NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Sensíveis e diversas

A obra 'Natureza Particular', de Carolinne Maciel, estará exposta Aliança Francesa Niterói

Foto: Divulgação

A Aliança Francesa Niterói e o Instituto Cultural Germânico se uniram para valorizar e incentivar a arte no 6º Salão de Artes Visuais de Niterói, que acontece a partir desta sexta-feira (17) e vai até 22 de setembro. A comissão, formada pelo diretor do Museu de Arte Contemporânea (MAC), Marcelo Veloso; pelo diretor do Instituto Cultural Germânico (ICG), Ricardo Freitas; e pela diretora da Aliança Francesa Niterói (AFN), Julie Mailhé, selecionou 14 artistas que apresentam uma grande variedade de projetos artísticos, incluindo pinturas, fotografias, gravuras, desenhos e vídeos. Dois artistas participantes concorrem a exposições individuais em 2019 nos dois espaços. O resultado sai amanhã na vernissagem que acontece na Aliança Francesa Niterói, às 19h. 

Dentre os 14 artistas que expõem, seis são representantes de Niterói e São Gonçalo, e estão bastante felizes e animados com a oportunidade de apresentar seu trabalho. Uma delas é a doutora em Letras pela UFF Regina Lima, que começou seu trabalho a partir de uma pesquisa sobre danças populares brasileiras que resultou em uma exposição com obras de óleo sobre tela, que tinham a proposta de contar sobre a nossa cultura popular. 

“No fim do doutorado, uma nova inspiração surgiu, após a leitura extensa que fiz sobre religiões de matriz africana e pela minha própria experiência pessoal. A nova exposição surgiu, mas a técnica utilizada era bem diferente. Sob o título de Orí, retratei imagens vistas e percebidas dentro dos terreiros, além do imaginário contido naqueles locais, através dos orixás, como Yemanjá, Xangô e Oxalá, por exemplo. Os desenhos foram desenvolvidos por mim em técnica mista, aquarela e lápis de cor. Também ocupou o espaço cultural do ICG, e este ano ficou por dois meses na Biblioteca Parque de Niterói. O novo trabalho é o pontapé para uma próxima exposição. São pinturas em acrílico sobre acetato, sobrepostas em fotografias”, conta Regina.  

Stephanie Boechat desenha desde criança e teve o privilégio de ter o apoio dos pais para aprimorar este talento. Há cerca de três anos, ela descobriu uma paixão por aquarela, e trabalha com esta técnica desde então.  

De Hugo Moutinho, a obra 'Flourish' poderá ser vista até 22 de setembro

Foto: Divulgação

“A aquarela carrega um estigma de ser uma técnica muito difícil e, de fato, ela é um tanto quanto arredia e sujeita a acidentes, mas também é versátil e apaixonante, permitindo resultados, ao mesmo tempo, expressivos e delicados”, revela a artista, que admite estar com expectativas altas em conseguir expor seu trabalho individualmente. “Dá aquele friozinho na barriga de ansiedade. Seria incrível ter um espaço para exposição individual em locais maravilhosos como a Aliança e o ICG! Mas tenho certeza de que todos os que participarão do Salão possuem trabalhos extraordinários, e quem quer que seja escolhido fará uma bela exposição individual”, completa.  

A artista Carolinne Maciel acredita na importância da arte para as crianças. Ela é mãe e mantém sua filha da forma mais próxima com a arte que for possível. O fato de trabalhar com isso facilita nesta mediação.  

“Tenho um projeto de artes para crianças. Ele surgiu exatamente desta vontade de proporcionar isso para outras crianças também, que não possuem pais artistas, ou que se interessam por arte, que não vivem nesse ambiente”, conta Carolinne, que revela a importância do Salão para a sua carreira: “é a primeira vez que exponho e fiquei muito feliz. Espero que seja a primeira de muitas”, comemora. 

Quem também estará por lá é Quézia Lopes, com a videoinstalação “Noite em mim, noite lá fora”. Um filme ensaio que metamorfoseia imagens.

“Trago símbolos de sono e vigília, sonho e realidade, fragmento e totalidade, signo e reflexo, velando e desvelando enlaces sutis entre as imagens, transmutando sentidos”, comenta Quézia. 

Com um trabalho essencialmente digital, Hugo Moutinho estará no Salão buscando comunicar valores e visões de novas linguagens, através da desconstrução da obviedade. E, por fim, o fotógrafo Matheus Mello, que credita seu trabalho aos seus estudos de história da arte e filosofia. 

“Venham participar desse evento que agregará não só momentos de prazer visual e divertimento, mas também conhecimentos que farão sua alma elevar com olhares artísticos sensíveis e diversificados”, convida Matheus. 

A AFN fica na Rua Lopes Trovão, 52, Icaraí, e o ICG na Av. Sete de Setembro, 131, Icaraí. De 17 de agosto a 22 de setembro, a partir das 9h e 15h (respectivamente). Entrada franca. Classificação: livre. Telefone: 2610-3966.

Scroll To Top