NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Tecnologia a serviço da medicina

Ilza Fellows, diretora-geral do CHN, explica as vantagens da implantação de inteligência artificial na classificação de risco: equipe em constante atualização

Divulgação

A todo momento, novas tecnologias surgem, implicando na constante evolução do conhecimento.  Pensar em saúde, por exemplo, sem associar o avanço tecnológico, atualmente, já não é mais possível. A sociedade  está em transformação todos os dias, aumentando a demanda por um atendimento personalizado, conceito que dita o futuro da medicina. Ciente disso, centros de especializados investem cada vez mais em aparelhos e equipamentos de última geração, além de sistemas que otimizem e humanizem o atendimento.  

O Complexo Hospitalar de Niterói (CHN) implantou em sua emergência um sistema de inteligência artificial para estratificação de risco, substituindo a tradicional triagem. A iniciativa pioneira rendeu ao CHN, recentemente, a certificação Distinção em Serviços de Emergência, que atesta a qualidade do atendimento nas emergências, tornando o complexo o primeiro hospital primeiro do Brasil e da América Latina a conquistar o título. 

O sistema consiste na classificação dos casos mais urgentes. Segundo a diretora-geral do CHN, Ilza Fellows, dados clínicos como a idade e comorbidades (como hipertensão e diabetes) são cruzados pela inteligência artificial, que define automaticamente quem tem prioridade, de acordo com o grau de complicação que o paciente pode ter, e seu determinado tempo de espera para cada procedimento. Isso gera, ainda, a otimização da permanência do paciente no hospital. 

“A diferença é que prioridade era para o atendimento médico, com a classificação de cores por estado de emergência. Mas duas pessoas podiam ser classificadas com a mesma cor, ainda que uma fosse mais urgente que a outra ou tivesse um fator de risco. O laboratório não sabe quem é mais urgente, nem a área de raio-X, porque os pacientes entram na fila. Esse sistema é diferente e leva em consideração outros fatores, como a idade, para definir quem tem mais riscos. Eu passo a enxergar o paciente individualmente”, explica a Drª. Ilza. 

A cada procedimento e exame, o sistema é atualizado. As informações vão sendo transmitidas em tempo real, através de telões em cada setor da emergência.  

Além dessa tecnologia, o CHN já implantou outras tendências de mercado, como um moderno Centro de Imagem e Diagnóstico, composto por equipamentos de última geração como a ressonância magnética 3 Tesla, totalmente digital. Ele é capaz de gerar imagens em 3D em tempo recorde.  

Todas essas tecnologias fizeram surgir a necessidade de adaptação dos profissionais. Um treinamento foi oferecido aos funcionários para que se familiarizassem com essas mudanças, que são constantes. Segundo Ilza, os profissionais dos tempos atuais precisam estar mais conectados.  

“O mundo está trazendo isso, independente da área da saúde. Atualmente, a gente precisa de profissionais antenados com a tecnologia, que simpatizam com isso. Quem não tem esse perfil, acaba ficando para trás. Aqui no CHN trabalhamos com o prontuário eletrônico, por exemplo, e alguns médicos tiveram dificuldade em lidar com essa mudança”, observa a diretora-geral do CHN.  

De acordo com a professora Joana Fróes, coordenadora do curso de graduação de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas (FMC) da Unicamp, o surgimento dessas tecnologias impacta diretamente no mercado de trabalho, exigindo a atualização constante do profissional.  

“A crescente expansão do conhecimento e aparecimento de novas tecnologias tem impacto tanto na formação quanto na prática médica”, alerta a doutora Joana.  

A médica descarta, no entanto, que essas tendências possam resultar na perda de espaço do profissional no mercado, aumentando a competitividade.   

“O avanço tecnológico tem papel fundamental no avanço da medicina, trazendo novas ferramentas para pesquisa, aparelhos para diagnóstico e novas possibilidades terapêuticas, contudo nenhuma inovação poderá substituir a formação humanística e a relação médico-paciente”, acrescenta.

 
Scroll To Top