Os versos são deles

Entretenimento
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Daniel e Pedro Ivo comemoram o sucesso da marchinha “Cai cai do Jedi”, uma alusão bem-humorada à saga de Star Wars

Foto: Douglas Macedo

O tradicional Concurso Nacional de Marchinhas, o maior do gênero existente no País, realizado todo carnaval pela Fundição Progresso e que, neste ano, chegou à sua décima primeira edição, teve como vencedores uma dupla de Niterói. Pedro Ivo e Daniel Pereira conquistaram o primeiro lugar, entre mais de 860 de todo o Brasil, com “Cai cai do Jedi”, que consegue fazer uma inusitada e divertida ligação entre a folia e o universo cinematográfico e nerd da franquia de Star Wars.

Foram 9.339 votos contra 8.767 do segundo colocado, “Não enche o saco do Chico”, dos mineiros Marcos Frederico e Vitor Velloso, que fez uma crítica feroz ao episódio acontecido em dezembro do ano passado em que o cantor Chico Buarque foi hostilizado por jovens antipetistas, chamados de “playboys” e “patriotas de araque” na canção, enquanto jantava em um restaurante com amigos. Em terceiro lugar ficou “Marcha de Noé”, dos cariocas Janjão Pimentel e Nuno Neto, com 7939 votos.

A votação aconteceu entre os dias 29 de janeiro e o próprio dia 6 de fevereiro e, pela primeira vez, foi feita de forma on-line. Participando pela segunda vez, o músico Pedro Ivo Dutra sabe bem como é o poder do voto popular. Em 2011 ele e Daniel, acompanhados por Marcus, ficaram em segundo lugar na disputa, perdendo por apenas um 1% de diferença com a marchinha “Amigo Bipolar”.

Ele revelou que a ideia de “Cai cai do Jedi” surgiu por causa da repercussão que Star Wars estava tendo por causa do lançamento do sétimo episódio da franquia, intitulado o “O Despertar da Força” no final do ano passado.

“Nos meus grupos de WhatsApp só se falava nisso. Aí, a ficha caiu: É isso! Na mesma hora comentei com o meu amigo e parceiro musical Daniel Pereira, que comprou a ideia e já veio com um refrão pronto. Aí foi só ajeitar melodia e correr pro abraço”, garante, explicando o conceito da marchinha, que tira um sarro daquele que talvez seja o vilão mais emblemático da história do cinema.

“Pensar num Darth Vader, figura imponente, a risada era certa”, afirma.

Daniel Pereira já é mais experiente no concurso, tendo disputado a final durante os últimos oito anos e ficando entre os 10 melhores em cinco destas ocasiões, levando o título em uma e o vice em outra.

“Sou o compositor que mais emplacou marchinhas no concurso em todos os tempos”, diz Daniel, bem-humorado e deixando a modéstia um pouco de lado.

Ele nem ia participar este ano, mas recebeu o convite do amigo e não pôde recusar.

“Quando ele chegou com a ideia, eu fiz o primeiro refrão em cinco minutos. Daí, foi só sentar com ele, tomar 150 cervejas, rir da gente mesmo e finalizar”, garante.

Daniel rece o prêmio do Concurso de Marchinhas das mãos de Prefeito Fortuna

Foto: Paprica Fotografia/Divulgação

Sua experiência se estende a sambas em blocos tradicionais do Rio como “Simpatia é quase amor”, “Suvaco de Cristo”, “Imprensa que eu gamo”, “Barbas”, “Bloco de Segunda”, entre outros. Apesar de ter músicas gravadas, ele até ganha dinheiro com composições e faz shows, mas não se considera exatamente um músico.

“Toco um pouco de violão e cavaquinho, mas não dá para dizer que sou profissional disso. Sendo muito sincero, sou um compositor criterioso, um cantor mediano e um péssimo instrumentista. Mas minha formação mesmo é o jornalismo”, afirma.

A parceria nasceu nos shows e nas rodas de samba onde eles tocavam pandeiro juntos. Pedro Ivo fazia os backing vocals na época em que Daniel ainda tentava a carreira de cantor.

“Pedro é um irmão que a vida me deu, no momento em que parei de fazer roda de samba e comecei a fazer shows com esta pegada mais de carnaval. Como isso exige muito esforço vocal, dividi o palco com ele, agora como cantor mesmo. Puxei ele para a parceria das composições, nisso já se vão alguns anos e uma penca de títulos”, revela.

Ambos são nascidos e criados em Niterói e não escondem o amor pela cidade.

“Daqui não me mudo jamais. Até hoje, quando recebo convites para trabalhar fora, a cidade sempre pesa na escolha. E eu acabo ficando”, garante Daniel.

Já Pedro Ivo foi mais além e homenageia a Cidade Sorriso em seu primeiro álbum, que está prestes a ser lançado, “Mais Samba, Por Favor”.

“São músicas inéditas, sendo três delas autorais. Uma, inclusive, homenageia a minha querida cidade. ‘No Apito da Barca’ é o nome da canção, parceria minha com João Martins e Inácio Rios. Trata-se de um passeio pelos bairros”, revela Pedro Ivo.

Por incrível que pareça, a dupla nem é tão fã assim da saga estelar criada por George Lucas.

“Achei o último filme razoável. Confesso que esperava mais. Apesar de que, entendo que tenha sido uma bela experiência para os fãs. Confesso que não sou tão fã assim, era só um tema pra marchinha mesmo. Prefiro o Poderoso Chefão (risos)”, explica Daniel, já adiantando que a clássica trama do premiado filme de Francis Ford Coppola e estrelada por Marlon Brando e Al Pacino pode ser o tema da próxima marchinha, ideia que também é compartilhada por Pedro Ivo.

Será que em 2017 o clã dos Corleones ajudarão a dupla assim como os Skywalkers? De qualquer forma é uma ideia que o público não pode deixar passar despercebida.