Réveillon terá arco-íris em Icaraí

Cidades
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

As cinco balsas estão passando por manutenção como solda e pintura

Foto: Evelen Gouvêa

A tradicional queima de fogos da Praia de Icaraí durante a virada de Ano Novo já está sendo preparada. Cinco balsas, que passam por manutenção como soldas e pinturas, no Estaleiro Dialcar Serviços Marítimos, na Ilha da Conceição, serão responsáveis por carregar as 11 mil bombas utilizadas para o show pirotécnico que terá duração de 15 minutos. Neste ano, segundo o responsável pelo espetáculo, a inovação que surpreenderá quem estiver curtindo o Réveillon da cidade será o surgimento de arco-íris no céu.

A infraestrutura do show começará a ser montada após o dia 18, quando a Capitania dos Portos finaliza vistorias que determinam se as balsas estão aptas para uso. Após, a Domberg Shows Pirotécnicos, responsável pelo espetáculo pirotécnico de Niterói desde 1991, estará liberada para a montagem do equipamento. A estimativa é que a estrutura de 11 mil bombas, divididas em três grandes balsas e duas pequenas, fique pronta em 10 dias. Segundo Arthur Domberg, responsável pela equipe, uma inovação no lançamento das bombas está sendo preparada. Nos 15 minutos de espetáculo, um arco-íris será formado no céu.

“O show está terminando de ser preparado. Temos um simulador onde programamos a apresentação e depois criamos o cronograma com impressões que o sistema cria. Usamos um sistema que dispara a queima de fogos via rádio e satélite, o que evita um possível boicote. Ano após ano, tentamos superar o show anterior, que neste caso, foi considerado o melhor de todos”, comentou, completando que tudo está sendo preparado com carinho para os niteroienses e turistas que apreciarão a queima de fogos.

Shows – Além do espetáculo pirotécnico no céu de Icaraí, as areias da praia também recebem atrações. A noite será comandada pela banda Skank, que será a atração principal do evento, que também prestigia artistas locais, como os jovens do projeto More e as bandas Bicho Solto e JPG.