Mesmo afastado, Witzel ganha aumento de 11% no salário

A remuneração de dezembro já está na folha, mas ainda não foi depositada - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Rio de Janeiro
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Wilson Witzel, governador afastado do cargo há quatro meses, ganhou um aumento de 11% no salário, quando este deveria ter sido cortado em um terço. Esse aumento foi uma decisão do governador em exercício, Cláudio Castro, que resolveu aumentar o próprio salário, o de secretários e de subsecretários, alegando que os novos valores estavam previstos em uma lei aprovada em 2014, que está em vigor.


Em novembro do ano passado, cinco desembargadores e cinco deputados que compõem o Tribunal Especial Misto que julga o processo de impeachment de Witzel, votaram pela redução salarial do governador, determinando ainda a saída dele do Palácio Laranjeiras. Ainda assim, o salário de Witzel não foi cortado.

O valor líquido, que entrou na conta dele, foi de R$ 14,6 mil. O salário bruto de Witzel em novembro foi de R$ 19.681,00, exatamente o mesmo que ganhava quando ainda trabalhava como governador. O valor líquido, que entrou na conta dele, foi de R$ 14,6 mil, e se fosse cortado em um terço, o valor bruto cairia para R$ 13.186,50. A remuneração de dezembro já está na folha, mas ainda não foi depositada.

Com o aumento o valor bruto do salário do governador afastado será de quase R$ 22 mil. Na conta de Witzel, o Estado vai depositar cerca de R$ 16,3 mil. Para o relator do processo de impeachment, não há motivo para que o Governo do Estado não tenha cortado o salário de Witzel.

"É claro que é uma situação inaceitável. E o cumprimento de todas as decisões do Tribunal Misto tem que ser feito, tem que se dar imediatamente. E, eventualmente, qualquer decisão que não tenha sido cumprida, o que acho inexplicável, tem que ser cumprida imediatamente, disse o relator do processo de impeachment, deputado Waldeck Carneiro.