20
Ter, Out

Botafogo já vem luitando com dificuldades para poder honrar os compromissos salariais com jogadores e com os funcionários - Foto: Vitor Silva/Botafogo

A diretoria do Botafogo vem trabalhando para que o impacto da pandemia do coronavírus gere menos estragos nas finanças do clube. Por conta do novo vírus as competições estão paralisada sem quase todos os países do mundo. Justamente por conta disso a visibilidade de patrocinadores está comprometida e o Glorioso negocia para não perder contratos.

Na semana passada o Azeite Royal, um dos parceiros do clube, anunciou de forma oficial que interromperia as suas publicidades envolvendo o futebol. Além do Botafogo, o clube investia em Flamengo, Fluminense, Vasco e no Campeonato Carioca.

Como o Campeonato Carioca está paralisado até 30 de abril e a Copa do Brasil não tem data para retornar, o Botafogo sabe que vai ter problemas. Por isso alguns dirigentes estão procurando parceiros para tentar se antecipar a possíveis rompimentos.

A ideia do Botafogo é sentir como está o mercado. Para aqueles que esboçarem um rompimento, o clube estuda flexibilizar as formas de pagamento.

Além disso, o Botafogo espera sofrer um novo baque. Isso porque a emissora de televisão que possui os direitos de transmissão do Campeonato Carioca estuda não pagar as cotas restantes. Isso pelo menos enquanto não tiver uma certeza de que a competição será encerrada.

O Botafogo já vem lutando com dificuldades para poder honrar os compromissos salariais com jogadores e com os funcionários. Recentemente o clube fez um apelo para que os botafoguenses sigam pagando o programa de sócio-torcedor.

O elenco do Botafogo está treinando em casa por conta da quarentena gerada pela pandemia do Coronavírus. Esta semana a diretoria decidiu antecipar as férias do plantel, que começará na quarta-feira 1 de abril e vai se estender por 20 dias. A antecipação das férias dos atletas, inclusive pode facilitar que eles sigam com o plantel pelos meses de dezembro e janeiro caso assim seja determinado pelo calendário da CBF. A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) anunciou esta semana que o Campeonato Carioca está paralisado até 30 de abril, mas na entidade já se fala que o prazo será estendido pelo menos até o fim de maio.

 

Ficou acordado entre as partes o corte de 70% dos pagamentos, mais um fundo extra mantido pelos atletas - Foto: Miguel Ruiz/Barcelona

O Barcelona anunciou nesta segunda-feira (30) um acordo com os jogadores profissionais de futebol para redução salarial em meio à pandemia do coronavírus. Ficou acordado entre as partes o corte de 70% dos pagamentos, mais um fundo extra mantido pelos atletas que ajudará o clube a pagar os vencimentos dos demais funcionários de forma integral.

Além dos jogadores de futebol, atletas das demais modalidades e a maioria do time de basquete também fizeram um acordo para redução dos salários. Neste caso o tamanho da redução não foi divulgado.

Após a divulgação do acordo, os jogadores do clube publicaram de forma conjunta em suas redes sociais uma mensagem aos torcedores. Em nota, os atletas explicaram porque o acordo ainda não tinha sido firmado, e mostraram ressentimento com pessoas do clube que acreditaram que o grupo não aceitaria a redução.

Confira a nota dos jogadores do Barcelona

Muito se escreveu e se disse sobre a primeira equipe de futebol do FC Barcelona no que se refere aos salário dos jogadores durante esse período de Estado de Emergência.

Antes de mais nada, queremos deixar claro que nossa vontade sempre foi aplicar uma diminuição nos salários, porque entendemos perfeitamente que se trata de uma situação excepcional e somos os primeiros que SEMPRE ajudaram o clube quando nos foi pedido. Inclusive muitas vezes nós fizemos por iniciativa própria, em outros momentos que acreditamos ser necessário ou importante.

Por isso, não deixa de nos surpreender que desde dentro do clube houve quem nos colocou para baixo e somou uma pressão para fazer algo que nós sempre deixamos claro que faríamos. Assim, se o acordo demorou alguns dias é simplesmente porque estávamos buscando uma fórmula para ajudar o clube e também aos seus trabalhadores nesse momento tão difícil.

Da nossa parte, chegou nosso momento de anunciar que, enquanto o nosso salário será decrescido de 70% durante o Estado de Emergência, vamos fazer algumas aportações para que os empregados do clube possam cobrar 100% do salário enquanto dure essa situação.

Se não falamos até agora, foi porque o prioritário para nós era encontrar soluções que fossem reais para ajudar o clube, mas também como os mais prejudicados ficariam ante essa situação

Não queremos nos despedir sem enviar uma saudação afetuosa e muita força a todos os torcedores que estão passando mal nesse momento tão duro, assim como todos aqueles que esperam pacientemente o fim dessa crise em suas casas. Rapidamente vamos sair disso e o faremos todos juntos.

Ajustes se estenderão pelo período em que perdurarem os efeitos da pandemia - Foto: Reprodução

O Atlético-MG anunciou a redução de 25% do valor dos salários de jogadores, comissão técnica e diretoria. Em comunicado oficial o clube justificou a medida em função da paralisação de todos os campeonatos envolvendo equipes do futebol brasileiro, em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19). Os ajustes se estenderão, de acordo com a nota oficial publicada no site do clube, "pelo período em que perdurarem os efeitos da pandemia.”

"Considerando a excepcionalidade da atual conjuntura, que impõe ao Atlético a adoção de ajustes transitórios que lhe permitam continuar honrando os seus compromissos", argumento o clube.

O comunicado ainda explica que os funcionários que recebam menos de R$ 5 mil reais não terão qualquer corte "em respeito ao mínimo existencial daqueles que mais necessitam".

A decisão da diretoria do Galo foi tomada após a falta de acordo entre os clubes e os jogadores. A proposta enviada pelo clube na semana passada para um acordo coletivo dizia respeito a redução salarial de 25% até que as atividades fossem normalizadas, e concessão de 20 dias de férias a partir do dia 1° de abril. Tal proposta, no entanto, foi rejeitada por atletas e sindicatos. Como não houve um acerto geral, os presidentes dos clubes se reuniram e definiram que as negociações deveriam ocorrer individualmente com os jogadores. Em relação às férias, os clubes acionaram a Medida Provisória 927, que flexibiliza as leis trabalhistas neste momento de pandemia da covid-19, concedendo o direito previsto pela Constituição Federal.

Rodolfo Landim - Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, está convicto de que Jorge Jesus irá renovar seu contrato com o clube. O compromisso vence no final de maio e as partes já iniciaram as conversas para sua renovação.

Sob o comando do Mister, desde de junho do ano passado, o time tem vivido uma fase de grande sucesso. Em menos de um ano, a equipe conquistou o Campeonato Brasileiro, a Libertadores e foi vice-campeã Mundial da Fifa. Nesta temporada, em menos de três meses, faturou a Supercopa do Brasil, a Recopa Sul-Americana e a Taça Guanabara.

O mandatário Rubro-Negro foi entrevistado nesta sexta-feira pela Fox Sports e falou sobre as conversas com o treinador. Landim confia na permanência do português no Rio de Janeiro.

“A gente já iniciou conversas com ele e com o empresário dele. Essas conversas estão bem encaminhadas. Eu tenho absoluta certeza que vamos chegar a um bom denominador”, afirmou o presidente.

“Foi uma parceria de enorme sucesso. Eu acho que ele entende dessa forma. Está querendo continuar no Flamengo e o clube deseja continuar com ele. O que a gente precisa, na verdade, é acertar os últimos detalhes. Eu tenho certeza que isso vai acabar acontecendo”, completou.

Segundo Landim, as partes estabeleceram o final de abril como um marco nas negociações. Caso um acordo não seja alcançado até lá, ambos poderão começar a trabalhar em alternativas.

“Esse prazo ainda está longe de chegar, então a gente não trabalha com outra situação que não seja a permanência. Eu só vou pensar neste assunto, conversando com a área de scouting, com os dirigentes da área de futebol do Flamengo, apenas no caso extremamente improvável de nós não chegarmos a um acordo com ele. Algo que pra mim, até o momento, está descartado", decretou.

Diferença de valores

Rodolfo Landim admitiu que existe uma diferença grande entre a pedida do técnico e a realidade financeira do clube. Mas isso não preocupa o dirigente.

“É óbvio que se a gente tá discutindo, é porque ela (a pedida) foi alta. Foi muito além da capacidade do Flamengo, eu não vou esconder. Mas ele sabe disso. E volto a dizer, tenho uma expectativa alta de que a gente vai chegar num acordo. Não estaria falando se não tivesse”, concluiu.

O Flamengo suspendeu as atividades do futebol por tempo indeterminado e dará férias de 20 dias aos jogadores. Jorge Jesus está em Portugal com a família por conta da pandemia do coronavírus. As partes continuam em contato à distância.

 

O pagamento das férias também será antecipado para abril e não ficará para ser depositado apenas no fim do ano - Foto: Daniel Augusto Jr./Corinthians

O Corinthians confirmou na manhã desta segunda-feira (30) que antecipará as férias dos jogadores por conta da pandemia do novo coronavírus. Conforme noticiado pela Gazeta Esportiva na última quinta-feira, o recesso ocorrerá entre 1º e 20 de abril. A mudança também vale para os atletas das categorias de base do Timão.

O pagamento das férias também será antecipado para abril e não ficará para ser depositado apenas no fim do ano. A princípio, os outros 10 dias de recesso serão mantidos para janeiro de 2021.

A alteração está alinhada com o restante dos clubes da Série A e CBF, que decidiram por unanimidade seguir este protocolo, após reunião do Conselho Nacional dos Clubes na última quinta-feira.

O clube também reconhece a possibilidade de prorrogar a medida, dependendo do estado encontrado ao fim do período de férias. Seguindo as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), jogadores e funcionários ficarão em isolamento social.

A última partida do time profissional de futebol masculino do Corinthians aconteceu sem a presença de público na Arena de Itaquera, em 15 de março e terminou no empate por 1 a 1 com o Ituano. Após isso, todos foram liberados, inclusive nos outros departamentos.

Aleksander Ceferin - Foto: Reprodução

Ainda não se sabem os impactos que a parada forçada pela pandemia de coronavírus vão causar ao calendário no futebol mundial, fato é que muitos torneios terão que ser replanejados. Aos olhos de alguns, o restante da temporada pode estar perdido.

Aleksander Ceferin, presidente da UEFA, não é otimista quanto ao futuro do futebol europeu. O momento é de aguardar a evolução do covid-19 e por meados de maio tentar retomar as atividades para evitar maiores danos.

“Neste momento dramático, o mais importante é a saúde das pessoas e sair dessa crise. É claro que a interrupção do futebol simboliza que a Europa e o mundo pararam. Não sabemos quando essa pandemia terminará, mas temos um plano A, B e até C. Estamos em contato com as ligas, com os clubes, há um grupo de trabalho. Temos que esperar, como qualquer outro setor”, comentou em entrevista ao jornal italiano La Repubblica.
 
“Poderíamos começar de novo em meados de maio, em meados de junho ou no fim de junho. Então, se não conseguirmos, a temporada provavelmente está perdida”, completou.
 
A Europa foi fortemente atingida pelo surto de coronavírus. A Itália já registrou mais 8 mil mortes em decorrência da doença. Em meio ao pânico, o esporte segue parado pelo bem da saúde e sem perspectiva de retorno, assim como de sossego para a população.
 

Saída de Abel Braga do comando e a suspensão das atividades do elenco já são vistas como uma oportunidade para recomeçar - Divulgação/Rafael Ribeiro

O desempenho ofensivo é um dos aspectos mais criticados no Vasco de 2020. Com oito gols a favor e dez contra, a equipe de São Januário marcou em apenas 43% dos jogos que disputou. Este é o pior desempenho entre as equipes da série A do Campeonato Brasileiro.

A saída de Abel Braga do comando e a suspensão das atividades do elenco já são vistas como uma oportunidade para recomeçar. Em entrevista nesta sexta ao programa Donos da Bola, Campello reconheceu o baixo rendimento do time.

"Os resultados não apareceram, o desenvolvimento do futebol não foi o que esperávamos. Lamentavelmente as coisas não caminharam. Não podemos culpar o Abel, não podemos culpar um só, entra tudo, diretoria, comissão técnica", afirmou o dirigente.

"Talvez com essa paralisação, a retomada nos ajude a encaixar o time para que ele renda mais", projetou.

O primeiro passo para o recomeço da temporada será a contratação de um novo treinador. Campello disse que o assunto será tratado nos próximos dias pela cúpula do futebol do clube.

"A partir de segunda-feira da semana que vem vamos pensar no nome de um novo treinador. A escolha deve ser baseada em vários aspectos: qualidade do treinador, perfil. Pode ser estrangeiro ou não", explicou.

Efeitos da paralisação sobre as finanças

Alexandre Campello se mostrou preocupado com o futuro da temporada. Os clubes concederam férias coletivas de 20 dias aos jogadores, a partir de 1º de abril. Acredita-se, portanto, que os treinos sejam retomados a partir do dia 21, mas nada é certo no momento.

O que quer que aconteça, é certo que os impactos financeiros da crise do coronavírus sobre os clubes será grande.

"Eu entendo que o atleta de futebol não quer ter redução dos salários, mas precisamos entender que toda a sociedade vai perder com isso. Se houver uma paralisação para além dos período de férias vamos ter que discutir redução de salários. Não existe toda a sociedade perder e os jogadores e comissão técnica não passarem por isso", alertou.

Mais Artigos...

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.