22
Ter, Set

Pediatra: relação de confiança e base para o desenvolvimento

Por professor Aderbal Sabrá e professora Selma Sabrá, especial para O FLUMINENSE - Foto: Divulgação

Saúde
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Comemora-se o Dia do Pediatra no dia 27 de julho. Pediatria é uma palavra de origem grega,onde paidos significa criança e iatreia, processo de cura. É considerada uma especialidade médica que se dedica ao atendimento integral da criança do nascimento até a adolescência.

No início do século XIX, a preocupação com os altos índices de mortalidade infantil estimulou a criação dessa especialidade, que tem como objetivo a prevenção das doenças nas crianças e nos adolescentes e com a expectativa da longevidade, esse desafio aumenta, na medida em que é importante a prevenção de uma série de doenças para o aumento da expectativa de vida de forma saudável.

Os primeiros cuidados já começam no pré-natal e pré-parto.O atendimento na sala de parto é fundamental para garantir os cuidados básicos e quando necessário atuar de forma efetiva na reanimação cardiovascular. É importante garantir uma oxigenação adequada, além de uma avaliação de normalidade de todos os sistemas do organismo, atuando na detecção de alguma patologia,para que seja tratada de forma efetiva ou que seja encaminhada para investigação ambulatorial, após a alta hospitalar, sob as orientações do pediatra ou do especialista que tenha sido solicitado para dar o seu parecer numa avaliação realizada ainda no berçário.

Na sala de parto é feita a avaliação do índice de Apgar, para ver como o recém-nascido se comportou no primeiro e no quinto minuto de vida, onde são avaliados, a frequência cardíaca, o esforço respiratório, o tônus muscular, a irritabilidade reflexa e a cor da pele, com a pontuação máxima de nota 10 e entre 1 e 3, morte aparente.Com esses critérios, medidas de reanimação são instituídas, sempre que necessário. A avaliação da placenta e do cordão umbilical,bem como a ligadura do cordão, faz parte da rotina.O recém nascido deve ter 3 vasos no cordão, sendo duas artérias e uma veia. Caso tenha apenas uma artéria, ao invés de duas artérias, devemos verificar se há alguma má formação renal.

O pediatra neonatologista ainda na sala de parto estimula a relação mãe e filho, colocando o bebê para mamar no seio da mãe, o que já estimula esse binômio da relação mãe-filho e facilita a apojadura do leite com liberação de hormônios, que estimulam a descida do leite materno, denominado de colostro, de coloração amarelada, que aparece nos primeiros dias, rico em substâncias de defesa para o recém nascido.

Outras medidas como o uso de colírio é feito de rotina, pingando uma gota em cada olho do recém-nascido, chamado de credeização, promovendo a prevenção da conjuntivite no recém-nascido nos partos normais, pela passagem através do canal de parto.

É feita a aplicação da vacina contra a Hepatite B e, se possível, a vacina BCG, para a prevenção da Ttuberculose. Essas são as duas vacinas que devem ser administradas no recém-nascido no berçário ou dentro do primeiro mês de vida.

Um exame físico completo é feito para avaliar os diversos sistemas, como cardiovascular, respiratório, digestivo, além da manobra de Ortolani, para a pesquisa de luxação congênita do quadril, além da pesquisa de fratura de clavícula,por possíveis traumas pela passagem através do canal do parto, ou pelo uso de fórceps,quando necessário.

Todo recém-nascido é pesado e medido, bem como é feito a medida do perímetro cefálico (medida do perímetro da cabeça) , torácico (do tórax) e abdominal, para controle e anotado na caderneta do recém-nascido.

A identificação do bebê é feita e o documento entregue ao pai para o registro do recém-nascido.

O pediatra faz as orientações quanto ao aleitamento materno exclusivo e explica sobre os cuidados gerais até a alta, criando um vínculo importante com a mãe.

A partir daí o pediatra deverá fazer avaliações de rotina, uma vez por mês no primeiro ano de vida, o que chamamos de cuidados de puericultura. Avaliar o peso e a altura (estatura), bem como a medida da cabeça e um exame físico completo, fazem parte da rotina de avaliação do crescimento e desenvolvimento da criança.

As vacinas a serem tomadas de acordo com o calendário vacinal do Ministério da Saúde são disponibilizadas nos postos de Saúde ou nas clínicas da família, importantes na prevenção de uma série de doenças comuns da infância, que podem ser evitadas com estas medidas preventivas.

A avaliação de rotina mesmo com a criança saudável faz parte do atendimento habitual, seja para introduzir e avaliar a liberação de alimentos, tratar possíveis patologias, como as viroses em geral, problemas respiratórios, digestivos, e na pele e orientações gerias sobre o desenvolvimento e a nutrição da criança.

À medida que a criança cresce, o número de consultas ao pediatra diminui, caso a criança não apresente infecções recorrentes, ou outras patologias que necessitem consultas mais frequentes, como no primeiro ano de vida, que deve ser mensal. Lembrar que a avaliação do cartão vacinal, bem como uma avaliação do crescimento e desenvolvimento, deve ser monitorado de rotina.

Na época da adolescência, uma série de mudanças vão ocorrer, com o desenvolvimento da maturação sexual, o estirão do crescimento, a primeira menstruação e as peculiaridades próprias da época da adolescência e o risco e a prevenção da gravidez.

A identificação e suspeita de maus tratos e de abuso sexual são sempre muito importantes na detecção precoce de problemas dessa natureza.

O vínculo estabelecido entre o pediatra, os pais e a criança pode se estender até a adolescência. Gera confiança e esse vínculo de afetividade supera as dificuldades oriundas das diferentes patologias. A relação médico-paciente de forma responsável é fundamental e a confiança nas orientações são necessárias para um tratamento eficaz na arte de curar e de amenizar o sofrimento de nossas crianças e adolescentes.

O pediatra deve ser capaz de entender um choro, uma face com expressão de dor, um sorriso, e sobretudo entender e saber ouvir as queixas da mãe, pois ela tem uma capacidade ímpar de entender e identificar quando algo não está bem com seu filho.

Que o Dia do Pediatra seja lembrado pela dedicação e carinho com as nossas crianças, sobretudo agora em época de pandemia que já se prolonga pelos últimos meses.

Esperamos que a superação dessa pandemia pelo Covid 19 ocorra em tempo hábil para amenizar essa situação de confinamento imposta para a segurança da nossa população e que nossas crianças e adolescentes aproveitem esse período para o convívio familiar, tão importante nos dias atuais.

 

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.