NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Simulação de deslizamento mobiliza moradores do Boavista

Treinamento no Boavista incluiu toque de sirene e socorro simulado de uma vítima de deslizamento

Foto: Marcelo Feitosa

Moradores do Morro Boavista, no bairro São Lourenço, participaram na manhã deste sábado (28), do simulado de prevenção a desastres como enchentes e enxurradas. O treinamento foi promovido pela Defesa Civil de Niterói e contou com a participação de quase 50 pessoas, entre adultos e crianças. Segundo o vice-prefeito de Niterói, Axel Grael, que esteve no local, esse foi o primeiro teste realizado naquela comunidade, visando as fortes chuvas de verão. “Várias comunidades de Niterói já receberam essas sirenes de emergências. Em cada um delas, nós temos uma equipe de moradores que já está preparada para agir em caso de desastre. Um evento como esse é muito importante para alertar alguns moradores a maneira correta de agir”, explica Grael, garantindo que os moradores das localidades onde ocorreram os simulados estão preparados. “Eventos climáticos podem ser antecipados através do trabalho realizado por meteorologistas. O problema é a intensidade e a severidade desses eventos. O importante é que as pessoas estejam preparadas para isso e garantam a segurança de seus familiares”, acrescenta.

Foi simulada também uma situação de atendimento de vítimas por parte do Samu

Foto: Marcelo Feitosa

A atividade começou às 10 horas, quando um alarme de alerta foi acionado, simulando um deslizamento na comunidade e indicando que os moradores precisavam deixar suas residências em locais de risco. Todos foram obrigados a seguirem para a sede da associação dos moradores onde todos os funcionários da Defesa Civil realizavam uma espécie de cadastros de simulação de desabrigados. “Em 2010, houve deslizamento nessa comunidade, onde duas pessoas morreram, dezenas ficaram desabrigadas e precisaram se cadastrar no aluguel social. Esse cadastro serve para isso”, explica um agente da Defesa Civil.

Na simulação, enquanto moradores se deslocavam para o local de encontro, uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) fazia o resgate de uma vítima. A Defesa Civil informou que o alarme pode ser acionado direto de uma central onde funcionários do órgão estão em alerta 24 horas ou, manualmente, por moradores da comunidade. “Outros simulados serão realizados em outras comunidades”, disse o vice-prefeito.

Scroll To Top