NITERÓI/RJ
Min:   Max:

Sarampo: Rio entra em alerta por surto

O Rio de Janeiro entrou em estado de alerta contra o sarampo. A medida, segundo a  Secretaria de Estado de Saúde é por conta da proximidade com o estado de São Paulo, que atualmente vive um surto da doença. A ação, que é preventiva e recomendada pelo Ministério da Saúde, tem o objetivo de reforçar a necessidade da prevenção com a vacina, disponível nos postos municipais. A recomendação é que crianças a partir de 1 ano e adultos até 49 anos que não se vacinaram procurem os postos. De acordo com a SES todos os municípios do estado têm a vacina disponível. 

Neste ano, o Rio registrou 13 casos da doença, sem registro de óbito. A SES não divulgou os municípios que tiveram os casos de sarampo. Em 2018, o Rio alcançou 95% de cobertura vacinal para o público-alvo e foram notificados 20 casos de sarampo. 

Panfletos com detalhes sobre os sintomas da doença e a importância da imunização para prevenir a contaminação estão sendo distribuídos em terminais de transportes públicos e aeroportos do estado.

Em Niterói foram vacinadas 4.481 pessoas no período de 1 de janeiro a 23 de julho de 2019, sem casos confirmados de sarampo no município neste ano. Em São Gonçalo, cerca de 16 mil pessoas foram vacinadas até junho deste ano.

Segundo a Secretaria de Saúde de Maricá, o município registrou cinco suspeitas de sarampo  no início do ano mas todas foram descartadas após os exames de laboratório. A Secretaria de Saúde de Araruama informou que também não houve casos da doença confirmados no município, e que desde janeiro de 2019 foram aplicadas 2.146 doses da vacina, chegando a uma cobertura de 52% da população. Há ainda em estoque 379 doses da vacina.

De acordo com o Ministério da Saúde, até 26 de julho deste ano, o Brasil registrou 646 casos de sarampo, em sete estados: São Paulo (567), Pará (53), Rio de Janeiro (13), Minas Gerais (4), Amazonas (4), Santa Catarina (3), Roraima (1) e Sergipe (1).  

Ainda segundo o Ministério, desde de 2000 o país não registrava casos autóctones (de transmissão interna). Entre 2013 e 2015, ocorreram dois surtos da doença a partir de casos importados, nos estados do Ceará e Pernambuco, com 1.310 casos. Os surtos foram controlados com as medidas de bloqueio vacinal e, em 2016, o Brasil recebeu o Certificado de Eliminação do Sarampo, emitido pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). O Brasil perdeu o certificado em fevereiro deste ano e, atualmente, empreende todos os esforços para eliminar novamente a transmissão do vírus no país, com reforço da vacinação contra o sarampo. Manter altas e homogêneas coberturas vacinais na população é a única forma de evitar a transmissão da doença.

O Ministério da Saúde enviou aos estados, neste ano, 12,1 milhões de doses da vacina tríplice viral para atender a demanda dos estados. De acordo com o Ministério, até o momento, diante do atual cenário epidemiológico do sarampo, não está prevista a realização de campanhas adicionais de vacinação contra a doença.

A transmissão - O sarampo é uma doença que passa com facilidade de uma pessoa para outra por meio da fala, tosse e espirro.

Prevenção - A vacina é a única forma de prevenção da doença e está disponível na vacinação de rotina nas unidades de saúde.

Sintomas - Os principais sintomas do sarampo são mal-estar geral, febre, tosse e coriza. A doença também provoca conjuntivite e se caracteriza por apresentar manchas vermelhas que aparecem no rosto e se espalham por todo o corpo.

Scroll To Top