NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Manutenção mínima do transporte coletivo é essencial durante pandemia, alerta Idec

Instituto encaminhou ofício a órgãos responsáveis pelo transporte público alertando que a interrupção completa deste serviço prejudicará toda a população

Medida visa garantir o acesso da população aos serviços essenciais e dos trabalhadores destes serviços aos seus locais de trabalho

Aline Massuca/ Divulgação

O Idec, ONG de Defesa do Consumidor, enviou nesta quinta-feira (26) ofício para diversos órgãos públicos, entidades do setor de mobilidade, defensorias públicas, Ministério Público, associações de secretários municipais, associações de prefeitos e associação das empresas de transporte coletivos nacionais em defesa da manutenção reduzida do serviço de transporte coletivo durante a pandemia de coronavírus.

No documento, o Instituto ressalta a necessidade de adoção de medidas para manter o mínimo do serviço de transporte público coletivo em funcionamento nas cidades e regiões metropolitanas. A medida visa garantir o acesso da população aos serviços essenciais e dos trabalhadores destes serviços aos seus locais de trabalho, o deslocamento das pessoas em situação de emergência ou que necessitam de atendimento médico e a seguranças dos profissionais que atuam na prestação dos serviços de transportes e usuários do sistema em geral.

“Recebemos com muita preocupação o anúncio feito por algumas prefeituras com a intenção de paralisar totalmente o transporte coletivo em seus municípios. Toda a população, em especial a mais vulnerável, poderá ser muito prejudicada se essas ações realmente forem adotadas”, alertou o coordenador do programa de mobilidade urbana do Idec, Rafael Calabria.

O Instituto ressaltou que embora a situação seja muito grave, e a recomendação expressa para o que as pessoas não deixem suas casa seja a mais acertada neste momento, não é possível fazer a limitação do deslocamento das pessoas pelo sistema de transporte público. “O correto é atuar pela redução de deslocamento das pessoas suspendendo atividades econômicas e sociais, e dando alternativas de renda aos autônomos e outras pessoas que necessitam se deslocar para a manutenção da renda familiar”, completa Calabria.

Outra sugestão apresentada pelo Idec foi a adoção de medidas de incentivo ao uso da bicicleta como alternativa para reduzir a lotação dos veículos de transporte coletivos, como está sendo colocado em prática em cidades como Bogotá (COL) e Cidade do México.

Scroll To Top