NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Coronavírus: pesquisadores da UFRJ, USP e UnB emitem nota técnica sobre a pandemia

Eles alertam que as medidas restritivas e baseadas em estudos científicos vêm dando resultados concretos

Segundo os pesquisadores, o vírus pode estar se propagando muito mais rapidamente do que se projetava

Divulgação/Mauricio Bazilio

Sete pesquisadores brasileiros, sendo quatro da UFRJ, dois da Universidade de Brasília (UnB) e um da Universidade de São Paulo (USP), lançaram nesta quarta-feira (25), uma nota técnica sobre o panorama atual da COVID-19, doença provocada pelo novo coronavírus.

Assinado pelos cientistas Afrânio Kritski, Guilherme Werneck, Rafael Galliez, Roberto Medronho (todos da UFRJ), Mauro Sanchez, Ivan Zimmermann (ambos da UnB) e Domingos Alves (USP), o texto destaca que vivemos uma crise sem precedentes na saúde pública mundial. Os pesquisadores alertam, ainda, que as medidas restritivas adotadas em diversos países e baseadas em estudos científicos vêm dando resultados concretos. “Acreditem na ciência! Ela pode nos ajudar a reduzir o sofrimento e salvar vidas. Permaneçam em casa”, pedem.

De acordo com os pesquisadores, a COVID-19 avançará mais depressa em algumas partes do Brasil do que a maioria das previsões indica. Simulações revelam que nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília o vírus pode estar se propagando muito mais rapidamente do que se projetava há cerca de vinte dias. Essas três cidades atuariam como eixos de disseminação da infecção para outras partes do país. A situação hoje sugere que estamos à frente de uma situação de gravidade sem precedentes na história recente brasileira.

O artigo aponta também que análises preliminares de pesquisadores da UFRJ e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/BA) estimam que a velocidade de transmissão do vírus no estado do Rio pode ser bem maior do que em outros países. “Já deveríamos ter implantado a estratégia de contenção e supressão em vários municípios, medidas tomadas pelos países acometidos pela COVID-19, pois, conforme as experiências relatadas em regiões da China e Itália, a efetividade dessas medidas é maior quando iniciadas precocemente, quando o número de casos suspeitos e confirmados está baixo.”

Além disso, os cientistas afirmam que a alta conectividade aérea das capitais de São Paulo e do Rio de Janeiro coloca essas cidades como polos de disseminação da doença para outros centros urbanos, reforçando a ideia de que ações imediatas de restrição da mobilidade da população nessas metrópoles podem ter impacto na difusão da epidemia para outras partes do país.

“Qualquer atraso na implementação das ações pode implicar repercussões muito graves, com número crescente de óbitos e aumento substancial da dificuldade para controle da transmissão, em médio e longo prazos. Por isso, é fundamental que todos fiquem em casa. Reiteramos a importância da ciência para a manutenção da vida humana”, conclui a nota.

Scroll To Top