NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Catadora de latas vai lançar livro na Bienal

Débora Moreno com os bonecos Lolita e Tobias, personagens de seu livro “Lolita”

Divulgação

A Esperança vem do lixo! A catadora de latinhas, Débora Moreno, moradora do Morro do Estado, em Niterói, com muita superação, realizou o sonho de se tornar uma escritora e lançará seu mais novo livro na Bienal do Rio de Janeiro.

A niteroiense, de 44 anos, que já tem nove obras publicadas, fará o lançamento de seu primeiro livro infantil “ Lolita, braço de fita” no dia 5 de setembro. Segundo ela, o novo lançamento será importante para desenvolver a autoestima dos leitores.

“A importância de lançar este livro pela primeira vez na Bienal do livro é gratificante para mim. E Lolita é uma história de superação muito importante, já que ela sempre ajuda seu amigo Tobias, que duvida da capacidade dela. Acredito que essa obra tenha muito a contribuir com autoestima de muitos, assim como a minha história de vida”. comentou.

E a paixão de Débora pelos livros começou quando ela era apenas uma criança, e aos 7 anos de idade ela já havia criado seu primeiro poema, “O peixinho”.

Apesar do talento se manifestar desde bem jovem, as dificuldades financeiras e os imprevistos da vida impediram que ela focasse em seu sonho. A escritora teve que começar cedo a ajudar a família catando latinhas na rua para auxiliar na renda de casa, e ainda enfrentou o desafio de criar um filho sozinha. Só aos 35 anos, Débora conseguiu publicar seu primeiro livro “Sapatos do tempo”.

Débora com o figurino que utiliza em suas apresentações

Divulgação

A obra foi o pontapé inicial para que ela conseguisse publicar mais oito livros, todos financiados por ela mesma. Há três anos ela sobrevive com o que ganha contanto essa e outras histórias, de personagens que ultrapassam todas as barreiras e conseguem coisas que pareciam impossíveis.

“Além dos meu livros faço teatro, declamação de poesias, palestras motivadoras e levo o entretenimento para vários lugares. Posso dizer que meu foco principal é a escola. Acredito que a formação de um cidadão é a união da família com a escola. Tudo começa bem quando o alicerce é forte. E esta união é a base pra vida.” disse

Débora ainda leva para os eventos as latinhas que foram fundamentais para que ela atingisse seus objetivos. Elas se tornaram uma capa que serve de figurino para suas apresentações em centros culturais, de eventos e em escolas públicas, simbolizando a marca de sua luta até atingir sua meta.

Scroll To Top