Associação perigosa

Cidades
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Vinte e três pessoas foram presas em Niterói na quinta-feira, durante a operação “Dark of the City”, ação conjunta do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, através do Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado, da Corregedoria da Polícia Militar e da Coordenadoria de Inteligência da PM para cumprir mandados de prisão contra policiais, a maioria lotada no 12º BPM (Niterói), acusados de cobrar propina para facilitar a ação de bandidos e de vender armas apreendidas. Poucos meses atrás, o 7º Batalhão (São Gonçalo) também foi alvo de operação mais volumosa, resultando na prisão de quase cem policiais.

Infelizmente, a linha é tênue entre legalidade e o crime, mas não se pode desacreditar o trabalho de toda uma corporação pelo desvio de conduta praticado por alguns. A Polícia Militar é uma instituição que merece o respeito da sociedade e a existência de maus elementos não ofusca sua atuação. Até porque os policiais também são vítimas da criminalidade. Só este ano, lamentavelmente, perto de 120 perderam a vida nas mãos de criminosos. 

A sociedade brasileira assiste atônita, todos os dias, uma sucessão de escândalos em quase todas as áreas e a segurança não fica à parte. Políticos que deveriam dar o exemplo e zelar pelo bem-estar dos cidadãos também aparecem envolvidos nas mais diversas associações voltadas para o desvio de dinheiro, cobrança de propina e criminalidade.  
São fatos que chocam, mas nem por isso deve-se perder o ânimo. O país não vai mudar de uma só vez: o crime terá que ser expurgado lentamente, dia após dia.