turismo.

O programa Maricá Recebe, Maricá Protege está associado ao selo Turismo Consciente, criado pelo Governo do Estado do Rio, para que os estabelecimentos que cumprirem os “10 Mandamentos para o Turismo Consciente” recebam a certificação.

Participam ainda do programa, a Secretaria de Saúde de Maricá, através da Coordenação de Vigilância Sanitária, a Companhia de Desenvolvimento de Maricá (Codemar) em parceria com o Maricá Convention & Visitor Bureau e a Rota Gastronômica.

Os manuais podem ser acessados e baixados através do site www.conhecamarica.com.br.

Estão previstas 50 inscrições para cães e outras 50 para gatos por dia - Foto: Divulgação

A Coordenadoria de Proteção Animal de Maricá volta a abrir inscrições para castração de cães e gatos na cidade. A partir desta terça-feira (11), moradores de São José de Imbassaí poderão cadastrar seus bichinhos para receber o procedimento cirúrgico em dias e locais diferentes no bairro, sempre às 10h das terças-feiras.

No primeiro dia, as inscrições acontecem na Praça do Loteamento Manu Manuela; no dia 18, a equipe da coordenadoria vai estar na Igreja Evangélica Congregacional Cachoeiras de Maricá, que fica na área comercial do bairro; no dia 25 será a vez de quem mora no Loteamento 26 de Maio, com as inscrições na Igreja Deus é Fiel, que fica às margens do quilômetro 20 da rodovia RJ-106. O cadastro se encerra no dia 1° de setembro, na orla da Lagoa das Amendoeiras.

Em cada dia estão previstas 50 inscrições para cães e outras 50 para gatos. A coordenadora Milena Costa ressalta que no dia da inscrição os proprietários de cães deverão levar seus animais para avaliação clínica e coleta de sangue, enquanto os de felinos não precisarão levar os bichanos aos locais de inscrição. “Ainda não é o dia da castração, que ocorrerá só em setembro. Após o exame, vamos marcar uma outra data para entregar os resultados e dizer se os bichinhos estão aptos ou não para a cirurgia”, explicou Milena, afirmando que outras informações serão dadas nos locais.

A coordenadora lembra ainda que os animais devem ter entre 5 meses e 6 anos de idade e que não serão realizadas cirurgias em cadelas no cio, prenhas ou em lactação. Além disso, animais braquicefálicos (como boxer, shith-zu, pug, gato persa e outros) também não poderão ser operados. Será feita a cirurgia de castração de dois animais por tutor, mas cadela será somente uma por CPF do responsável para que mais famílias sejam beneficiadas.

As senhas de inscrição serão entregues por ordem de chegada e os interessados, que devem ser maiores de 18 anos, deverão apresentar cópia dos seguintes documentos: cópia do comprovante de residência em Maricá, cópia da identidade e CPF, Número de Inscrição Social (NIS), cartão Mumbuca ou bolsa-família ou Benefício de Prestação Continuada (BCP), ou outro comprovante de rendimento mostrando preferencialmente renda familiar até 3 salários mínimos.

O projeto é destinado principalmente às pessoas que não têm condições de arcar com os custos de cirurgias de retirada do aparelho reprodutor das fêmeas ou extração dos testículos dos machos numa clínica veterinária particular.

Os alunos deverão fazer o procedimento através do site do programa - Foto: Arquivo/Elsson Campos/Prefeitura de Maricá

Os alunos inscritos no programa Passaporte Universitário de Maricá têm até o dia 9 de agosto para solicitarem o bolsa auxílio, um crédito ofertado para os estudantes matriculados em cursos de período integral em instituições credenciadas, e que sejam oriundos de escolas públicas.

“Este ano, excepcionalmente, não será necessário o comparecimento dos alunos à sede da Secretaria de Educação para realizar o procedimento da bolsa auxílio”, informa Denize Cardim, coordenadora do programa Passaporte Universitário.

Ainda de acordo com ela, o crédito concedido aos contemplados é de R$ 518,30 mensais. “Os candidatos que estudam em instituições em uma distância superior a 80 km receberão o valor de R$ 1.036,60. Atualmente o desembolso mensal gira em torno de R$ 113.507,70 para todos os contemplados, oriundos de escolas públicas”, revela.

O crédito para os contemplados irá durar de acordo com o tempo do curso, mas para isto os alunos devem fazer um requerimento semestralmente apresentando a grade de horário e atestado de matrícula atualizado.

Atualmente o programa conta com 171 alunos beneficiados, e de acordo com informações da Secretaria de Educação, a previsão é que mais 70 alunos obtenham a concessão do benefício a partir do segundo semestre deste ano.

“Muitos alunos saíram de seus empregos ou se afastaram da cidade para obter o estudo na melhor qualidade e necessitam do auxílio para pagamento de aluguéis, custos de materiais escolares, internet e alimentação. A permanência do pagamento do auxílio ajuda a contribuir para a permanência e a diplomação dos beneficiados”, afirma Denize Cardim.

Para realizar a solicitação de abertura e/ou renovação do processo do benefício de bolsa auxílio, os alunos devem apresentar os seguintes documentos: identidade, CPF, histórico escolar do ensino médio, declaração da grade de curso, declaração de matrícula na universidade conveniada e comprovante de conta bancária (não será aceito comprovante de conta conjunta, conta fácil ou conta de banco virtual).

Os alunos deverão fazer o procedimento através do site do programa. Após acessar, é preciso fazer o login, clicar em serviços e depois na aba requerimento e serviços. Dúvidas ou dificuldades podem ser solucionadas através do telefone (21) 97614-0725 ou e mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Juliana da Silva Figueiredo é estudante do primeiro período de Medicina Veterinária da Universidade de Vassouras (Campus Maricá), contemplada pelo programa Passaporte Universitário, revela que o benefício foi de grande ajuda.

“Para nós estudantes integrais fica muito difícil conciliar os estudos com o trabalho, os horários são muito complexos. O valor ajudaria muito nessa caminhada, pois como não posso trabalhar, o crédito ajudaria na minha alimentação e em algumas coisas, como xerox e material de apoio”, comentou.

 

Mais Artigos...

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.