NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Cinema da pluralidade no Rio de Janeiro

O curta-metragem “O Barraco”, do diretor Tiago Neves, será exibido na mostra “Curta Rio”

Foto: Divulgação

Após passar por São Paulo e Brasília, a 18ª edição da Mostra do Filme Livre chega ao Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro, com abertura oficial nesta quarta (8), às 19h, no Cinema 1 do espaço.

A mostra tem o objetivo de revelar ao público o que tem sido produzido sem verbas públicas ou grandes patrocínio no contexto cinematográfico brasileiro. Este ano - quando a mostra completa sua maioridade - serão exibidos 155 filmes de todos os formatos e gêneros, até dia 3 de junho. O curador Guilherme Whitaker explica que é a primeira vez que a mostra não começa no Rio de Janeiro, cidade de sua primeira edição, que aconteceu há 17 anos, em 2002. 

“Em todos os anos anteriores, a mostra começava no Rio e, depois, ia para outros lugares. Este ano, foi a primeira vez que começamos em São Paulo, partimos para Brasília e, agora, estamos vindo para o Rio. Estou muito animado porque em São Paulo foi um sucesso, em Brasília está seguindo e o Rio é onde nascemos; é nossa casa. A maioria dos filmes que estão na mostra são do Rio, então estamos focados para fechar essa maratona aqui”, comenta Guilherme, que também é idealizador da MFL

As exibições serão distribuídas entre as mostras “Panorama Livre”, “Longa Livre”, “Território” - competitivas -, “Especial Bressane” - especial com dois filmes novos de Júlio Bressane -, “Sessão Autoria”, “Mundo Livre”, “Questão de Gêneros”, “Biografemas”, “Pílulas”, “Caminhos”, “Mostrinha Livre”, “Curta Rio”, “Coisas Nossas” e “Cabines Livres” - não competitivas. 

Essa edição acontece em memória de Geraldo Veloso, Ricardo Boechat e Geneton Moraes Neto, que será homenageado com uma mostra especial composta de nove filmes restaurados pela Cinemateca Pernambucana, instituição do estado natal do cineasta. Além de Geneton, quem também ganhou uma mostra especial foi o cineasta mineiro Sylvio Lanna, ícone do chamado “Cinema Marginal”. 

Mas nem só de exibições é composta a Mostra do Filme Livre. Também acontecem debates, palestras, oficinas e o curso “Distruktur”, ministrado por Gustavo Jahn entre os dias 17 e 19. 

Um especial com dois filmes novos de Júlio Bressane traz “Sedução da Carne”

Foto: Divulgação

Guilherme, que faz a curadoria ao lado de Gabriel Sanna, Diego Franco e Scheilla Franca, aponta que para além de divulgar o cinema independente, a mostra procura revelar filmes que inovam em termos de linguagem cinematográfica.
“Há 18 anos, o conceito é o mesmo: a valorização de filmes feitos por conta própria, de forma independente, além de buscar filmes de linguagem algo mais original do que o ‘lugar-comum’ narrativo. A essência é essa”. 

O CCBB-RJ fica na Rua Primeiro de Março, 66, no Centro do Rio. Até 3 de junho. A programação completa pode ser conferida no site www.mostralivre.com. Entrada franca. Telefone: 3808-2007. 




Scroll To Top