NITERÓI/RJ
Min:   Max:
Educação e Novas Tecnologias

Suzana Fernandes é graduada em pedagogia pela Uerj e em música pela UFRJ. Especializada em educação à distância e em planejamento, implementação e avaliação pela PUC-MG. Professora de música e de ensino religioso da rede municipal do Rio de Janeiro e palestrante internacional sobre o tema e-learning. E-mails para esta coluna: [email protected]

Ensino a distância: a nova realidade da educação

Confira a coluna de Educação e Novas Tecnologias

Ensino a distancia

Divilgação / MCTIC

É nítido que a educação passa por um processo de mudança constante e que o papel do professor já não é mais o mesmo. Com a pandemia do "novo corona vírus", essa metamorfose se acelerou rapidamente e a partir daí o fazer educacional se recriou.

O docente acostumado a planejar suas aulas no caderno e que lentamente inseria um vídeo, ou outro recurso tecnológico para ampliar a sua aula, teve que repensar suas estratégias didáticas e lançar mão das mídias sociais, plataformas digitais e mesmo se fazer ator, roteirista, diretor, figurinista, cinegrafista, entre outras funções para que o aprendizado acontecesse.

Estamos diante de uma demanda educacional que obrigatoriamente nos impulsiona ao "novo", que nos causa estranheza e nos tira do imobilismo, da mesmice do saber fazer.

Esta pandemia nos abriu caminho para mergulhar no terreno virtual e o que avistamos é um caminho sem volta. A sociedade evoluiu em 3 semanas do ponto de vista metodológico e de recursos de ensino-aprendizagem, mais que em 3 séculos. Estamos diante da quebra de um paradigma, ou seja, é possível dar aula e aprender online sem a presença física do professor, mesmo para crianças pequenas, o que a nossa lei não permite, salvo em situações emergenciais visto esta que estamos vivendo.

Pra nós educadores é uma novidade quanto a implementação desse "novo modelo", mas para esta geração de alunos, esses procedimentos são mais que naturais, pois as crianças de meio urbano em geral, tem muito contato com o aprendizado via games e demais tutoriais do YouTube, entre outros recursos que utilizam constantemente.

Depois dessa doença arrasadora, as relações entre as pessoas, destaco pais e filhos, avós e netos, a própria comunicação e educação não serão mais as mesmas. O mundo será outro, melhor dizendo, as pessoas vão valorizar o que se perdeu ao longo do tempo, o abraço, o carinho, o beijo e mesmo o parar para olhar e ouvir o outro sem tela ou proteção entre ambos.

Torço que este momento de confinamento sirva para que os pais e responsáveis rememorem sua infância e brinquem com seus filhos, que acompanhem suas atividades escolares e firmem um elo de apoio que a escola tanto necessita e que no futuro possamos lembrar das vivências positivas que tivemos nesse período.

Atividades para os pequenos

As crianças precisam aprender que estar em casa é saber conviver coletivamente, então, estabelecer autonomias cognitivas para o lar são muito importantes para o ser humano que estamos formando. Ter horário para acordar, fazer higiene, se alimentar e dormir é fundamental, pois a escola tem rotina e as crianças já conhecem esta prática. É necessário que o menino e a menina tenham noção de que estão em casa, mas suas atividades escolares precisam ser realizadas, para que não acreditem que todo o tempo é para brincar ou ver tv, videogame, etc. Aos pais digo que a rotina os exige regras e horários, mas os tranquiliza quanto ao desenrolar do dia e da semana.

De segunda a

sexta-feira

Atividade do lar - Arrumar sua cama, manter suas coisas em ordem (roupas, brinquedos), lavar seu prato, entre outras ações mediante a idade da criança.

Informo que deve iniciar desde os 2 anos em diante, pois na escola as crianças já guardam seus brinquedos e materiais e se sentem felizes em ajudar. Ensine o menino e a menina a gostar de sua casa e de ver tudo organizado. A criança que aprende a se organizar em casa leva essa boa prática para seus estudos e sua vida.

Atividade da escola - Faça a atividade que a escola enviou, em caso contrário conte uma história e depois peça a criança para desenhar a parte que mais gostou da história, pesquise letrinhas em revistas ou jornais, cante com a criança. Em caso de dúvidas, procure na internet atividades para o ano do seu filho. Não o adiante, reforce o que foi dado somente.

Brincadeira - O momento da brincadeira deve ser planejado, pois se aprende muito com esta atividade. Pode ser: cabra-cega, dança das cadeiras, um jogo de tabuleiro, jogo de cartinhas, dominó, memória, bingo entre tantos outros.

Minha última recomendação é que se estabeleça um horário de início e término em meio a celular, note, tablets em função do cuidado com a visão da criança.

Filmem esses momentos, compartilhem conosco! Envie para educaçã[email protected] queremos ver como estão as suas atividades. Grande

Abraço! Se cuidem e boa quarentena!

Comentários

Scroll To Top