NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Caminhada pela adoção em Copacabana

Bárbara Toledo aposta nas caminhadas para divulgar a adoção

Foto: Arquivo

No próximo domingo (26), o instituto Quintal de Ana promoverá a sua 10ª Caminhada pela Adoção. O evento acontecerá na Praia de Copacabana, no Rio. A partida será por volta de 9h, no Posto 6 e a chegada será na altura do Copacabana Palace.

“A ideia da caminha surgiu em 2004, quando fizemos em Icaraí. Só que notamos que na cidade do Rio de Janeiro, principalmente em Copacabana, tudo ficaria mais notável, então mudamos para lá. Nosso objetivo é chamar atenção para a necessidade de melhorar leis, atuação do judiciário, do ministério público, do abrigos e secretarias de assistência social para resolverem a questões das crianças sem famílias”, conta Bárbara Toledo, uma das fundadoras do instituto, que ainda fala da dinâmica da caminhada.

“Iremos caminhar panfletando, nos conhecendo e esclarecendo dúvidas para quem estiver por perto. Irão famílias que não tem vergonha de mostrar que são felizes e realizadas. Pais que vão com seus filhos com muito orgulho de falar que eles os adotaram. Mostrando para a população que ainda existem, no Brasil, 40 mil crianças esperando por uma família”, detalha.

O Quintal de Ana foi fundado no ano 2000, por iniciativa do procurador de justiça Sávio Bittencourt e sua esposa, Bárbara Toledo, a partir da adoção de sua filha Ana Laura. O instituto tem como objetivo apoiar as famílias em situação de risco social para o fortalecimento dos vínculos afetivos, estimular a reintegração familiar de crianças e adolescentes institucionalizados, apoiar e orientar as famílias adotivas e pretendentes a adoção e promover a adoção de crianças e adolescentes cujas reintegrações familiares não atendem ao melhor interesse dos mesmos.

Em 2010, a caminhada teve como resultado a criação da primeira frente parlamentar pró adoção, da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), que foi a primeira frente do Brasil, abordando a causa. Segundo Bárbara, por causa frente estadual, também foi criada a frente federal por deputados cariocas em Brasília.

“O deputado de Niterói, Comte Bittencourt, conseguiu a aprovação de uma lei isentando o pagamento de certidões que se pagava em cartórios, para comprovar que a pessoa era idônea. Essa certidão custava cerca de mil reais por pessoa. Era uma despesa muito cara. Outra medida importante foi que, antes, as crianças que ficam nos abrigos não podiam nem ser visitadas ou ter um padrinho, pois muitas vezes os diretores dos abrigos não concordavam com essa ideia. O deputado Comte também aprovou uma lei autorizando e incentivando o apadrinhamento de crianças mais velhas, ou seja, as pessoas veem que adotar crianças mais velhas também é uma ótima escolha”, explica. 



Scroll To Top