Metalúrgicos ganham a BR-101

Cidades
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Cerca de 50 manifestantes fecharam parcialmente a Avenida do Contorno na manhã desta quarta-feira

Foto: Evelen Gouvea


Uma manifestação de metalúrgicos tomou parte da pista sentido Rio da avenida do Contorno, no Barreto, na manhã desta quarta-feira (06). Por volta de 8h, cerca de 50 manifestantes se reuniram em frente ao Estaleiro Aliança, cobrando melhores condições de trabalho e protestando contra o corte de quase 80% do pessoal em diversos estaleiros da Zona Portuária de Niterói. 

O soldador Paulo Roberto Galdino era funcionário da Eisa Petro-Um e faz parte da massa de mais de três mil trabalhadores demitidos há cerca de um ano. Ele disse que ainda aguarda o pagamento de indenizações de dívidas trabalhistas. “Aqui estão várias categorias reivindicando emprego. E queremos que as nossas indenizações sejam pagas”, exigiu. 

O maçariqueiro Hugo Antônio era colega de Paulo no estaleiro de Niterói. Assim como Hugo, está há mais de um ano desempregado, e se juntou aos colegas em situação de desemprego ou em más-condições de trabalho. “Minha filha me pediu um lápis outro dia e eu não tinha como pagar. Estamos a procura de emprego, levando currículo e não conseguimos de jeito nenhum”, lamentou.  

Devido ao fechamento das vias por mais de uma hora, a BR-101 chegou a ter sete quilômetros de engarrafamento, com o trânsito chegando até o bairro do Gradim, em São Gonçalo. No começo da tarde, o grupo se reuniu em frente à Candelária, no Centro do Rio, para manifestação que seguiu até a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.