Planos para superar a desconfiança da F-1

Esportes
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Sem mudanças significativas no regulamento antes de 2017, as perspectivas para a próxima temporada da Fórmula 1 são de um Mundial parecido com o do ano passado.
A briga pelo título entre Hamilton e Rosberg deve novamente ficar em destaque, mas o novo carro da Ferrari será aguardado com grande expectativa, pois deve ser o único que poderá estragar uma nova festa alemã.

O comprometimento da Renault com a categoria ficou demonstrado com a aquisição da equipe Lotus, e isso pode significar progressos nos seus propulsores. Isto seria muito bom para a RBR, mas esta teme que a afiliada Toro Rosso, que correrá com motores Ferrari de 2015, e até uma revitalizada McLaren/Honda, sejam sérias ameaças. 

O ano de 2016 marcará a estreia de uma nova equipe na Fórmula 1. Com longa experiência na Nascar, o norte-americano Genne Haas competirá pela primeira vez com a equipe que leva seu nome. O francês Romain Grosjean e o mexicano Esteban Gutierrez formarão a dupla de pilotos da Haas, que contará com motores Ferrari e chassi da também italiana Dallara. 

Entre os estreantes, os destaques de 2015 ficaram por conta do holandês Max Verstappen e do brasileiro Felipe Nasr. O primeiro, piloto mais novo do grid com 17 anos, teve um início de ano difícil, pontuando apenas uma vez nas primeiras sete etapas. Na segunda metade da temporada mostrou evolução e marcou pontos em oito das últimas dez etapas, inclusive conquistando dois quartos lugares.