NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Protestos tomam Centro do Rio

Cortes na Educação também foram criticados pelos manifestantes que ocuparam ruas no Centro do Rio de Janeiro

Reprodução/Asduerj

Diversos atos e manifestações em todo o país se posicionaram contra os cortes de verbas das universidades e institutos de educação federais, além de colégios secundários de aplicação do Governo Federal, anunciado em abril pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, atingindo primeiramente três universidades federais, entre elas a Universidade Federal Fluminense (UFF), e contra a aprovação da Reforma da Previdência proposta pelo governo do presidente Jair Bolsonaro e que tramita em Brasília.

A maior ação de sexta-feira ocorreu no Centro do Rio de Janeiro, onde os manifestantes se concentraram por volta das 15h nas proximidades da Igreja da Candelária. A manifestação seguia de forma pacífica e sem nenhum registro de confusão, mas quando se encaminhava para o fim, pouco depois das 19h, policiais e entraram em confronto com um grupo de grupo de manifestantes mais exaltados que estavam próximos da Central do Brasil. Os PMs atiraram bombas de efeito moral e os manifestantes jogaram fogos de artifício contra os policiais. Houve correria e algumas pessoas ficaram levemente feridas. Uma criança chegou a passar mal com os efeitos do gás.

Por conta da manifestação, a Prefeitura do Rio interditou pistas da Avenida Presidente Vargas e alterou o funcionamento das linhas do VLT.

Ponte – Pela manhã o trânsito ficou congestionado na Ponte Rio-Niterói e nos acessos por conta de manifestantes que obstruíram a passagem dos veículos o tempo de travessia atingiu 1h16, com reflexos na BR-101 e em vias de Niterói.

Na  pista lateral da Avenida Brasil, em frente ao Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), no Caju, uma pista também foi fechada. Por conta do bloqueio, motoristas precisaram seguir pelo Elevado do Gasômetro, formando uma fila de carros e ônibus. Manifestações assim ocorreram em diversos pontos Rio de Janeiro e do país.

Cortes – Segundo o Ministério da Educação (MEC), o bloqueio se deve a restrições orçamentárias impostas a toda a administração pública federal em função da crise financeira e da baixa arrecadação dos cofres públicos. O bloqueio de 30% dos recursos, inicialmente anunciado pelo MEC, diz respeito às despesas discricionárias das universidades federais, ou seja, aquelas não obrigatórias. Se considerado o orçamento total dessas instituições (R$ 49,6 bilhões), o percentual bloqueado é de 3,4%.

Atropelamento durante manifestação em Niterói


Ao menos cinco pessoas foram atropeladas ainda nos primeiros minutos de uma manifestação nesta sexta-feira (14), próximo ao Hospital Universitário Antonio Pedro (Huap), no Centro de Niterói.

Os manifestantes estavam concentrados na Avenida Marquês do Paraná quando um Fox vermelho, saiu em alta velocidade da Rua Dr. Djalma Dutra, em direção à Rua Princesa Isabel, atropelando as pessoas que seguravam faixas do protesto.

Segundo o Corpo de Bombeiros, as equipes de socorro foram acionadas pouco depois das 7h. Duas professoras, sendo uma da Universidade Federal Fluminense (UFF) e outra da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e dois estudantes da UFF foram atingidos.

As professoras feridas foram socorridas e levadas ao Hospital de Icaraí, no Centro, e os estudantes foram levados para o Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), no Fonseca.

A professora da UFRJ foi examinada e liberada com ferimentos leves, assim como os estudantes. Já a professora da UFF foi diagnosticada com fratura em uma das pernas e segue internada na unidade de saúde.

De acordo com Pedro Rosa, diretor do Sintuff, o motorista já foi identificado e será denunciado. “Um homem com um carro atingiu duas professoras e uma delas teve fraturas nas pernas. Já anotamos a placa, identificamos e vamos correr atrás”, relatou.

Em nota veiculada em uma rede social, a Associação dos Docentes da Universidade Federal Fluminense (Aduff) repudiou o ato contra os manifestantes.

“ ... é inaceitável ações violentas como o atropelamento durante uma manifestação pacífica, na qual, afirmaram, o que se defende é o direito à vida com dignidade, com direito à Previdência e à educação”.

Carro encontrado - Após informações do Disque Denúncia, equipe do 7º BPM (São Gonçalo) localizou na Avenida Jornalista Roberto Marinho, 255, no bairro Colubandê, o auto Fox vermelho envolvido no atropelamento O motorista não foi encontrado. (Victor D'Ávila e Anderson Justiço)



Scroll To Top