Público lota arquibancadas para o Desfiles das Campeãs

O Flu na Folia
Tpografia
  • Mínimo Pequeno Médio Grande Gigante
  • Fonte Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Portela arrancou gritos de campeã durante sua passagem no Desfile das Campeãs.

Foto: Tomaz Silva / EBC

O tempo firme ajudou, e o público que lotou o Sambódromo ficando até o último minuto no Desfile das Campeãs, que este ano foi encerrado com a Mangueira e sua homenagem aos 50 anos de carreira da cantora e compositora Maria Bethânia. A Verde e Rosa entrou na avenida no final da madrugada deste domingo (14) e foi ovacionada do início ao fim pela plateia. 

A noite foi aberta pela sexta colocada no Grupo Especial do Rio de Janeiro, a Imperatriz Leopoldinense, que levantou as arquibancadas com o enredo 'É o Amor', contando a vida dos irmãos Zezé di Camargo e Luciano, desde a infância da dupla, no interior de Goiás, na concepção do carnavalesco Cahê Rodrigues.

Nos Desfiles das Campeãs a cantora Maria Bethânia preferiu sair no chão para saudar o público durante a passagem da escola que levou o título.

Foto: Tomaz Silva / EBC

Desfilando em cima de um dos carros, o craque Zico foi um dos mais festejados na avenida. 

Quinta colocada no Grupo Especial, a segunda escola a desfilar foi a Beija-Flor, que este ano buscou inspiração no Marquês de Sapucaí na tentativa de um bicampeonato, com a voz de Neguinho da Beija-Flor agitando as arquibancadas. 

Em seguida, pisou na avenida o Salgueiro, que ficou em quarto lugar. A escola trouxe um carnaval baseado na Ópera do Malandro, na concepção dos carnavalescos Renato Lage e Márcia Lage. Carros alegóricos muito bem finalizados passaram o clima dos templos e símbolos da malandragem carioca, como o mundo dos cabarés, dos conquistadores e dos jogos de azar. 

O Salgueiro foi sucedido pela Portela, que arrancou gritos de “é campeã” vindos da arquibancada ao longo de todo o desfile. A escola do carnavalesco Paulo Barros apresentou uma viagem a lugares distantes e misteriosos, nas asas da águia, que é seu símbolo. Para o presidente de honra da Portela, mestre Monarco, a escola, terceira colocada no Grupo Especial, foi campeã na escolha popular. 

A penúltima escola a desfilar foi a Unidos da Tijuca, que no passado consagrou Paulo Barros, e este ano trouxe um enredo feito a oito mãos, com quatro carnavalescos: Mauro Quintaes, Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo. 

A Azul e Amarelo entrou na avenida com carros cheios de estilos e detalhes, para falar sobre agricultura, o que fez a diferença para os jurados, que a colocaram na segunda posição do Grupo Especial. O contraste entre carros quase monocromáticos, apenas em tons de marrom, simbolizando a terra, e outros muito coloridos, trazendo os alimentos, foi um dos diferenciais da Tijuca na Avenida. 

Fechando a noite, mostrando sua força e simpatia junto ao público, a Mangueira conseguiu algo difícil na Sapucaí: que as arquibancadas não ficassem vazias, com os tradicionais buracos, comuns quando passa a última escola. A verde e rosa repetiu o sucesso do desfile de terça-feira de Carnaval, trazendo artistas famosos em seus carros, incluindo Caetano Veloso, Regina Casé e Beth Carvalho. 

Ao contrário do primeiro desfile, quando veio em cima de um carro alegórico, Bethânia decidiu vir no chão, reverenciando e agradecendo o público, que em retribuição a aplaudia de pé, cantando junto o samba campeão, Maria Bethânia, a Menina dos Olhos de Oyá. 

(crédito EBC)