NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Negócio para público bem-definido pode ser diferencial

Rafaela administra, junto com o marido Peter, empresa que produz pães para pessoas com intolerância alimentar

Lucas Benevides

É uma tendência cada vez mais comum e positiva os empresários investirem em negócios voltados a um público de nicho restrito. O empreendedor que se dedicar a esse tipo de negócio encontrará percalços e estará exposto ao risco do êxito, mas também ao fracasso. Especialistas afirmam que, para que os negócios deem certo, é necessário ter um produto diferenciado e de qualidade, além de uma boa divulgação. O investidor deve estar atento às tendências e a outros públicos que se relacionem com o seu público específico. 

A culinarista funcional Rafaela Pereira, de 39 anos, resolveu investir em nicho de público específico. Após constatar intolerância a glúten e lactose, resolveu produzir alimentos para consumo próprio, porém, ao longo do tempo, seu projeto pessoal se tornou um negócio e hoje ela e seu marido e padeiro Peter John mantêm a empresa Delícias da Rafa. “O empreendimento começou a partir de amigos que experimentaram meus produtos e começaram a fazer encomendas, a partir daí o negócio foi crescendo”, conta a empresária, que deixou a carreira de jornalista para se dedicar exclusivamente ao negócio, conseguindo um bom retorno financeiro. 

Rafaela produz pães de vários sabores sem glúten, sem soja, sem conservantes, sem lactose e sem açúcar na composição com o intuito de atender aos que não podem ingerir tais substâncias. De acordo com a empresária, além da produção de pães, ela também se dedica à confecção de bolos, quiche, entre outros alimentos seguindo esse padrão. “Atualmente estou trabalhando na criação de pães sem ovo na receita e pão integral”, conta. 

De acordo com a coach de carreira Elaine Fucci, a produção para grupos com demandas específicas é uma tendência positiva. “Quando o empreendedor escolhe um nicho específico para atuar, ele é visto pelo seu público como um especialista no assunto e a tendência é que ele seja mais procurado por esse público. Uma pluralidade pode passar falta de conhecimento específico”, explicou. 

Porém, Elaine alerta para os perigos nos investimentos de um negócio tão restrito. “Deve-se estar atento às tendências. Caso haja mudanças, os negócios podem perder a rentabilidade. O ideal é traçar um plano estratégico, mapear e conhecer bem o perfil do público-alvo, suas demandas, saber onde o público se encontra”, aconselha Elaine. 

Ciente disso, Rafaela diz que sua dedicação para a produção dos alimentos é grande. Ela revela que está sempre aperfeiçoando suas habilidades por meio de cursos específicos para melhor atender à demanda e que hoje ela tem um planejamento dos seus negócios. “No início as coisas foram acontecendo naturalmente, mas hoje sinto necessidade de um plano estratégico mais detalhado, até porque nossa empresa está em expansão”, revela. 

Segundo o consultor Alexandre Prado, o risco em investir em um negócio vai existir sempre, mas o empreendedor deve estar preparado para assumi-los. “A diferença vai estar no planejamento dos negócios e estar atento a alguns fatores como a dimensão do público, a demanda, estar atento aos aspectos regulatórios, como a vigilância sanitária quando se trata de alimento, por exemplo”, orienta Prado. 


Scroll To Top