Ingrid Oliveira busca vaga nos Jogos Olímpicos em agosto

Esportes
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Ingrid Oliveira foi uma das personagens brasileiras de destaque nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, em  2015. A saltadora foi do inferno ao céu em poucos dias: a primeira pose que postou em rede social, sentada de costas no Centro Aquático de Toronto, fez chover comentários machistas. No início das competições, errou um salto, caiu de costas e recebeu nota zero. No entanto, alguns dias depois – já com 40 mil seguidores a mais em sua conta no Instagram –, a garota de 19 anos calou a boca dos críticos: ao lado de Giovanna Pedroso conquistou a prata na plataforma de 10m sincronizada. “Acho que dá para dizer que o Pan foi um pouco emocionante”, brinca a atleta.

Neste fim de semana, Ingrid participará de uma grande competição no Brasil – a primeira vez depois de ter ganhado exposição de maneira inesperada. A Copa do Mundo de Saltos Ornamentais, que começou na última sexta-feira, marcará o reencontro da atleta com a torcida nacional. E ela só espera apoio e carinho das arquibancadas.

Apesar da repercussão, Ingrid garante que pouca coisa mudou depois de seu polêmico post. A famigerada foto (que tem mais de 20 mil curtidas, em uma conta em que os posts ficam em média abaixo dos 5 mil likes) não foi apagada, apenas “os comentários sem noção”. Mais fotos de treino e menos exibição foram as dicas dos técnicos. As “broncas leves” dos treinadores levaram a um cuidado maior nas redes sociais, mas partiu da própria Ingrid a “solução” de criar um outro perfil nas redes, mais protegido, apenas para as pessoas mais próximas.

Eu adoro meus seguidores, eles me inspiram. Não vou deixar de ter meu perfil público por conta de um ou outro que fala coisa nada a ver. Mas decidi não postar mais foto com a minha bunda aparecendo por um bom tempo”, disse.

Apontada como promessa dos saltos ornamentais desde os 15 anos, Ingrid fará sua estreia em Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro. Como país-sede, o Brasil já tem vaga garantida nos quatro eventos sincronizados (3m e 10m, masculino e feminino) – ela e Giovanna devem representar o Brasil na plataforma de 10m sincronizada. “Primeiro, a Giovanna se machucou. Quando ela ficou melhor, eu peguei dengue, há duas semanas. Agora já estou recuperada, mas perdemos um bom tempo de treinos juntas”, contou.

No evento-teste, Ingrid conta com o apoio da torcida para alcançar seu objetivo, que é se classificar para a prova de plataforma de 10m também no individual.