NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Um cinema feito para pensar

 

Divulgação

Dando continuidade à saga do Peter Parker inserido no universo cinematográfico de Vingadores, interpretado por Tom Holland, “Homem-Aranha: Longe de Casa” é o segundo filme dedicado ao herói. No longa, Peter está em uma viagem de duas semanas pela Europa com seus amigos, quando encontra Nick Fury - líder da agência S.H.I.E.L.D. e idealizador da iniciativa Vingadores. Fury convoca o Aranha para ajudar o novo herói Mysterio a combater monstros chamados de Elementais, que ameaçam a Terra.  

Dirigido e protagonizado Louis Garrel - filho de um dos mais importantes nomes do movimento nouvelle vague francês, Philippe Garrel -, “Um Homem Fiel” é uma comédia romântica cheia de mistérios. O longa, que foi exibido no Festival Varilux de Cinema Francês deste ano, conta a história de Abel, um jornalista que reata o relacionamento com sua ex-mulher, após ser deixado por ela, que o trocou por seu melhor amigo. Agora, com um recomeço aparentemente tranquilo, Abel entra em uma série de paranoias. Entre elas, ele começa a estranhar o comportamento do filho de sua mulher e se questiona sobre a morte de seu amigo, que deixou sua então esposa viúva.

Dirigido por Danièle Thompson, “Cézanne e Eu” é um drama biográfico que acompanha a relação entre o pintor Paul Cézanne e o escritor Émile Zola, um misto entre amizade e rivalidade. Algumas diferenças são responsáveis pela rivalidade entre os dois, como, por exemplo, o fato de Paul ser rico e Émile ser pobre. Mas os dois, que se conheceram ainda na infância, aprenderam a compartilharem tudo um com o outro, o que vai levá-los a enfrentarem, juntos, os desafios da vida na busca pela realização de seus sonhos.

Oitavo filme do diretor Nuri Bilge Ceylan, “A Árvore dos Frutos Selvagens” é uma coprodução internacional entre Turquia, França, Alemanha, Bulgária, Bósnia, Katar e Suécia que foi exibida na seleção oficial do Festival de Cannes 2018 e chega hoje aos cinemas brasileiros para retratar a história de Sinan em uma trama repleta de filosofia, religião, política e moral. No filme, Sinan é um homem apaixonado por literatura, que sonha em publicar um livro. Após anos, ele volta à aldeia onde nasceu decidido a juntar o dinheiro que precisa para a publicação com a ajuda de seu pai. Porém, como o pai está endividado, ele vê seu sonho ser colocado em jogo.

O cineasta mineiro Neville Almeida, diretor do clássico nacional “A Dama da Lotação” (1978) - protagonizado por Sônia Braga -, ganha um documentário sobre sua vida, intitulado “Neville D’Almeida: Cronista da Beleza e do Caos”, que estreia esta semana nas telonas tupiniquins. O filme conta a história de Neville através de entrevistas e um vasto e raro material de arquivo, desde a era do Cinema Marginal. Ficou conhecido por filmes - muitos adaptações das obras de Nelson Rodrigues - que foram considerados irreverentes para a época e que sobreviveram à censura durante o regime militar.

O francês “Boas Intenções”, dirigido por Gilles Legrand, conta a história de Isabelle, que se doa completamente ao trabalho humanitário de ajuda a imigrantes, com roupa, comida e aulas de francês. Um dia, uma professora mais jovem começa a lecionar no mesmo centro em que ela trabalha, o que faz Isabelle se sentir ultrapassada. Disposta a se destacar no trabalho, ela acaba deixando a família de lado. 





Scroll To Top