NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Universitário em estado grave

David Nobio está no 3º período de Odontologia da UFF

Reprodução

O estudante de odontologia da Universidade Federal Fluminense  (UFF) que foi baleado no último sábado (26) na Favela do Brejal, no Jardim Bom Retiro, em São Gonçalo, está sendo acusado de tráfico de drogas pela PM.

Ele está internado sob custódia, em estado grave, no Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), no Colubandê, e sua família alega inocência. David Nobio, de 22 anos, é aluno do 3º período de Odontologia. Ele foi baleado junto com Ramon de Souza Gregório, que também está internado sob custódia no Heat. Segundo parentes, ele trabalha como motorista de aplicativo e também não teria envolvimento com o crime. 

As duas famílias contestam a versão da polícia de que os dois teriam participado de confronto durante o estouro de uma boca de fumo na comunidade. O delegado Lauro Cesar Lethier Rangel, titular da 74ª DP (Alcântara), onde o caso foi registrado, declarou nesta quarta-feira (30) à TV Globo que agentes da distrital foram até o hospital para tomar o depoimento de Ramon, que foi ferido de raspão e está para receber alta. O jovem, segundo o delegado, teria dito apenas que não conhecia David.

“Ele disse apenas que encontrou o estudante de Odontologia na boca de fumo, procurando quem pudesse vender ‘balinha’. Um termo usado pelos usuários para definir drogas sintéticas”, declarou Lethier.

De acordo com o delegado, a decisão de autuar o estudante da UFF por tráfico de drogas foi tomada com base nos depoimentos dos PMs que participaram do confronto.

“Mas, diante dos novos fatos, vamos chamar os policiais militares para novos depoimentos, assim como estamos procurando contato com a família. Queremos ouvir todos os envolvidos”, frisou o policial.

O caso dos dois jovens ganhou repercussão nesta quarta, após a mobilização das famílias nas redes sociais. Segundo a mãe do estudante da UFF, a auxiliar de serviços gerais Joceane Nobio, de 40 anos, o filho havia dito que iria com amigos a uma festa no Rio e que voltaria na segunda (28) ou terça-feira (29). 

“Como ele já tinha avisado que ia ficar fora e nem sempre fica perto do telefone, eu não desconfiei. Na segunda-feira recebemos a ligação de uma amiga dele, dizendo que ele não foi à festa. Aí ficamos desesperados e começamos a procurar. Meu filho é um exemplo. Ele jamais ia entrar em um lugar desse sabendo que ia se prejudicar e também a nossa família. Uns dias antes, ele até falou do resultado do Enem, porque o sonho dele é fazer Medicina”, disse angustiada.

“Ele é o primeiro da família a cursar uma faculdade pública. Deus sabe o quanto ele se dedicou. Mesmo cursando Odontologia, não desistiu do sonho. Uma pessoa estudiosa e muito dedicada, que saiu de casa para uma festa. E agora está sem um rim, sem um baço e preso. Isso é terrível e desesperador. E ainda todos esses absurdos. A metade da bolsa que ele ganha dá à mãe para ajudar nas despesas de casa”, completou a tia do estudante, Fernanda Moraes, na porta do Heat, onde a família tem feito vigília. Ela lembrou que David foi aluno do Liceu Nilo Peçanha, no Centro de Niterói, além de bolsista em um curso pré-vestibular de Icaraí. 

Já o pedreiro Robsom Gregório, pai do motorista de aplicativo baleado, disse que, após o jovem perder o emprego de frentista, ajudou o filho a comprar um carro para trabalhar. 
“Meu filho não é e nunca foi bandido. Foi uma covardia que fizeram com ele. Mas vamos provar a inocência dele”, declarou. 

A mulher do motorista disse que ele saiu de casa, no Brejal, com apenas R$ 5 no bolso. “Eu tinha feito um cachorro-quente e pedi para ele ir comprar o refrigerante. De casa eu escutei os tiros e fiquei desesperada, porque ele tinha saído quase naquele instante. Aí fui procurar saber na rua e descobri que ele tinha sido levado pela polícia”, disse.

A PM informou através de nota que “segundo o comando do 7º BPM (São Gonçalo), na tarde de sábado (26/01), o batalhão foi acionado para verificar roubos em andamento na BR-101, altura do bairro Bom Retiro, em São Gonçalo. Policiais militares foram deslocados para a rodovia e, com a chegada das equipes, os criminosos fugiram para a comunidade do Brejal”. 

A nota diz ainda que “no interior do local citado, eles foram recebidos a tiros ao tentarem abordar um grupo e houve confronto. Após cessarem os disparos, foi feito vasculhamento e dois feridos foram encontrados. Houve apreensão de uma pistola calibre 380 com numeração suprimida, dois radiocomunicadores, 186 pinos de cocaína e 34 trouxinhas de maconha. Os feridos foram socorridos ao Hospital Estadual Alberto Torres. Ocorrência registrada na 74ª DP”. O caso já foi encaminhado para a 3ª Vara Criminal de São Gonçalo. 

Meu filho é um exemplo. Ele jamais ia entrar em um lugar desse sabendo que ia se prejudicar” Joceane Nobio, 40 anos, mãe do estudante da UFF

Evelen Gouvea

Universidade manifesta solidariedade

A UFF se manifestou através de nota ao saber do ocorrido com o estudante. “A UFF enviou um representante da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis e um assistente social ao hospital para oferecer todo o suporte necessário à família. O caso gerou profunda comoção entre os estudantes e professores de Odontologia que prontamente manifestaram solidariedade a David.

A direção da Faculdade de Odontologia também se colocou à disposição da família do estudante para colaborar no sentido que este triste episódio seja apurado com o devido rigor. O vice-diretor, Esio Vieira, e a vice coordenadora do curso de graduação em Odontologia, Telma Aguiar, também estiveram em contato com a equipe médica do hospital.

A UFF está acompanhando de perto os acontecimentos e toda sua comunidade se junta às preces da família para que David se recupere completamente e volte às atividades regulares do curso.

Consultaremos a Procuradoria Geral junto à UFF para buscar amparo jurídico e reivindicamos profunda apuração do caso para que os responsáveis sejam identificados e processados nos ditames da lei”. 

O Diretório Acadêmico Agripino Ether (DAAE) da Faculdade de Odontologia também se manifestou através de nota: “O DAAE é testemunha de que David sempre esteve ativo nas atividades acadêmicas da faculdade e que nunca esteve envolvido com práticas ilícitas, as quais está sendo incriminado. Em todos os momentos, mostrou ser um aluno dedicado, estudioso e disponível para ajudar os outros alunos da graduação. Sonhava em conquistar a aprovação para o curso de Medicina e passava horas estudando dentro da sala do Diretório. O DAAE e a Coordenação da faculdade irão encaminhar toda a situação para o Conselho Universitário da UFF, para que a universidade tome as medidas cabíveis e para que injustiças não aconteçam. Ressaltamos que o DAAE irá fazer de tudo para que os direitos do David enquanto aluno da graduação estejam resguardados e para que sua família seja assistida nesse momento difícil”. 

Deputado cobra investigação 

O deputado estadual Flávio Serafini (Psol), disse que está acompanhando o caso.

“A gente visitou a família, as duas pessoas que foram baleadas são pessoas que tem atividades muito bem estabelecidas. Um é motorista de aplicativo, com mais de 200 corridas no último mês. O outro é estudante de odonto que quer cursar medicina e está também em um curso de pré-vestibular, sendo inclusive monitor desse curso, acumulando funções acadêmicas. Sem dúvida nenhuma, são pessoas que têm como principais atividades que não são o tráfico.Toda morte tem que ser esclarecida, seja praticada por polícia ou por qualquer outra pessoa. Um caso de pessoas baleadas nestas circunstâncias, tem que ser esclarecido. Não se pode naturalizar que uma morte praticada pela polícia é legítima. A polícia só pode atuar com força em determinadas circunstâncias para se defender e defender a sociedade. Nós estamos acompanhando o caso, as famílias já tem advogados. Já existe defesa. Nós vamos cobrar investigações”, declarou.

A Comissão de Segurança Pública e Direitos Humanos da OAB São Gonçalo solicitou agilidade na autorização para que as famílias possam visitar os internados sob custódia.

Scroll To Top