NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Ação combate a lavagem de dinheiro da milícia na Baixada

Policiais cumpriram mandados de prisão e de busca e apreensão

Divulgação/Polícia Civil

A Secretaria de Estado de Polícia Civil, por meio do Departamento Geral de Combate à Corrupção ao Crime Organizado e a Lavagem de Dinheiro (DGCOR-LD), realizou na manhã desta quarta-feira (3), uma operação para cumprir sete mandados de prisão e dez de busca e apreensão, além do sequestro de bens e bloqueio de contas de quatro empresas que seriam utilizadas para lavagem de dinheiro de uma organização criminosa de milícia. As empresas de incorporação atuam na exploração de areia e saibro, na Baixada Fluminense, e chegaram a faturar R$ 41 milhões entre os anos de 2012 e 2017.

Seis pessoas foram presas e uma está foragida. Foram apreendidos joias, carros (incluindo blindados), imóveis e terrenos.

De acordo com o Departamento foram investigadas as empresas Macla Comércio e Extração de Saibro, Hessel Locações e Incorporações, Senna Terraplanagem e Jardim das Acácias Mineração pelos crimes de organização criminosa e lavagem de capitais.

A apuração apontou que a empresa Macla seria de propriedade de Luís Antônio da Silva Braga, o Zinho, irmão do homem apontado pela polícia como chefe da milícia de Santa Cruz e Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, Wellington da Silva Braga, o Ecko. Já a Hessel teria feito movimentações de valores da Macla para a conta de Zinho. A Senna é de propriedade do pai da ex-esposa de Zinho. 

Ainda segundo a investigação, o grupo atuaria na exploração de areais na Baixada Fluminense e estaria ligado a homicídios praticados com o objetivo de tomar companhias concorrentes. O DGCOR analisa também como uma empresa teve seus negócios assumidos pela Macla após um assassinato. 

A Castilho Alves, empresa de terraplanagem e extração de saibro, teve seu proprietário Alexsander de Castro Santos, assassinado em junho de 2014, segundo a polícia, pelo homem apontado como chefe da milícia Liga da Justiça, Marcus José de Lima Gomes, o Gão. A conclusão foi da Delegacia de Homicídios da Capital. Na investigação, a polícia conseguiu o bloqueio e sequestro de aproximadamente R$ 11 milhões. 

Scroll To Top