NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Dia de retirar o lixo em Copacabana

Garis da cidade do Rio de Janeiro limparam o lixo deixado pelos 2,4 milhões de pessoas que acompanharam a grande queima de fogos na praia de Copacabana

Divulgação

A festa de réveillon na Praia de Copacabana deixou mais de 285 toneladas de lixo, recolhidas por 3 mil garis que se revezaram em uma operação que começou no domingo (31) e terminou segunda (1º) antes das 10h, segundo a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb). O volume é um pouco menor que o do ano passado, quando 290 toneladas de lixo foram retiradas do local após o evento.

Para a festa da virada, que reuniu 2,4 milhões de pessoas, foram colocados cerca de 700 contêineres extras em Copacabana, facilitando o depósito de lixo. Segundo a Comlurb, essas lixeiras ajudaram a reduzir o descarte de grandes volumes nas ruas, como embalagens de gelo e de cerveja, que costumam ser encontradas ao amanhecer na Avenida Atlântica após grandes eventos. 

Em toda a orla da cidade do Rio de Janeiro, foram retiradas das praias 653 toneladas de lixo esta manhã, 100 toneladas a mais que em 2017. A praia carioca com maior aumento da quantidade de lixo foi a da Bica, na Ilha do Governador, na zona norte, que recebeu shows na madrugada. 

Fiscalização – Para manter as praias limpas, equipes da prefeitura estão espalhadas pela orla para multar quem descartar lixo fora do local apropriado. Na temporada de verão, banhistas acabam deixando nas areias e no calçadão latas de cerveja, bitucas de cigarro e muitas garrafas PET. A multa para esse tipo de infração é de pelo menos R$ 170 e é aplicada por equipes do programa Lixo Zero.

Antes da virada, como forma de chamar atenção, a Comlurb aplicou 38 multas de até R$ 200 reais em Copacabana para quem descartou lixo no chão. Apesar das autuações, o presidente da Comlurb, Rubens Teixeira, avalia que as pessoas estão mais conscientes e até levam o lixo para descartar em casa quando não encontram lixeiras. “Houve uma percepção da equipe que, realmente, houve uma redução, geral, no volume de lixo”.

A fiscalização foi feita na orla e também no Terreirão do Samba, no centro, onde o tradicional bloco de carnaval Cordão da Bola Preta comemora seus 100 anos de fundação.

Segurança reforçada na chegada de 2018

A Polícia Militar do Rio de Janeiro mobilizou 1.822 policiais para garantir a segurança durante o réveillon de Copacabana. Este número se refere ao policiamento ostensivo ao longo da orla. Somados aos que atuam na Corregedoria e na Coordenadoria de Inteligência e no Estado-Maior Geral, o efetivo supera 1,9 mil policiais. O réveillon contou com 2,4 milhões de pessoas.

Também foram disponibilizadas para o esquema de segurança 64 viaturas, além de motos, cães e cavalos. Na orla de Copacabana, foram instaladas 30 torres de observação, sendo 15 na areia e 15 no calçadão.

Do Centro Integrado de Comando e Controle Móvel (CICC), o acompanhamento será feito em tempo real por meio de imagens geradas por câmeras fixas como de um helicóptero que fará a patrulha em diferentes pontos da cidade.

Embora a Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (Riotur) estime a presença recorde de 3 milhões de pessoas no réveillon de Copacabana, o número de policiais militares (PM) fardados na orla será menor do que no ano passado. Na virada de 2016 para 2017, foram mobilizados 1.910 PMs.

Em todo o estado, no entanto, o efetivo será 19,6% acima ao que foi empregado na virada para 2017. Ao todo, são 12.752 policiais e 1.393 viaturas atuando desde as 8h desta segunda (31). Além da orla da cidade do Rio de Janeiro, há também atenção especial nas praias de Niterói, e das cidades da Região dos Lagos e do litoral sul fluminense, entre elas, Angra dos Reis. 

De acordo com a PM, para arregimentar o efetivo foi preciso suspender férias e realocar policiais lotados em atividades administrativas. Estas medidas teria permitido um acréscimo de 6.363 policiais. “A suspensão de férias e a realocação de efetivo que trabalha em atividade-meio em unidades administrativas e operacionais são procedimentos normais adotados pela Corporação para atender situações especiais, como Réveillon, Carnaval e outros grandes eventos”, disse o coronel Luís Henrique Marinho Pires, chefe do Estado Maior Operacional da PM.

A Guarda Municipal também atuará com efetivo reforçado em Copacabana. Estarão nas ruas 932 guardas. Entre suas atribuições estão a fiscalização dos bloqueios, a organização do trânsito e a garantia do ordenamento urbano, impedindo por exemplo a instalação de estruturas ilegais. Ele também podem coibir furtos e roubos. Com auxílio da tecnologia, também será realizado um vídeo patrulhamento ininterrupto.

Em vídeo postado nas redes sociais pela prefeitura do Rio de Janeiro, o inspetor Carlos Cristo, subdiretor de operações da Guarda Municipal, recomendou que as pessoas não levem garrafas de vidro para a praia, evitem deixar celulares nos bolsos de trás e ande com mochilas viradas para a frente. “O público estimado é de 3 milhões. Então, é uma massa e nem sempre é possível impedir infrações em meio a toda essa gente”, disse. 

Saúde – Para o atendimento de pessoas com problemas de saúde, foram instalados quatro postos médicos localizados na altura da Praça do Lido e nas ruas Bolívar, Santa Clara e República do Peru. Além disso, 38 ambulâncias estarão espalhadas ao longo da orla. Maqueiros também atuarão no auxílio das pessoas que não se sentirem bem. No último réveillon, foram feitos 860 atendimentos e 58 foram removidos para os hospitais.

Scroll To Top