25
Dom, Out

Neste domingo a escuderia Mercedes fará dobradinha na largada do Grande Prêmio (GP) da Toscana, na Itália - Foto: Mercedes/Divulgação

A escuderia Mercedes fará dobradinha na largada do Grande Prêmio (GP) da Toscana, na Itália, que acontecerá no próximo domingo (13). Assim, o hexacampeão mundial Lewis Hamilton alcançou a 95ª pole position da carreira. No circuito de Mugello, que está estreando este ano no calendário da Fórmula 1, o piloto britânico conseguiu o melhor tempo neste sábado (12), de 1min15s144.

Na sequência, largarão dois pilotos da Red Bull Racing (RBR), o holandês Max Versttapen (terceiro) e o tailandês Alexander Albon (quarto). Na quinta colocação, o monegasco Charles Leclerc obteve a melhor classificação da Ferrari.

Inglês fez a volta mais rápida da história do circuito e vai ser pole - Foto: Divulgação

A pole position do Grande Prêmio da Bélgica é de Lewis Hamilton. O inglês marcou o tempo de 1’41”451, no último treino de classificação na pista de 7km da pista de Spa-Francochamps, neste sábado (29). Em segundo lugar vem o finlandês Valterri Bottas e fechando o primeiro pelotão: Daniel Riciardo, Max Verstappen, Alexander Albon e Esteban Ocon

A sétima corrida do circuito da Fórmula 1 em 2020 será, neste domingo (30), às 10h, hora de Brasília. O líder da temporada, Lewis Hamilton, que busca o sétimo título, anotou hoje mais um recorde, ao fazer a volta mais rápida da história do circuito belga. Das 88 vitórias da carreira do hexacampeão, apenas duas delas foram na Bélgica.

A dupla da Mercedes (Hamilton e Bottas) segue dominando, mas os carros da Renault também foram destaque nesta última classificatória. O australiano Riciardo ficou com o terceiro lugar no grid de largada, enquanto o francês Ocon anotou o sexto tempo.

Hexacampeão bate recorde da pista no final do treino classificatório - Foto: Divulgação

O inglês Lewis Hamilton mostrou dentro de casa, em Silverstone, porque caminha para o sétimo título da Fórmula 1. Na última volta para a classificação da corrida deste domingo, o hexacampeão bateu o recorde da pista e chegou a pole position de número 91 na carreira.

O GP da Inglaterra é amanhã (2), às 10h (horário de Brasília). Atrás de Hamilton, líder do campeonato, vai largar o colega de equipe, Valterri Botas. Depois da dupla da Mercedes, vem o holandês Max Verstappen com a RBR e, na quarta colocação, a Ferrari de Charles Lecrec.

Provas do Canadá, Estados Unidos e México também não ocorrerão

A Fórmula 1 cancelou nesta sexta-feira (24) o Grande Prêmio (GP) do Brasil que ocorreria em 15 de novembro. Será a primeira vez, desde 1973, que a corrida não será realizada no país. O anúncio feito nesta sexta-feira (24) por meio de nota oficial da Fórmula One Management, organizadora do evento.

Além do GP do Brasil no autódromo de Interlagos, também foram cortadas da temporada deste ano outras três provas: Canadá, Estados Unidos e México. As corridas ompetições estavam previstas para acontecer entre outubro e novembro, com exceção de Canadá, cujo GP ocorreria em junho.

O prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, disse comentou a decisão durante coletiva de imprensa sobre a situação da pandemia do novo coronavírus (covid-19), em São Paulo. Covas disse que a prefeitura vai respeitar a decisão dos organizadores da Fórmula 1. No entanto, ressaltou que a capital paulista, em novembro, estará em situação melhor do que nas cidades onde já ocorreram corridas este ano. Covas afirmou ainda que as tratativas pra renovação do contrato da Fórmula 1 em Interlagos no ano que vem continuam. O contrato termina este ano.

No início deste mês, o chefe da Mercedes, o austríaco Toto Wolff, já havia se pronunciado sobre a inviabilidade de realização do GP no país. Na ocasião, ele revelou o teor da conversa que teve com o diretor executivo da F1, o norte-americano Ross Brown, sobre o risco de realizar o GP no Brasil diante do descontrole da pandemia do novo coronavírus (covid-19) no país.

Por meio de mensagem publicada o Twitter, os organizadores comentaram a decisão.

“Com a pandemia da COVID-19 em curso, significa que, infelizmente, não será possível competir no Brasil, EUA, México e Canadá este ano. Esperamos voltar na próxima temporada para as Américas para fazer um show para nossos fãs apaixonados da região.” e ainda completou em nota publicada no site - "Também queremos prestar homenagem aos nossos incríveis parceiros nas Américas e esperamos voltar com eles na próxima temporada, quando mais uma vez conseguirem emocionar milhões de fãs ao redor do mundo."

Por meio de nota oficial, a assessoria de comunicação da empresa Interpub, responsável pelo GP Brasil, disse: "Sobre as notícias divulgadas hoje, 24/07/2020, dando conta do cancelamento do GP Brasil de Fórmula 1 e das demais corridas das Américas, comunicamos que não recebemos até o presente momento nenhuma comunicação oficial da Federação Internacional de Automobilismo e, dessa forma, não poderemos nos manifestar".

A Fórmula 1 deveria iniciar em março, mas teve de ser adiada por causa da explosão de casos de covid-19 pelo mundo. Ao todo, 15 provas já foram afetadas pela insegurança sanitária, sendo que sete delas (Austrália, Mônaco, França, Holanda, Azerbaijão, Cingapura, Japão, Brasil, Canadá, Estados Unidos e México) foram canceladas. Já outras quatro provas acabaram adiadas (Bahrein, Vietnã, China e Espanha).

Por outro lado, mais três circuitos foram confirmados para a temporada 2020. Em Nürburgring (GP da Alemanha), acontecerá em 11 de outubro. Já o de Portimão (GP de Portugal) aparece como novidade. Ele foi agendado para 25 de outubro, e será a primeira vez que o Circuito Internacional de Algarve sediará uma corrida de F1. O país não recebia um evento de Campeonato Mundial da categoria desde 1996. Por fim, o de Ímola (GP da Emilia Romagna) está marcado para 1º de novembro, na Itália.

Com o calendário revisado devido à pandemia, os organizadores da Fórmula 1 reiteraram o objetivo de completar o Campeonato Mundial com a disputa de 15 a 18 provas. Inicialmente era previsto 22 circuitos. O encerramento da competição deverá acontecer em dezembro, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

"Tivemos um grande dia", postou Verstappen no Twitter - Foto: Reprodução

Neste domingo (9), em Silverstone, na Inglaterra, Max Verstappen, holandês da RBR, venceu o GP dos 70 anos da Fórmula 1. Ele foi o único piloto entre os primeiros do grid a apostar nos pneus duros na largada. E se deu bem.


A dupla da Mercedes (Valtteri Bottas, na pole position, e Lewis Hamilton, logo atrás) foi ultrapassada depois das trocas de pneus. Na segunda ida aos boxes, Max Verstappen foi ao mesmo tempo de Valtteri Bottas, e Lewis Hamilton seguiu na pista até a volta 41. Depois, caiu para 4°. Mas ultrapassou Charles Leclerc, passou o companheiro de equipe, Bottas, e fechou o Grande Prêmio em 2°. Bottas completou o pódio. Esta foi a 1° vez que a Mercedes não saiu vencedora de uma prova em 2020.

Assim, o inglês Hamilton chegou a 155 pódios e igualou o recorde de Schumacher. Na tabela de classificação do Mundial, ele tem 107 pontos. Max Verstappen, 77. E Valtteri Bottas, 73. Já no próximo fim de semana, a temporada continua com o GP da Espanha, em Barcelona.

Mexicano está fora do GP da Inglaterra, no circuito de Silveestone

A Fórmula 1 confirmou, nesta quinta-feira (30), que Sergio Pérez, da equipe Racing Point, testou positivo para o novo coronavírus (covid-19). O mexicano é o primeiro piloto da categoria com resultado positivo para a doença. Com isso, Pérez não poderá participar do Grande Prêmio (GP) da Inglaterra, no circuito de Silverstone, no próximo domingo (2), e também corre o risco de ficar de fora da corrida do dia 9 de agosto, no mesmo circuito.

Na manhã de hoje (30), o resultado do primeiro teste realizado pelo piloto foi inconclusivo. Desta forma, ele já não participou das atividades previstas no circuito de Silverstone.

Em comunicado, a Fórmula 1 explicou as medidas tomadas.

“Pérez entrou em ‘auto-quarentena’ de acordo com as instruções de autoridades de saúde pública, e vai continuar seguindo os procedimentos exigidos por essas autoridades. Com a assistência dos organizadores do Grande Prêmio da Inglaterra, autoridades locais de saúde e o delegado da FIA para a covid-19, um rastreamento completo foi realizado e todos os contatos próximos foram colocados em quarentena. Os procedimentos estabelecidos pela FIA e pela Fórmula 1 previram a rápida contenção de um incidente que não terá maior impacto no evento neste fim de semana”.

A Racing Point também emitiu um comunicado oficial. Sem poder contar com piloto, a equipe de Sergio Pérez informou que pretende ter um substituto para correr com dois carros neste fim de semana.

“Sergio está fisicamente bem e de bom humor, mas vai continuar com o auto-isolamento sob as diretrizes das autoridades públicas de saúde, sendo a segurança a prioridade máxima para a equipe e o esporte. Toda a equipe deseja bem a Sergio e espera recebê-lo ao cockpit do RP20 em breve. Nossa intenção é correr com dois carros no domingo. Em breve, comunicaremos os próximos passos para o fim de semana do Grande Prêmio da Inglaterra”.

A expectativa é de que a qualquer momento a Racing Point anuncie qual será o piloto substituto de Sérgio Pérez para o GP da Inglaterra.

O italiano Alessandro Zanardi é ex-piloto da Fórmula 1 - Foto: Divulgação

O italiano Alessandro Zanardi, ex-piloto da Fórmula 1 e campeão paralímpico de ciclismo, gravemente ferido em um acidente de bicicleta no dia 19 de junho, foi transferido para um centro de reabilitação, anunciou nesta terça-feira o hospital da cidade italiana de Siena, onde está intermado.

"Depois de concluída a sedação, a normalização dos parâmetros cardiorrespiratórios e metabólicos, a estabilização das condições clínicas gerais e o quadro neurológico permitiram a transferência do campeão para um centro especializado em reabilitação funcional", indica o comunicado do hospital italiano.

"Ele ficou mais de um mês em nosso hospital, onde passou por três operações delicadas. A estabilização de suas condições clínicas e seus parâmetros vitais permitiram a redução e depois a suspensão do tratamento. Assim, ele pode ser transferido para outra estrutura para continuar com a necessária reabilitação neurológica", declarou o diretor do hospital Valtere Giovannini.

Zanardi, de 53 anos, ficou gravemente ferido em 19 de junho em um acidente de trânsito enquanto guiava sua bicicleta de mão, colidindo com um caminhão e sofrendo inúmeras fraturas no rosto.

Ex-piloto de Fórmula 1 e bicampeão da IndyCar, Zanardi se tornou um atleta de destaque do esporte paraolímpico depois que as duas pernas foram amputadas em 2001, após um terrível acidente em uma corrida de carros da IndyCar no circuito alemão de Lausitzring.

Mais Artigos...

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.