14
Sex, Ago

Latam Airlines Brasil entra em recuperação judicial do grupo nos EUA

Já estavam inseridos, desde maio, as filiais da companhia aérea no Chile, Colômbia, Equador, Peru e Estados Unidos - Foto: Divulgação/Latam

Economia
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A filial brasileira da Latam Airlines entrou, neste quinta-feira (9), no programa de recuperação judicial do grupo nos Estados Unidos. Já estavam inseridos, desde maio, as filiais da companhia aérea no Chile, Colômbia, Equador, Peru e Estados Unidos.

Por meio de suas redes sociais, a Latam afirmou que se integra ao processo de reorganização financeira do Grupo sob proteção do Capítulo 11 nos EUA para assegurar sua sustentabilidade. De acordo com a empresa, o processo não terá impactos sobre as operações de passageiros ou de cargas, reservas, travel vouchers ou pontos LATAM Pass.

Quando iniciou o processo de recuperação judicial, em maio, a companhia havia ressaltado que foi uma atitude voluntária com objetivo de reorganizar suas dívidas. Na ocasião, a Latam afirmou que seguiria voando normalmente e todos os compromissos já firmados com os consumidores seriam respeitados.

Em comunicado divulgado à época, o CEO do grupo, Roberto Alvo, ressaltou a realidade diferente de cada uma das filiais. Isto, num primeiro momento, colaborou para que a Latam Arlines Brasil não entrasse no processo. Estima-se que o montante da dívida da empresa gire em torno de R$ 7 bilhões.

Por meio de nota, a filial brasileira da companhia afirma que este é um movimento natural diante do prolongamento da pandemia do coronavírus. Dado que o ambiente externo ainda não dá sinais fortes de recuperação, integrar o processo do Capítulo 11 é a melhor opção para a LATAM Airlines Brasil ter acesso às novas fontes de liquidez – ao DIP (Debtor-in-possession), especificamente, que já se encontra em fase avançada de estruturação –, implementar reestruturações operacionais e financeiras e fortalecer a sua posição de liderança na indústria aérea.

“Tomamos esta decisão neste momento para que a empresa possa ter acesso a novas fontes de financiamento. Estamos seguros de que estamos nos movendo de forma responsável e adequada, pois temos o desafio de transformar a empresa para que ela se adapte à nova realidade pós-pandemia e garanta a sua sustentabilidade no longo prazo”, comenta Jerome Cadier, CEO da LATAM Brasil.

A LATAM Airlines Brasil, no mesmo comunicado, afirmou que está comprometida em preservar a continuidade dos negócios à medida que se reorganiza - especialmente em relação a funcionários, clientes, fornecedores, parceiros comerciais e comunidades locais. Na medida em que confirmado pela Corte americana:

- A LATAM Airlines Brasil seguirá operando os seus voos de passageiros e de carga, assim como estão fazendo as operações das afiliadas do Grupo LATAM que já ingressaram no Capítulo 11 em 26 de maio de 2020.
- Serão respeitadas todas as passagens aéreas atuais e futuras, vouchers de viagem, pontos, reembolsos e benefícios do programa LATAM Pass, bem como as políticas de flexibilidade e demais normas vigentes.
- Os funcionários continuarão sendo pagos e recebendo os benefícios previstos em seus respectivos contratos de trabalho.
- Os fornecedores receberão tratamento adequado conforme as regras aplicáveis. Os pagamentos dos materiais e serviços entregues a partir de 9 de julho de 2020 e ao longo desse processo fluirão normalmente nos termos do que ficar definido nos autos da reorganização.
- As agências de viagens e outros parceiros comerciais não sofrerão interrupções em suas interações com o Grupo LATAM Airlines.

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.