22
Ter, Set

Após 100 mil mortes por covid-19, Pazuello diz que governo apoia isolamento social

Ministro interino da Saúde afirmou que o país está sob 'esforço de guerra' para conter a disseminação da doença - Foto: Reprodução de vídeo

Saúde
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Após o Brasil atingir a marca de mais de 100 mil mortes por covid-19, o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, disse que o governo apoia o isolamento social. Pazuello também declarou que a marca "não é um número".

"Medidas preventivas, de afastamento social, são medidas de gestão dos Municípios e dos Estados, e nós apoiamos todas elas", disse durante inauguração da nova unidade de processamento de exames da covid-19 na Fiocruz, no Rio, na manhã desta segunda-feira (10).

Sobre o país ter atingido o número de 100 mil mortes por covid-19, marca registrada no último sábado (8), Eduardo Pazzuelo declarou:

"Não é um número. Todos os dias sofremos as perdas. Não é um número, não foi 95 mil, 98 mil, 100, ou 101 que vai fazer a diferença. O que vai fazer a diferença é cada um brasileiro que se perde", reforçou.

O ministro interino afirmou, por diversas vezes, que o país está sob "esforço de guerra" para conter a disseminação da doença. "Nós estamos lutando contra uma pandemia, e o nome disso é esforço de guerra”, falou.

Para Pazuello o diagnóstico precoce é essencial para conter a propagação e promover o tratamento imediato do novo coronavírus.

“A gente precisa entender como parar o sangramento: diagnóstico precoce, tratamento imediato, compreensão do suporte ventilatório antes da UTI. (....) Não está correto ficar em casa doente, com sintomas, até passar mal com falta de ar. Isso não funciona, não funcionou e deu no que deu e nós há dois meses já mudamos esse protocolo”, declarou.

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.