NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Niterói expõe a carga tributária

Carros fizeram fila para abastecer mais em conta

Evelen Gouvêa

Niterói foi uma das cidades que teve ontem o “Dia Livre de Impostos”. A campanha foi uma iniciativa da Confederação dos Dirigentes Lojistas (CDL) e consistiu em os comércios praticarem preços aos clientes excluindo o valor cobrado em tributos. Em um posto de gasolina, localizado na esquina da Avenida Roberto Silveira com a Rua Domingues de Sá, cujo preço normalmente é de R$ 4,99, o litro foi vendido a R$ 2,89. O valor excluía todos os impostos, sendo cobrado somente pelo produto. Neste mesmo posto, a quantidade de gasolina destinada ao lote promocional acabou em poucas horas pela manhã.

Segundo a organização, os 3 mil litros de combustível destinados à campanha foram insuficientes para atender à demanda. O proprietário do posto, Pablo Abreu, liberou mais 6 mil litros de gasolina para o “Dia Livre de Impostos”, além disso, a unidade, que faz parte da Rede Osórios, passou a dedicar todo seu efetivo para a campanha, abdicando do funcionamento normal.

“A alta carga tributária prejudica o comércio, pesa no bolso do consumidor e a venda automaticamente cai. [A redução da carga tributaria] é uma engrenagem, no momento em que você mais vende, mais contrata e o empresário investe mais. A gente abraçou essa ideia e está aí o resultado”, disse Pablo.

De acordo com Fabiano Gonçalves, vice-presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL), a ação é um protesto contra a alta carga tributária praticada no Brasil. “A gente quer conscientizar o cidadão brasileiro da alta carga tributária que temos hoje no Brasil. A gasolina sofre uma das mais sensíveis variações de preço. As pessoas, em uma campanha dessa, conseguem ter uma percepção clara do quanto pagam de imposto no produto”, relatou.

Ainda segundo Fabiano, o preço da gasolina praticado é o mesmo de 2011, ou seja, quase 10 anos atrás. Para ele, não foram feitos os esforços necessários nesse período para que a carga tributária não chegasse a um valor tão alto.

“Nós tivemos, ao longo desses anos, um aumento significativo no custo, também por causa da variação cambial e também por causa do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), principalmente no Estado do Rio de Janeiro. Hoje nós pagamos um dos maiores ICMS do Brasil, e isso vai para o preço [do combustível]”, concluiu.

Vice-presidente da FCDL, Fabiano Gonçalves, lembrou que a ação é um protesto contra os altos impostos

Evelen Gouvêa

Por volta de 7h, já havia mais de 50 carros esperando para abastecer, sendo que a ação começaria somente às 9h. A fila chegava próximo ao túnel Raul Veiga. A espera chegou a marcar cerca de 20 minutos. Para desafogar o trânsito, o posto atendeu aos primeiros carros da fila para, no horário original, retomar o atendimento, que se estendeu até durar o estoque de 6 mil litros de gasolina. Agentes da NitTrans auxiliam o trânsito no local.

Motoristas de várias partes da cidade chegaram cedo para aproveitar o desconto. Alguns ficaram surpresos ao descobrir que o valor da gasolina, em tese, não é tão alto, mas o que tem peso maior é o imposto cobrado.

“Vim aproveitar os descontos. Moro em São Francisco e fiquei sabendo pela televisão. A gente descobre a gasolina não é tão cara, o que pesa em o imposto”, disse o autônomo Pedro Vinicius, de 53 anos.

A quantidade que cada motorista pôde abastecer foi de cerca de 17 litros, ou seja, cerca de R$ 50 se for considerado o litro a R$ 2,89. Na cotação atual, com o litro a R$ 4,99, o valor total chegaria próximo aos R$ 100.

Outras lojas também aderiram ao “Dia Livre de Impostos” e praticaram preços mais acessíveis à população. O Plaza Shopping, no centro da cidade, aderiu à campanha pela primeira vez e suas lojas estarão praticando descontos até domingo.

Na loja O Boticário, localizada no segundo piso, alguns produtos chegaram a sair com 70% de desconto. Uma unidade de 100 ml da Colônia Linda Summer, por exemplo, de R$ 125,90 estava sendo vendida por R$ 37,77.

Na loja das Drogarias Pacheco, que fica no mesmo shopping, remédios para controle de pressão também estavam sendo vendidos a preços mais baixos. A caixa de Losartana, que, normalmente, é vendida a R$ 14,00 estava por R$ 8,50. Já a Hidroclotiazida de R$ 5,00 estava saindo por R$ 3,42.

Além destes, os estabelecimentos estavam com diversos produtos com preços mais baixos em razão do “Dia Livre de Impostos”.

Brasil – Cidades de todo o Brasil também estão aderindo ao “Dia Livre de Impostos”. Até o momento, de acordo com a CDL, participam da campanha 24.478 lojas de 141 municípios em 19 estados.

Segundo a organização, pelo menos 70 lojas, em Niterói, venderam seus produtos sem impostos. No Estado do Rio de Janeiro, o número chegou próximo a 500 estabelecimentos que aderiram ao “Dia Livre de Impostos”.

Scroll To Top