NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Faperj garante retomada de pesquisa no Museu Nacional

Ajuda do governo do Estado chega a R$ 2,5 milhões e contempla 72 trabalhos

O Museu Nacional está ganhando nova vida após o incêndio ocorrido há um ano. O aporte do Governo do Estado, representado pela Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj), vem permitindo que as produções científicas sejam retomadas e pesquisadores possam planejar seus projetos. O fomento, no total de R$ 2,5 milhões, contemplou 72 trabalhos que faziam parte das coleções que foram total ou parcialmente perdidas. Cada profissional recebe uma bolsa de R$ 3 mil por mês.

"O aporte de quase R$ 3 milhões contemplou 72 pesquisas e também as obras de infraestrutura e segurança do prédio anexo. Nossos esforços se concentraram em priorizar e preservar o patrimônio intelectual da instituição e contribuir para restabelecer as condições de trabalho desses profissionais especializados. A Faperj, agência de fomento da ciência no Estado do Rio de Janeiro, colabora com o resgate do patrimônio do Museu Nacional", falou o presidente da Faperj, Jerson Lima Silva.

O Museu Nacional, um dos maiores museus de história natural e antropologia das Américas, é vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ao todo, são 37 coleções, entre fósseis, múmias, registros históricos e obras de arte. Para a vice-coordenadora do núcleo de resgate do acervo do Museu Nacional e uma das paleontólogas contempladas com a bolsa, Luciana Carvalho, o edital "Apoio Emergencial ao Museu Nacional - 2018", lançado em março deste ano, é um alento em meio à tragédia.

Scroll To Top