26
Seg, Out

Ainda incompleta, delegação foi submetida a testes na Granja Comary - Foto: Lucas Figueiredo/CBF

A seleção brasileira realizou, nesta segunda-feira (5) à tarde, o primeiro treino na Granja Comary, em Teresópolis (RJ), projetando a estreia nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, no Catar. Na sexta-feira (9), os comandados de Tite enfrentam a Bolívia na Neo Química Arena, em São Paulo, às 21h30 (horário de Brasília). Já na terça-feira da próxima semana (13), às 21h, o Brasil mede forças com o Peru, em Lima, capital peruana.

Assim como ocorreu com a seleção feminina, que ficou em Teresópolis entre os dias 14 e 22 de setembro, a equipe masculina obedece a um rigoroso protocolo sanitário, devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). Logo na chegada à Granja, os atletas foram submetidos a testes de PCR. A diferença é que se as convocadas por Pia Sundhage atuavam no Brasil, os jogadores de Tite são oriundos de sete países diferentes. Treinos e entrevistas coletivas serão transmitidos on-line, sem presença física de jornalistas.

"É diferente de tudo aquilo que a gente vinha vivendo. A seleção sempre teve muita gente se unindo, muita gente no estádio, é um momento único. Que a gente tenha todo mundo junto para combater esse vírus. A gente já teve essa experiência. Na Champions [League, a Liga dos Campeões da Europa], ficamos em uma bolha, no hotel, só saindo para treinar e jogar. Aqui não será diferente. É realmente focar naquilo que temos de fazer", afirma o zagueiro Marquinhos, do Paris Saint-Germain, da França, em coletiva exibida pela CBFTV.

Além dele, outros 12 dos 23 convocados estão concentrados: os goleiros Ederson, Santos e Weverton, os laterais Gabriel Menino e Renan Lodi, os zagueiros Rodrigo Caio, Thiago Silva e Felipe, o meia Everton Ribeiro e os atacantes Neymar, Everton e Richarlison.

Richarlison, que atua no time inglês Everton, foi o primeiro jogador a desembarcar na Granja, no domingo (4) à noite. O atacante trata uma lesão no tornozelo, sofrida na última partida pelo Campeonato Inglês, e será reavaliado pelo médico Rodrigo Lasmar, da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Ainda nesta segunda-feira, o meia Douglas Luiz irá se apresentar à seleção brasileira. Já na terça-feira (6), Tite terá o grupo todo à disposição, com a chegada dos laterais Alex Telles e Danilo, os volantes Casemiro e Fabinho, os meias Bruno Guimarães e Phillipe Coutinho e os atacantes Matheus Cunha, Roberto Firmino e Rodrygo. A delegação brasileira viaja para São Paulo nesta quarta-feira (7). Até lá, o lateral Riquelme e o atacante Figueiredo, ambos do Vasco e com passagens pelas seleções de base, participarão dos treinos na Granja Comary.

Logo após a garantir classificação para as oitavas de final da Libertadores, o Rubro-Negro vence pelo Brasileiro, continua embalado e com mais opções - Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Crise? Pressão? O momento agora é outro. E é bem melhor. O Flamengo superou a pior fase da temporada - goleada sofrida na Libertadores e surto de Covid-19 - e se uniu, cresceu e vem mostrando sua força. A vítima da vez foi o Athletico-PR, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Fla deslanchou no segundo tempo e venceu por 3 a 1, neste domingo, no Maracanã.

É mais um resultado simbólico e importante para o Flamengo. Logo após a garantir classificação para as oitavas de final da Libertadores, o Rubro-Negro vence pelo Brasileiro, continua embalado e com mais opções - mais jogadores recuperados da Covid-19 retornaram. Isso sem falar na garotada da base, que, no momento difícil, mostrou talento e que pode ser útil.

O desafio do Flamengo agora é outro: superar os desfalques em virtude das Eliminatórias. Isla, Rodrigo Caio, Éverton Ribeiro e Arrascaeta vão defender suas respectivas seleções e vão ficar fora do time.

Com a vitória, o Flamengo pulou para 21 pontos e subiu na tabela do Brasileiro. Agora, é o quarto colocado (depende ainda do fim da rodada). O Athletico continua com 14 pontos, na 11ª posição.

Na próxima rodada, o Flamengo tem mais um compromisso em casa: enfrenta o Sport, no Maracanã, quarta-feira, às 19h15. O Athletico volta a campo na quinta-feira, quando recebe o Ceará, às 19h, na Arena da Baixada.

Sem Domènec Torrent, que ainda se recupera da Covid-19, e Jordi Guerrero, auxiliar que testou positivo neste sábado, o Flamengo foi comandado por Jordi Gris, outro auxiliar de Dome. E o Rubro-Negro foi escalado com mudanças: Isla, Filipe Luís, Willian Arão, Bruno Henrique e Vitinho voltaram ao time titular. Isla e Bruno Henrique já haviam entrado em campo no último compromisso pela Libertadores, enquanto os outros três voltaram a atuar neste domingo, depois do tempo parado em função da Covid-19. Já Thiago Maia foi preservado.

Do lado do Athletico, o técnico Eduardo Barros optou por rodar bem o elenco em função da sequência de jogos na temporada e mandou a campo o time reserva. Ele apostou na experiência de Lucho González e formou o ataque com Carlos Eduardo e Renato Kayzer.

Flamengo sofre no primeiro tempo
O jogo começou logo com bola na trave. Antes de completar o primeiro minuto, Hugo Souza errou passe e deu presente para Alvarado, que acertou o poste do Flamengo. O clube carioca, por sinal, encontrava dificuldade para escapar da sufocante marcação do rival. O Athletico pressionava a saída de bola do Fla e logo recuperava a posse. O jogo, então, ficou franco.

O Athletico conseguiu contra-atacar e quase abriu o placar. Abner ficou com a sobra, mas parou em Hugo Souza, que fez importante defesa. O contragolpe do Flamengo por pouco não resultou em gol. Arrascaeta lançou Bruno Henrique em velocidade. O atacante avançou e achou Pedro. O chute do centroavante, porém, foi em cima de Santos.

Aos 22 minutos, Lucho lançou Carlos Eduardo em velocidade. Gabriel Noga derrubou o atacante. O árbitro Rodrigo Dalonso Ferreira marcou pênalti, mas o VAR, comandado por Elmo Alves Resende Cunha, entrou em ação e recomentou a revisão. O lance aconteceu fora da área. Ele, então, anulou o pênalti e marcou falta na entrada da área. Kayzer cobrou e Hugo mandou para escanteio.

O Flamengo buscava explorar a velocidade de Bruno Henrique pela esquerda. O atacante tabelou com Pedro e foi derrubado na entrada da área. Na cobrança, Arrascaeta obrigou Santos a defender. O movimentado primeiro tempo, com o Athletico superior, terminou sem gols.

Flamengo voa no segundo tempo
O técnico Jordi Gris fez mudança para o retorno ao segundo tempo. Éverton Ribeiro, recuperado de Covid-19 e que voltou a atuar neste domingo, entrou na vaga de Vitinho. E o camisa 7 quase abriu o placar no primeiro minuto. Em contra-ataque, ele recebeu de Arrascaeta e chutou da entrada da área. Santos voou e fez uma defesa difícil, salvando o time paranaense.

Melhor em campo, o Flamengo abriu o placar aos dez minutos. Pedro ganhou no corpo, após Natan cabecear para o alto, girou e chutou no canto: 1 a 0. Um gol típico de centroavante. Foi o quarto jogo seguido em que ele balança a rede. O Fla, então, partiu para cima. Dois minutos depois, Bruno Henrique cruzou e a bola bateu na mão de Léo Gomes. Pênalti. O próprio atacante cobrou e não deu chances a Santos: 2 a 0.

O Athletico-PR conseguiu reagir. Aos 21, após cobrança de falta, Kayzer surgiu diminuiu para 2 a 1. O Flamengo respondeu com Gerson, que, após passe de Pedro, quase encobriu Santos com um toque de cabeça.

O terceiro gol aconteceu aos 31 minutos. Isla cruzou para Arrascaeta, que rolou para Éverton Ribeiro. O chute desviou e entrou: 3 a 1.

Gris aproveitou e fez três alterações. Lançou Michael, Lincoln e Diego. Saíram Bruno Henrique, Pedro e Arrascaeta. O placar já estava resolvido. Vitória do Flamengo. O momento agora é bem diferente...

Glorioso prolonga jejum e Tricolor perde a chance de entrar no G-4 - Foto: Vítor Silva/Botafogo

Na partida que abriu o domingo (4) de futebol pela Série A do Campeonato Brasileiro, Botafogo e Fluminense ficaram no 1 a 1 no estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro. A partida, válida pela 13ª rodada, marcou o nono empate do Glorioso no torneio. A equipe alvinegra, que teve a estreia do técnico Bruno Lazaroni, não vence há 10 compromissos pelo torneio nacional. Já o Tricolor das Laranjeiras perdeu a chance de, ao menos temporariamente, entrar no G-4.

Com o resultado, o Botafogo segue na zona de rebaixamento, agora com 12 pontos, na 18ª posição. O Alvinegro, time que menos ganhou até o momento (uma vitória apenas), pode até encerrar a rodada na lanterna se Coritiba e Goiás superarem São Paulo e Santos, respectivamente, nos compromissos deste domingo. O Fluminense, com 18 pontos, subiu para sexto, mas pode perder colocações ao longo do dia.

O Botafogo teve mais volume no primeiro tempo e criou ao menos duas boas chances. Primeiro aos 11 minutos, em chute de primeira do meia Carlos Renteria, defendido pelo goleiro Muriel, um dos melhores em campo. Aos 39, uma cabeçada do atacante Rhuan parou no travessão, após o cruzamento do também atacante Salomon Kalou.

O Fluminense chegou na bola parada, mas foi mais efetivo. Aos 21 minutos, o zagueiro Matheus Ferraz já tinha assustado, de cabeça, obrigando o goleiro Diego Cavalieri a fazer a defesa. Aos 40, não teve jeito. O meia Nenê cobrou escanteio, o centroavante Fred cabeceou forte e Diego Cavalieri salvou, mas a bola resvalou no lateral Victor Luís e, na tentativa de afastá-la, o também lateral Kevin mandou para as redes, marcando contra.

Na etapa final, o Glorioso seguiu pressionando. Aos 12 minutos, acertou novamente o travessão, desta vez com o atacante Matheus Babi. A insistência alvinegra deu resultado aos 27 minutos, quando o volante Caio Alexandre ficou com a sobra de uma cobrança de falta e bateu de primeira, empatando a partida. O jogo ficou mais aberto, mas Diego Cavalieri e Muriel, com boas defesas, impediram que o placar fosse alterado.

Os rivais voltam a jogar pelo Brasileirão na quarta-feira (7). Às 20h30 (horário de Brasília), o Fluminense visita o Goiás. Já o Botafogo atua novamente no Nilton Santos, desta vez contra o Palmeiras, às 21h30.

Pedro Raul fez o gol de honra do Botafogo. Última vitória alvinegra foi em 19 de agosto, contra Atlético-MG - Foto: Vitor Silva/Botafogo

O Botafogo completou na noite desta quarta-feira nove jogos sem vencer, ao ser derrotado no Estádio Nilton Santos pelo Bahia, por 2 a 1, em jogo atrasado da primeira rodada do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, o Alvinegro está na penúltima colocação, com apenas 11 pontos. Já os baianos chegaram a 12 pontos e vão dormir fora da zona de rebaixamento.

A equipe alvinegra começou a partida tentando pressionar o Bahia, mas tinha dificuldade em criar bons lances. Os cariocas só levaram perigo aos 11 minutos. Após cobrança de escanteio, Kanu cabeceou próximo do gol.

Aos poucos, o Bahia equilibrou as ações e quase abriu o placar aos 21 minutos. Após cobrança de falta na área, Ernando subiu sozinho e cabeceou para grande defesa de Diego Cavalieri.

A partir dai, o confronto ficou monótono, com as duas equipes em busca do ataque, mas sem qualquer criatividade. Quando parecia que o jogo permaneceria igual até o intervalo, o Bahia marcou aos 42 minutos. Após falta cobrada na área, Gilberto subiu sem marcação para a rede.

No segundo tempo, o Botafogo novamente tentou pressionar, mas viu o Bahia quase ampliar aos sete minutos. Ramires foi lançado na área, mas chutou mal, pela linha de fundo. Os alvinegros só responderam quatro minutos depois. Após cobrança de falta na área, Rafael Forster cabeceou e obrigou Douglas a fazer grande defesa.

O Botafogo se animou com o lance perdido e aumentou a pressão. Aos 16 minutos, Matheus Babi foi lançado na área, mas finalizou pela linha de fundo.

Depois disso, o confronto melhorou e as duas equipes passaram a criar boas chances. Primeiro, Danielzinho chutou colocado e quase acertou o gol. A resposta do Botafogo veio em seguida. Rhuan cruzou rasteiro e Rentéria apareceu para finalizar para fora.

Na parte final, o Bahia aproveitou o nervosismo do Botafogo para decretar a vitória. Aos 39 minutos, Juninho Capixaba cruzou rasteiro para Élber mandar para a rede.

Antes do fim, o Botafogo ainda diminuiu com Pedro Raul, mas o gol não foi suficiente para mudar o resultado no Nilton Santos.

O Botafogo volta a campo no próximo domingo, contra o Fluminense, também no Nilton Santos. No mesmo dia, o Bahia recebe o Sport, em Salvador.

Goleiro do Manchester City é segunda mudança na convocação original - Foto: Lucas Figueiredo/CBF

O goleiro Ederson foi convocado para defender a seleção brasileira nos jogos contra Bolívia e Peru pelas eliminatórias para a Copa do Mundo do Catar, em 2022. O arqueiro do Manchester City (Inglaterra) substitui Alisson, do também inglês Liverpool, que sofreu uma lesão no ombro esquerdo durante um treinamento.

Em nota, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) informou que, segundo o médico da seleção, Rodrigo Lasmar, a contusão de Alisson “não possui tempo suficiente de recuperação” para que ele possa reforçar o Brasil nos jogos. Ainda conforme a entidade, os atletas chamados pelo técnico Tite começam a se apresentar neste domingo (4), na Granja Comary, em Teresópolis (RJ). O primeiro treino está marcado para segunda-feira (5), às 16h (horário de Brasília).

Além de Ederson, as outras opções de Tite para o gol nos duelos contra bolivianos e peruanos são Weverton, do Palmeiras, e Santos, do Athletico-PR. O arqueiro do City esteve em campo no sábado (3), no empate por 1 a 1 com o Leeds United, pelo Campeonato Inglês. Weverton também atuou sábado, na vitória do Verdão, por 2 a 1, sobre o Ceará, pela Série A do Campeonato Brasileiro. Santos será titular do Furacão neste domingo, às 16h (horário de Brasília), contra o Flamengo.

Trata-se da segunda mudança por lesão que o técnico teve de fazer na convocação original. Antes de Alisson, o atacante Gabriel Jesus, do Manchester City, foi cortado por contusão e substituído por Matheus Cunha, do Hertha Berlim (Alemanha) e destaque da seleção olímpica do Brasil.

A seleção de Tite recebe a Bolívia nesta sexta-feira (9), às 21h30 (horário de Brasília), na Neo Química Arena, em São Paulo. No próximo dia 13, uma terça-feira, a seleção visita o Peru, no estádio Nacional de Lima, às 21h.

 

Saída de técnico é mais um dos muitos problemas da equipe - Foto: Vítor Silva/Botafogo

O Botafogo terá o Cuiabá-MT pela frente nas oitavas de final da Copa do Brasil. Em outro campeonato, o Brasileirão, a pressão está fervendo sobre o clube da Estrela Solitária, que amarga a vice-lanterna com apenas 11 pontos ganhos em 12 rodadas. Além da derrota para o Bahia por 2 a 1, na última quarta (30), dentro do estádio Nilton Santos, o clube comunicou nesta quinta (1) a lesão ligamentar do meia Bruno Nazário no tornozelo esquerdo. A contusão não tem necessidade de cirurgia, como explica a nota do clube, que também anunciou agora à tarde a demissão do treinador Paulo Autuori.

“Caro Presidente e membros do Comitê, passo aqui para comunicar que está na hora de proceder mudanças, sem qualquer tipo de constrangimentos”, afirmou o treinador por nota, após reunião com os executivos de futebol do Botafogo. “Para facilitar as coisas, comuniquei aos jogadores que é esse o caminho. Uma coisa é ser persistente, outra é ser teimoso. Quando os sinais são negativos, é teimosia. Sem espaço para retroceder na atitude já tomada. Por favor, buscar, imediatamente, soluções. Obrigado. Lembranças às famílias”, despediu-se Autuori.

“É preocupante a situação do Botafogo”, analisa o comentarista da Rádio Nacional Waldir Luiz, classificando como pífia a atual campanha do Glorioso, com performance pior que a dos anos em que foi rebaixado para a segunda divisão (2002 e 2014). “Não pode ficar estagnado neste lugar, dentro do Z-4. O elenco está desequilibrado e desproporcional quanto às posições dos jogadores. Há cinco laterais-direitos e três esquerdos, mas nenhum meia com as mesmas características do Bruno Nazário. Também faltam atacantes de lado do campo, é preciso contratar com urgência, em especial, um substituto para o Bruno”, diz Waldir, classificando a contratação de jogadores estrangeiros como enganadoras para a torcida.

O torcedor Flávio Dutra Viana, de 45 anos, não compreende as negociações de Luís Henrique para Olympique de Marselha e Luís Fernando ao Grêmio. “O time estava ajustado, vendeu pra quê? Agora precisa pegar o dinheiro para conseguir novos jogadores. Esses dirigentes não aprendem”, critica.

No próximo domingo (4), às 11h, Bruno Lazaroni comandará o Alvinegro carioca no Clássico Vovô contra o Fluminense no estádio Nilton Santos, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Dentro do próprio estádio, só conquistou 5 dos 18 pontos disputados, venceu Atlético-MG e empatou com Coritiba e Santos.

Fluminense vive surto dias antes do clássico contra o Botafogo e chega a dez contaminados

O meia Paulo Henrique Ganso está contaminado com o novo coronavírus (covid-19). O jogador testou positivo nos exames realizados após a goleada da última segunda-feira (28), sobre o Coritiba, por 4 a 0, no Rio de Janeiro, pela 12ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro. O clube informou que o atleta está isolado e cumprindo a quarentena.

Ganso é o décimo jogador do Fluminense afastado pela covid-19, sendo o sexto do time principal. Nos testes realizados na última sexta-feira (25), foram diagnosticados com o vírus o lateral Calegari, o zagueiro Luccas Claro, o meia Miguel e os atacantes Luiz Henrique e Marcos Paulo. Além deles, outros quatro atletas da equipe sub-23 (o zagueiro Luan e os volantes André, Nascimento e Martinelli) também deram positivo para a covid-19.

Do elenco, o meia Nenê e os atacantes Wellington Silva e Fred já haviam sido infectados em outro momento. O camisa 9, caso mais recente, retornou aos gramados justamente na segunda (28), após duas semanas afastado, em recuperação. Em meio aos desfalques, o Tricolor volta à campo no próximo domingo (4), diante do Botafogo, às 11h (horário de Brasília), no estádio Nilton Santos, pela 13ª rodada do Brasileirão.

Mais Artigos...

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.