NITERÓI/RJ
Min:   Max:

RJ-106: 23 novos radares começam a operar

Alguns dos aparelhos ao longo da via já registravam a velocidade antes da data, mas segundo o DER, estavam em teste

Evelen Gouvêa

Parte dos radares da RJ-106 começam a operar neste sábado (11). Um novo lote de aparelhos aptos a realizar fiscalizações foi divulgado nesta sexta-feira (10) pelo Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (DER), incluindo 23 equipamentos  de Saquarema a Cabo Frio. A RJ-104, que também teve aparelhos instalados, ainda não tem funcionamento previsto. 

Outros pontos serão na RJ-102, são dois pontos em funcionamento, na Praia Rasa, em Búzios; na RJ-124 A1, são 5 radares, em Araruama; na RJ-138, são 3 pontos, também, em Araruama; e, na RJ-140, são 11 pontos, do Foguete, em Cabo Frio, até São Pedro da Aldeia.

Os radares já estavam sendo instalados desde o início do ano. Porém, no fim do mês passado, um equipamento no sentido Niterói, na altura do bairro Rio do Ouro passou a registrar no visor digital, confundindo motoristas. Na ocasião, o DER explicou que o aparelho estava em teste e, portanto, não poderia realizar notificações. Nesta semana, aparelhos no bairro Arsenal e na localidade conhecida como Serra do Calaboca também já estavam registrando.

Tido por moradores como uma área de risco para pedestres e motoristas por conta da dificuldade de travessia, o trecho do bairro Rio do Ouro, já começou a registrar redução na velocidade dos veículos. Segundo os moradores, motoristas que trafegam pelo local se assustam com a marcação no visor digital. Comerciante no local, Alex Rodrigues, de 43 anos, diz que foi perceptível a redução no número de acidentes.

“Eram no mínimo três por dia. O aparelho começou a marcar, mas não recebemos nenhum aviso. Mesmo assim, muitos condutores já diminuem a velocidade e não arriscam a receberem a multa”, contou, completando que o ideal para garantir a segurança dos moradores seria a instalação de traffic calming.

Os radares de velocidade foram removidos após o fim do contrato entre o Governo do Estado e a empresa responsável pelos equipamentos há dois anos e, recentemente, reinstalados em diferentes pontos de ambas as rodovias (RJ-104 e RJ-106). No início do mês, o DER-RJ havia informado que não seria emitido nenhuma notificação de autuação nos trechos, pois os equipamentos - 33 no total - da região ainda estavam em teste.

No início deste mês, o órgão divulgou um primeiro lote, com 43 novos radares, que começaram a operar nas rodovias estaduais do Rio. Foram incluídas a RJ-116 (que liga Itaboraí a Itaperuna), a RJ-122 (de Cachoeiras de Macacu a Guapimirim), a RJ-130 (que liga Teresópolis e Friburgo), a RJ-174 (que une as cidades de Santa Maria Madalena e Trajano de Morais), a RJ-182 ( de Carapebus até Santa Maria Madalena) e a RJ-186 (com início em Bom Jesus do Itabapoana e término em Santo Antônio de Pádua).

Os equipamentos de fiscalização eletrônica de velocidade, para efeito de penalidade, fiscalizarão as rodovias, diariamente, das 6h às 22h, seguindo a nova legislação.
 

DER rebate crítica ao impacto ao fluxo de turistas


Na última quarta-feira (8), as Comissões de Transportes e de Turismo da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) ouviram os representantes do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-RJ) e do Instituto de Pesos e Medidas (Ipem-RJ) sobre o que eles consideram o número excessivo de radares nas rodovias estaduais de acesso à Região dos Lagos.

Segundo o presidente da Comissão de Turismo, deputado Welberth Rezende (PPS), a implantação desses pardais têm impacto na redução do fluxo turístico, e muitos estão localizados em áreas consideradas de risco, com um alto índice de criminalidade. As comissões também querem um estudo técnico dos órgãos responsáveis que justifiquem a instalação dos redutores de velocidade, bem como entender e discutir como é feita a homologação, aferição e os laudos dos equipamentos.

Questionada sobre o assunto, o DER respondeu que prestou todos os esclarecimentos aos parlamentares e que a informação de que existem 99 radares sendo instalados entre Niterói e Macaé, incluindo as rodovias da Região dos Lagos, não é verdadeira. O departamento ressaltou que utiliza somente radares portáteis quando realiza operações na Via Lagos, em geral às vésperas de feriados prolongados.

O órgão ainda informou que apenas realizou a substituição de radares antigos por aparelhos com tecnologia nova e mais moderna e que todos os trechos foram sinalizados com placas de velocidade máxima permitida.

 

 
Scroll To Top