24
Qui, Set

Presidente já havia alertado sobre essa possibilidade mais de uma vez - Foto: Divulgação

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou hoje (24) um decreto que proíbe a entrada de viajantes que passaram pelo Brasil nos últimos 14 dias. A medida foi tomada devido aos casos registrados do novo coronavírus e deve entrar em vigor em 29 de maio.

De acordo com o comunicado divulgado pela Casa Branca, a restrição é necessária para “proteger o país” da contaminação pelo novo coronavírus. A medida não será aplicada aos cidadãos norte-americanos, residentes e filhos de residentes menores de 21 anos.

Mais cedo, o consultor de segurança nacional da Casa Branca, Robert O'Brien, informou que a medida seria tomada ainda neste domingo. O'Brien disse que os Estados Unidos também analisarão as restrições para outros países do Hemisfério Sul.

Informação é do consultor de segurança da Casa Branca - Foto: Divulgação

Os Estados Unidos devem impor restrições de viagem ao Brasil neste domingo (24), disse o consultor de segurança nacional da Casa Branca, Robert O'Brien, dois dias após o país sul-americano se tornar o número 2 do mundo em casos de coronavírus.

O'Brien disse ao programa 'Face the Nation’, da rede CBS, acreditar que haverá uma decisão neste domingo sobre suspender a entrada de viajantes que chegam do Brasil.

"Esperamos que seja temporário, mas, devido à situação no Brasil, tomaremos todas as medidas necessárias para proteger o povo americano", disse O'Brien.

O Brasil se tornou o número 2 do mundo em casos de coronavírus na sexta-feira, perdendo apenas para os Estados Unidos, e agora tem mais de 349 mil pessoas infectadas pelo vírus, informou o Ministério da Saúde.

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse na terça-feira que estava considerando impor uma proibição de viagens para passageiros provenientes do Brasil.

"Não quero pessoas vindo para cá e infectando nosso povo. Também não quero que as pessoas fiquem doentes por lá. Estamos ajudando o Brasil com respiradores... O Brasil está tendo problemas, não há dúvida sobre isso", acrescento Trump a repórteres na Casa Branca.

O'Brien disse que os Estados Unidos analisarão as restrições para outros países do hemisfério sul, país a país.

Trump suspendeu a entrada da maioria dos viajantes da China, onde o surto começou, em janeiro. No início de março, ele impôs restrições de viagem a pessoas vindas da Europa.

Vanda Pharmaceuticals pediu as conclusões dos testes que levaram à autorização emergencial do uso do medicamento - Foto: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

Médicos dos Estados Unidos (EUA) e outros membros da comunidade científica estão pedindo a publicação dos dados que convenceram os reguladores da área da saúde do país a autorizar o uso emergencial do medicamento antiviral remdesivir, da Gilead Sciences, para tratar a covid-19, para assim direcionar os recursos limitados às pessoas certas.

O diretor executivo da Vanda Pharmaceuticals, Mihael Polymeropoulos, publicou na quarta-feira (20) carta aberta pedindo o download completo das conclusões dos testes que levaram à autorização emergencial do uso, concedida pela Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês).

"E se o medicamento for mais indicado para pessoas no início do ciclo infeccioso? Se estivermos administrando a pessoas com doença grave - seja por compaixão natural - podemos estar desperdiçando o remédio", disse o CEO à Reuters.

Ele disse que a Vanda, que está desenvolvendo um medicamento anti-inflamatório para a covid-19, busca utilizar seu expertise.

O uso emergencial do remdesivir, aprovado pela FDA no dia 1º de maio, é baseado em resultados preliminares de um teste clínico do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA (Niaid), que mostrou que o medicamento reduziu o número de diárias hospitalares em 31%, ou cerca de quatro dias, comparado com um placebo. 

Nenhum outro detalhe do teste, feito com 1.063 pacientes, foi publicado. O instituto disse, por email, que um relatório sobre os testes seria publicado em algumas semanas. A Gilead não informou quando.

Vacina experimental para a covid-19 teve testes em pequena escala e em estágio inicial - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Testes em pequena escala e em estágio inicial para uma vacina experimental para a covid-19, produzida pela empresa norte-americana de biotecnologia Moderna, não garantiram dados críticos necessários para que sua eficácia seja avaliada, informou nesta terça-feira (19) o site Stat News, focado em Saúde, citando especialistas.

A reportagem derrubou as ações da empresa, baseada em Cambridge, no estado de Massachusetts, e apagou ganhos modestos no índice S&P 500.

A Moderna disse, na véspera, que a vacina experimental, a primeira que será testada nos Estados Unidos, produziu anticorpos protetores em pequeno grupo de voluntários saudáveis.

A notícia, embora baseada em dados iniciais de apenas oito pessoas e sem a intenção de avaliar a eficácia do produto, elevou as ações da Moderna em 20% na segunda-feira (18).

A Moderna anunciou posteriormente uma venda de ações que poderia levantar mais de US$ 1,5 bilhão.

O Stat News citou especialistas da área de saúde, que disseram que a Moderna não ofereceu dados suficientes em seu comunicado à imprensa para que o produto seja avaliado.

As questão citadas pelo Stat News incluíram:

- falta de dados sobre respostas ao medicamentos de outros participantes no estudo com 45 indivíduos.

- falta de informações sobre a idade dos oito indivíduos cujos anticorpos foram analisados, ponto importante pelo fato de que o vírus é especialmente letal para pessoas mais velhas.

- falta de comentários sobre o parceiro da Moderna e do governo dos EUA no desenvolvimento da vacina, o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas.

- os dados são baseados em respostas iniciais à vacina, deixando em dúvida quanto tempo a imunidade produzida pela vacina pode durar.

A Moderna não respondeu imediatamente a um pedido da Reuters por comentários.

As ações da empresa fecharam em queda de 10,4%.

 

Wilson Roosevelt Jerman, que tinha 91 anos, começou a trabalhar no local em 1953 - Foto: Divulgação/Agência Brasil

Wilson Roosevelt Jerman, que trabalhou na Casa Branca com 11 presidentes dos Estados Unidos, morreu aos 91 anos, depois de ter contraído covid-19, anunciou a família.

O homem, que começou a trabalhar como empregado de limpeza quando era presidente Dwight Eisenhower (1953-1961), foi rapidamente promovido a mordomo na era Kennedy (1961-1963), e aposentou-se em 2012, durante o mandato de Barack Obama (2009-2017).

"Com a sua amabilidade e cuidado, Wilson Jerman ajudou a fazer da Casa Branca um lar durante décadas para várias primeiras famílias, incluindo a nossa", disse a ex-primeira dama Michelle Obama.

"O seu serviço aos outros - a sua vontade de ir mais além pelo país que amava e por todos aqueles cujas vidas tocou - é um legado digno do seu espírito generoso", acrescentou.

Hillary Clinton também transmitiu condolências à família, através do Twitter, elogiando a capacidade de Jerman de fazer as famílias de vários presidentes "sentirem-se em casa".

O ex-presidente George W. Bush e Laura Bush prestaram tributo ao antigo mordomo, considerando-o "um homem adorável".

"Ele era a primeira pessoa que víamos de manhã quando saíamos da residência e a última pessoa que víamos à noite quando regressávamos", escreveu o casal.

Um profissional elogiado por todos

Jerman tornou-se mordomo da Casa Branca durante a presidência de John F. Kennedy (1961-1963), uma promoção que teve a mão de Jacqueline Kennedy, de acordo com uma das netas de Jerman, Jamila Garrett.

Desiree Barnes, assessora na Casa Branca durante a gestão de Obama, garantiu que Jerman tratava todo o pessoal com amabilidade, recordando que, quando era ainda estagiária, o mordomo lhe trazia uma refeição se ainda não tivesse comido, e que chegou mesmo a telefonar-lhe durante uma tempestade de neve para se certificar de que ela estava bem.

"Não importava qual era o partido político, ele estava lá para servir", disse Barnes.

"Ele esteve lá em alguns dos dias mais difíceis para muitos presidentes. Imagine estar lá quando o presidente Kennedy foi assassinado e ter de receber a primeira dama. Portanto, ele era um homem muito empático", elogiou.

Os Estados Unidos já registraram quase 95 mil mortes provocadas pela covid-19.

No dia 1º de maio, a embaixada já havia anunciado outra doação de US$ 950 mil - Foto: Divulgação

O governo dos Estados Unidos (EUA) anunciou a doação de aproximadamente US$ 3 milhões (R$ 17 milhões) ao Brasil, para ajudar na resposta de emergência de saúde pública contra o novo coronavírus.

A doação será feita por meio dos centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e da agência do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, que mantêm colaborações com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e com o Ministério da Saúde.

O anúncio da doação foi feito pela embaixada norte-americana no Brasil. Segundo ela, os recursos serão usados para a “melhoria da detecção e do rastreamento de casos, na identificação de áreas de transmissão, no controle de surtos e no fornecimento de dados para uma reabertura segura no Brasil”.

No dia 1º de maio, a embaixada já havia anunciado outra doação, de US$ 950 mil, recurso que tem como foco o apoio socioeconômico a populações vulneráveis.

De acordo com a embaixada, os recursos doados por meio dos CDC “fortalecerão as operações emergenciais do Brasil, apoiando 79 centros de operação de emergência”, sendo um centro nacional, 27 estaduais, 26 nas capitais e 25 nos municípios com mais de 500 mil habitantes, além de fornecer aos membros da Equipe de Resposta Rápida (RRT) treinamento e oficinas sobre integração de sistemas de gestão de emergência, gestão de RRT e Gestão de Emergências em Saúde Pública”.

Em nota, a embaixada dos EUA acrescenta que os recursos vão melhorar a saúde comunitária e na região fronteiriça, bem como apoiar os centros de operações de emergência e laboratórios em 13 municípios de fronteira. Além disso, reforçarão a capacidade entre os países-parceiros, visando à detecção e ao atendimento de indivíduos doentes nas fronteiras e durante suas viagens.

Estudos mostram que o medicamento não é eficaz - Foto: Isac Nóbrega/PR

Em anúncio surpreendente, o presidente dos Estados Unido (EUA), Donald Trump, revelou nessa segunda-feira (18) que está tomando hidroxicloroquina como medida de prevenção contra o coronavírus, apesar de alertas de especialistas sobre o uso do medicamento para combate à malária. "Estou tomando hidroxicloroquina", disse Trump a repórteres. "Estou tomando há uma semana e meia. Um comprimido por dia".

O presidente fez a revelação de forma voluntária durante entrevista coletiva, após se reunir com empresários do setor de restaurantes, que estão sofrendo os impactos da pandemia.

Há algumas semanas, Trump promoveu a droga como um potencial tratamento para a covid-19, tendo como base um relatório positivo quanto a seu uso no combate ao vírus, mas estudos subsequentes mostraram que o medicamento não é eficaz.

A Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) emitiu alerta sobre o uso do remédio. Em comunicado divulgado no dia 24 de abril, a FDA disse que está "ciente de relatos de sérios problemas de arritmia cardíaca" em pacientes de covid-19 tratados com a hidroxicloroquina ou com cloroquina, um medicamento mais antigo.

Donald Trump, de 73 anos, que é submetido frequentemente a testes para o vírus, disse que perguntou ao médico da Casa Branca se era ok tomar o medicamento, e o médico respondeu: "bem, se você quiser". O presidente, no entanto, se recusa a utilizar uma máscara de proteção na Casa Branca.

Imediatamente após os comentários de Trump, a Fox News entrevistou o médico Bob Lahita, professor de Medicina da Rutgers University, que alertou as pessoas para que não tomem hidroxicloroquina. "Não há efeitos que tenhamos visto, e tratamos diversos pacientes com isso", afirmou.

Trump disse que também tomou uma dose única de azitromicina, um antibiótico que visa a evitar infecções. Em conjunto com a hidroxicloroquina, ele afirmou que está tomando zinco. "Tudo que posso dizer é que, até aqui, pareço estar ok", afirmou o presidente.

Mais Artigos...

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.