NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Seleção acaba superada no basquete

A Seleção Brasileira masculina de basquete tentou, mas não conseguiu furar a defesa croata

Foto: Douglas Macedo

A Seleção Brasileira entrou em quadra empolgada com a vitória sobre a Espanha e com o apoio da torcida, que novamente lotou a Arena Carioca 1. Porém, a equipe de Rubén Magnano não foi páreo para a eficiência e boa marcação dos croatas, que venceram por 80 a 76 e impuseram a segunda derrota em três jogos do Brasil no torneio olímpico.

A partida começou com boa marcação do Brasil, que abriu vantagem com uma cesta de Leandrinho. Na sequência, uma bola de três de Marquinhos fez a Seleção Brasileira fazer 5 a 0. Com transições rápidas e contra-ataques, o Brasil manteve a vantagem em 9 a 4. Em uma bola de Hezonja, a Croácia reagiu, empatando o confronto faltando 6m02s para o final do quarto.

O time europeu passou a acertar a marcação no garrafão, diminuindo a liberdade dos arremessos do Brasil e, com duas bolas de três seguidas, virou o duelo: 15 a 12, contando com cinco pontos de Borovic. Faltando 2m30s para o fim do primeiro quarto, uma nova cesta de três de Marquinhos colocou o Brasil novamente na frente: 17 a 15. Com muita briga no garrafão e velocidade, o primeiro quarto terminou com vantagem croata: 19 a 17.

O Brasil empatou com Leandrinho no início do segundo quarto, mantendo o jogo equilibrado. No time tupiniquim, Leandrinho e Marquinhos se destacavam, enquanto na Croácia, o camisa 10, Likic, era o cestinha com sete pontos. Com dois pontos de Bogdanovic, em lances livres, o país dos Bálcãs, abriu três pontos: 24 a 21. Com dificuldades de superar o garrafão croata, o Brasil viu o rival aumentar a vantagem na metade do segundo quarto: 26 a 21. Com espaço na linha de arremesso e boa transição, a Croácia abriu sete pontos em uma cesta de três de Saric.

O técnico brasileiro mudou a equipe na tentativa de diminuir a diferença. Com a entrada de Benite, o Brasil reagiu. Faltando 2m57 para o fim da parcial, o camisa 8 fez a cesta e ganhou um lance livre de bonificação, reduzindo a diferença para seis pontos: 31 a 25. Mas uma bola de três de Hezonja fez os europeus terem nove pontos de frente. A Croácia aumentou a diferença indo para o intervalo com dez pontos de diferença. O cestinha do confronto até o momento era o croata Bogdanovic.

Na volta para o terceiro quarto, a equipe europeia abriu doze pontos, mas uma bola de três de Marquinhos diminuiu a diferença. Coma entrada de Augusto Lima, a Seleção melhorou na marcação e ganhou maior intensidade, cortando a desvantagem pela metade. Assim, a Seleção encostou no marcador e deixou o confronto equilibrado: 45 a 41.

Se aproveitando dos erros de ataque do Brasil, a Croácia voltou a abrir boa frente com a boa atuação ofensiva de Bogdanovic, Saric e Hezonja: 55 a 41. O Brasil voltou a fazer transições rápidas e diminuir a diferença ao final do terceiro quarto com a entrada de Rafael Hettsheimer: 59 a 50. Com uma cesta de três de Marcelinho Huertas, o Brasil iniciou o quarto final com apenas oito pontos de desvantagem: 61 a 53. Com boa marcação e pontos de Alex, a Seleção voltou a encostar no marcador, fazendo a torcida aumentar o apoio nas arquibancadas: 64 a 58.

Com uma bola de três de Felício faltando 5 minutos para o final do jogo, o Brasil diminuiu a vantagem para três pontos: 67 a 64. Com Giovannoni no time, o Brasil encaixou a marcação e dificultou os arremessos croatas. Entretanto com duas cestas de três consecutivas, os croatas abriram nove pontos: 75 a 66. Mas com bolas de Alex e Giovannoni, o time de Magnano voltou ao jogo. Contudo, prevaleceu a maior eficiência e a força no garrafão dos croatas que venceram por 80 a 76. O maior pontuador da partida foi Bogdanovic, com 33 pontos. Desta forma, o atleta foi fundamental para o triunfo da equipe do leste europeu, que precisou superar o ginásio lotado além dos atletas brasileiros. 

Scroll To Top