NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Amizade que ocorre dentro e fora dos palcos

Arthus Fochi leva ao palco o álbum “Arthus Fochi e os Botos da Guanabara”

Divulgação

O projeto Música Livre busca trazer diversos gêneros musicais para a noite niteroiense. Nesta edição, o Teatro da UFF recebe amanhã (18), a partir das 20 horas, os músicos Ivo Vargas e Arthus Fochi para a apresentação de seus trabalhos autorais em um espetáculo repleto de emoções. 

Em um show de voz e violão, Ivo Vargas lança o repertório do seu primeiro disco “Atalaia”, álbum com previsão de lançamento ainda para o segundo semestre, além de cantar algumas do segundo disco que está em processo de criação. Seu trabalho autoral em Atalaia consiste numa mistura das influências musicais, como Beethoven, Legião Urbana, Los Hermanos e Milton Nascimento, sem um único estilo.

“A maioria das músicas desse disco foi feita na minha viagem para a Europa, onde fiz uma turnê em 2017/2018. O Atalaia tem essa cara mais moderna, muito puxado para o folk. E esse show no Teatro UFF é muito importante para mim, porque é a primeira apresentação do meu primeiro disco”, conta Ivo.

Cantor, compositor e intérprete, Ivo é conhecido por seu trabalho em quatro projetos, na banda Giras Gerais; Gilberto e seus Caetanos, onde faz releituras de canções de Gilberto Gil e Caetano Veloso; no duo Dois Varguinhas, que tem com sua irmã, Júlia Vargas, e RioRosa, um trabalho itinerante que se estende para o mundo, já tendo se apresentado no Brasil, Argentina, Chile e Uruguai.

Fechando a noite, o músico Arthus Fochi leva ao palco o álbum “Arthus Fochi e os Botos da Guanabara”, que foi gravado no Barbatana, um estúdio gravadora que funciona na Babel, uma ocupação artística em Icaraí. Segundo Arthus, foi um show realizado com um quê de improviso e um repertório com letras mais surreais e um conteúdo mais político. Ele conta, ainda, que o público pode esperar um show lúdico, com muita poesia e reflexão.

Com a participação e intervenção poética do Coletivo Niteroiense de Poesia: Laboriosa, o show apresenta também canções inéditas e outras já lançadas no projeto Ano Sabático, no qual gravou junto a nomes como Chico Chico, Fred Ferreira, Livia Nestrovisk, Déa Trancoso, e Júlia Vargas. 

“O Ano Sabático veio de uma vontade de encontrar parceiros não só durante o lazer e a noite urbana, de encontros casuais. Quis estabelecer um recorte e um mapeamento de quem anda fazendo e valorizando um trabalho autoral que é a nova música brasileira. Esse projeto rendeu bons frutos e a ideia é fazer mais um disco: o Ano Sabático 2”, afirma Arthus.

Ivo Vargas e Arthus Fochi são amigos de longa data e, desta amizade, nasceu a parceria na música “Negra Mata”. Além disso, Arthus é um dos envolvidos na produção do disco “Atalaia”. 

por Mariana Falcão


Scroll To Top