Oriente em novo álbum

Entretenimento
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Oriente é formado por Nobru (violonista), Chino (MC e vocalista), Nissin (MC e vocalista) e Geninho (beatbox)

Divulgação

Após três anos de espera, o grupo de rap Oriente finalmente lança seu novo álbum, “Yin Yang”, um trabalho que traz participações de peso como Zeca Baleiro, Toni Garrido, Criolo, KL Jay, Daniel Profeta, Rebeca Sauwen, Pedro Qualy e Self Provoked. 

“As participações não foram pensadas juntas e não foi feito uma manobra para isso. Os convites surgiram organicamente. As pessoas que participam do novo álbum estão nas nossas vidas há muito tempo. E quem não fazia parte da nossa convivência, como Zeca Baleiro e Toni Garrido, passaram a fazer parte da nossa história. São artistas que o Oriente sempre admirou”, afirma Geninho, beatbox da banda. 

Além do beatbox, o grupo é formado pelos MCs Chino e Nissin,  e o violinista clássico Nobru. O Oriente nasceu em 2009, em batalhas de rima em Niterói, e estreou com o primeiro álbum em 2011. Lançado de forma independente, “Desorientado” apresentou o sucesso “O Vagabundo e a Dama” e foi seguido por dois álbuns, que já renderam ao Oriente mais de 350 milhões de visualizações no YouTube. 

“Yin Yang” é o primeiro lançamento do grupo como parte do cast principal da Sony Music. O projeto conta com 14 faixas, incluindo inéditas e sucessos já conhecidos do público.  

“Nesse meio tempo – entre o disco “Desorientado” e o “Yin Yang” – teve o acústico, que demandou um período de trabalho longo devido ao sucesso. O hiato não ocorreu porque a gente quis ou esteve parado. Foi necessário. O Yin Yang veio depois do rap ter passado por várias barreiras. O tempo de aceitação já foi, e agora tem até rap tocando em trilha de novela”, ressalta Geninho. 

Com capa assinada pelo designer Guilherme Sevens e foto de Marcos Hermes, o segundo álbum de inéditas do grupo fluminense chegou ao mercado fonográfico em 1º de setembro. 

“‘Sevens’ é uma parceria que surgiu por uma indicação de um amigo nosso. Ele veio para agregar e finalizar o ótimo trabalho que o fotógrafo Marcos Hermes tinha feito. O álbum será lançado em formato físico em outubro e o público também vai poder conferir mais deste trabalho no encarte”, revela o músico. 

Junto ao lançamento, o quarteto também lança o clipe de “Fugir com o Sol” – que já estreou nas rádios brasileiras com participação de Carol Nakamura. 

Além da música de trabalho, a banda já havia apresentado ao público “Linda, Louca e Mimada” e “Vagabundo é Foda”, que somam mais de 11 milhões de visualizações nos clipes oficiais, além dos singles “Essa eu fiz pra você”, “R.A.P.”, “Oriente-se” (com Criolo) e “Isso é Rap”, que ganhou videoclipe com participação de alguns dos maiores nomes da cena rap do Rio de Janeiro e de São Paulo. 

O álbum “Yin Yang” passeia por uma diversidade de temas. Resistência e poder em “R.A.P” e “Isso é rap”, que reverencia o gênero e a chamada velha escola. A fase hardcore, em músicas que carregam uma batida orgânica e guitarras pesadas, passa por faixas como “Sutil Diferença” e chega a sonoridades atuais, como o trap “Essa eu fiz pra você”.

A mulher é também um tema recorrente, mas de maneiras diferentes. Tem a personagem empoderada de “Linda, louca e mimada” e o respeito a que todas elas têm direito em “1001 Mulheres”. E ainda os versos vorazes de faixas como “Vagabundo é foda”, que conta com as participações de Pedro Qualy (Haikaiss) e de Selfprovoked, de Los Angeles. 

Tem ainda Zeca Baleiro em “Roda Gigante” falando sobre a dor e as mudanças drásticas que a vida impõe na transição da infância para a fase adulta.  

 “A gente estreia a turnê ‘Yin Yang’ no início de novembro, em São Paulo, e depois vamos rodar o País. É claro que a terrinha (Niterói) não ficará fora dessa agenda”, conclui Geninho.