NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Morte de músico é investigada

Durante o sepultamento, esposa do músico colocou um nariz de palhaço para lembrar uma brincadeira do casal

Foto: Marcelo Feitosa

Com a presença de mais de 50 pessoas, o enterro do músico niteroiense Mário Travassos, de 39 anos, filho do ex-vice prefeito de Niterói, Luiz Eduardo Travassos do Carmo, ocorreu na tarde deste sábado no Cemitério Parque da Colina, em Pendotiba. Mário faleceu na última quinta-feira, na Clínica da Gávea, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

A família alega que Mário foi encontrado sem vida um dia após ser internado na clínica devido a uma crise de ansiedade. Ainda segundo parentes, o músico apresentava diversos hematomas pelo corpo, além de afundamento no crânio e falta de alguns dentes.

“Mário foi primeiro no Hospital Psiquiátrico de Jurujuba, mas lá o orientaram, já que ele tem plano, a irem para esta clínica na Gávea que é especializada neste tratamento. Já no Rio, o médico disse que seria bom que ele passasse à noite em observação na unidade hospitalar. Eles concordaram. No dia seguinte, a namorada dele foi até lá e deram a informação de que ele havia morrido”, contou o tio do músico, José Roberto Travassos, acrescentando que o sobrinho era “uma pessoa doce que não fazia mal a ninguém”.

José Roberto ainda ressaltou que, mesmo após ele ter morrido, a polícia não foi acionada pelo hospital. “Assim que ela chegou lá e teve a informação da morte dele, a mulher dele entrou em desespero. Quando chegou ao quarto, Mario estava totalmente desfigurado, com parte da cabeça afundada, sem alguns dentes. Nem o atestado de óbito eles forneceram. É um absurdo”, completou.

Por meio das redes sociais, a companheira de Mário, Kiki Montparnasse, inconsólavel no enterro, publicou uma foto do casal com a seguinte legenda. “Mário morreu. Perdi a minha luz o meu amor o colorido e a beleza da vida. Ta muito dificil para todos que o amavam”. Durante o enterro ela colocou um nariz de palhaço  para lembrar uma antiga brincadeira do casal. O artefato foi deixado sobre o caixão.

Em nota, a Polícia Civil informou que a 15º DP (Gávea) está investigando as causas da morte e que não pode fornecer informações sobre a investigação até que o inquérito seja finalizado. Já a Clínica da Gávea não retornou as ligações da reportagem até o fechamento desta edição. 

Com Giovanni Mourão


Scroll To Top