NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Moradora de rua é morta a tiros no Centro de Niterói após pedir R$ 1

Segundo a polícia, atirador confessou o crime e alegou achar que era uma tentativa de assalto

Câmeras de segurança flagraram o momento em que o homem efetua os disparos

Reprodução

Uma moradora de rua foi morta a tiros, na madrugada do último sábado (16), no Centro de Niterói, mas o caso foi divulgado apenas nesta quarta-feira (20). Segundo depoimento de testemunhas à polícia, ela teria pedido R$ 1 a um pedestre que passava pela Rua Barão do Amazonas, esquina com a Rua Marquês de Caxias, quando ele sacou uma arma e efetuou os disparos.

De acordo com imagens de câmeras de segurança de um estabelecimento, a mulher cai no meio da rua enquanto o atirador deixa o local do crime andando normalmente. A vítima, identificada como Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos, recebeu os primeiros socorros de outra mulher e foi levada, pelo Corpo de Bombeiros, ao Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), mas não resistiu.

Segundo a polícia, o atirador, identificado como Aderbal Ramos de Castro, foi localizado no condomínio onde mora, também no Centro, através de câmeras de segurança do Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) da Prefeitura de Niterói, que fez um levantamento dos passos do suspeito nos últimos 15 dias. Após ser preso, ele confessou o crime e alegou achar que era uma tentativa de assalto.

A investigação apurou que a arma utilizada, um revólver calibre 38, que foi apreendido, estava em situação regular e que Aderbal tinha direito à posse, mas não ao porte do armamento. A advogada do acusado, Daniela Lopes, falou com a imprensa e, quando questionada sobre o motivo que levou o suspeito a adquirir uma arma ela, demonstrando irritação, respondeu: “Pergunte à Polícia Federal”.

Segundo a advogada, Aderbal, além de ter apresentado a versão da suposta tentativa de assalto, afirmou que ficou com medo da abordagem pois carregava, em sua bolsa, um alto valor em dinheiro enquanto estava indo abrir sua lanchonete, que fica na região da Rodoviária de Niterói, por volta de 5h30 daquele dia. Ela, no entanto, não soube especificar quanto. A hipótese da tentativa de roubo foi praticamente descartada pela polícia.

“Ela [Zilda] se aproximou dele, pediu esmola, ele recusou e caminhou por mais meia dúzia de passos. Ela foi acompanhando ele, mas a uma certa distância e insistiu naquele pedido. Ele, de súbito, sacou o revólver e deu um tiro nela e seguiu como se nada tivesse acontecido. [...] Ele falou que tinha sido assaltado outras vezes. A gente já conseguiu identificar algumas testemunhas”, disse o delegado Bruno Reis, responsável pelo caso.

De acordo com imagens de câmeras de segurança de um estabelecimento, que flagraram o homicídio, a mulher cai no meio da rua enquanto o atirador deixa o local do crime andando normalmente. A moradora de rua, identificada como Zilda Henrique dos Santos Leandro, conhecida como Néia, de 31 anos, recebeu os primeiros socorros de outra mulher e foi levada, pelo Corpo de Bombeiros, ao Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), mas não resistiu.

Uma suposta irmã da vítima, que preferiu não se identificar, esteve na porta da Delegacia e Homicídios, na manhã desta quarta-feira (15). “Minha irmã ficava na rua mas ela tem casa. Foi pedir R$ 1 para comprar pão. Ele ameaçou dar tiro e ela disse 'duvido', e ele deu. Não me conformo ele ter tirado a vida da minha irmã, se deixar ele solto vai matar outras pessoas”, disse emocionada.

O atirador está detido, com mandado de prisão temporária, na sede da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá (DHNSG), que está investigando o caso. Aderbal responderá pelos crimes de homicídio qualificado por motivo torpe além do porte ilegal de arma de fogo.

Scroll To Top