Bichos especiais estão à procura de donos incríveis

Cidades
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Ao contrário do que se pensa estes animais podem trazer muita alegria

Foto: Divulgação

Já tradicionais no Campo de São Bento, em Niterói, as feiras de adoção de animais, que acontecem regularmente no local, dessa vez se juntam para uma ocasião mais especial. No próximo domingo (24), de 9h às 15h, a ‘Adote seu Melhor Amigo’, coordenada por Renata Soares e Joana Paes Leme, e a ‘Adotar é o Bicho!’, de Marcelo Pereira, vão disponibilizar cerca de 30 animais, entre cães e gatos, idosos ou portadores de necessidades especiais para adoção responsável.

A intenção dos ativistas e da feira especial é acabar com o preconceito em torno dos animais mais idosos, amputados, sem visão e gatos com FIV (Imunodeficiência felina, ou “Aids”) e FeLV (leucemia felina), que muitas vezes são esquecidos e pouco adotados. Segundo Renata, eles são bichinhos que, para a sociedade, não são animados, não trazem felicidade e não brincam. Situação diferente da que a cuidadora conhece.

“Queremos mudar isso, mostrar que esse animal pode amar e ser amado, correr e pular, como todo animal, ele só precisa de uma chance. Sabemos que eles tem suas limitações, mas podem ter lares dignos e amorosos, não precisam ficar em abrigos e hospedagens”, explica a coordenadora, ressaltando que esses animais, quando bem cuidados, vivem bastante tempo. 

Os bichinhos que ficarão disponíveis para adoção ainda estão sendo selecionados em lares temporários e Ongs da cidade, porém, a expectativa é que cerca de 30 animais participem do projeto. Para quem quiser adotar um cão ou gato, é preciso ser maior de 18 anos e portar carteira de identidade e comprovante de residência. No local, será feita uma entrevista e, se o adotante for selecionado, passa a ser o novo tutor. 

Marcelo, coordenador da ‘Adotar é o Bicho!’, que tem o apoio da Prefeitura de Niterói, ressalta que todos os animais doados na feira serão microchipados, prática que vem acontecendo há cerca de um ano. 

“Assim, se o animal for abandonado e alguém passar o leitor nele, sabemos de quem é através do microchip”.