NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Endividamento atinge 1,4 milhão de famílias no Rio

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC RJ) mostra que o percentual de famílias endividadas no mês de abril apresentou o segundo aumento consecutivo e atingiu o nível de 60,7%, um acréscimo de 1,3 ponto percentual frente a março. Na comparação com abril de 2018, foi observado uma queda de 1,1 ponto percentual. 

A percentagem de endividados continua a oscilar dentro da faixa de 1,5 ponto percentual desde maio de 2018, depois de ter iniciado trajetória de queda em janeiro do mesmo ano. Observou-se que a proporção de famílias endividadas entre aqueles que ganham até dez salários mínimos (65,8%) é 61,7% superior à proporção de famílias endividadas no grupo que possui renda maior que dez salários mínimos (40,7%). 

Dentre os endividados, 74,8% afirmaram que tem dívidas com cartão de crédito, o que equivale a um contingente de famílias cinco vezes superior ao volume de entrevistados com dívidas no crédito pessoal (13,5%), segunda maior modalidade de endividamento registrado em abril de 2019. 

Entre as famílias endividadas, o percentual de inadimplentes subiu para 26,8%, terceiro aumento consecutivo. Em última análise, a diferença entre o percentual de famílias endividadas e os inadimplentes aponta para duas direções: as famílias não tomam empréstimos no montante suficiente para pagar as contas em atraso ou se endividam para consumir mais. 

O contingente de famílias que revelou não ter condições de pagar as contas em atraso atingiu 13,2% em abril de 2019, terceira subida sucessiva. O valor é igual ao observado no mesmo período do ano passado. Aqui também se nota que a proporção de famílias que não terão condições de pagar suas contas entre as famílias que ganham até dez salários mínimos (15,8%) é aproximadamente três vezes superior a proporção de famílias que não terão condições de pagar suas contas entre as famílias que ganham mais de dez salários (5,2%). 

O levantamento também analisou o tempo que as famílias, com contas em atraso, demoraram além do prazo para quitá-las, em abril de 2019 foi de 63,6 dias, contra 61,2 dias em março do mesmo ano e 65,1 dias em abril de 2018. 

Empréstimos  

Em abril de 2019, os tomadores de empréstimo alongaram o prazo para pagamento da dívida. Na média, os agentes econômicos carregaram suas dívidas por 7,4 meses, cerca de seis dias a mais que o observado no mês anterior. Os tomadores de empréstimo tinham, em abril deste ano, 28,1% de sua renda comprometida com o pagamento da dívida, 0,5 ponto superior ao mês de março e 1,6 ponto percentual inferior a abril de 2018. 

Scroll To Top