20
Ter, Out

Opinião - Como fazer a higienização para amamentar

Há consenso na comunidade médica no que diz respeito a manutenção da amamentação - Foto: Divulgação

Saúde
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Por Lílian Cristina Moreira

 

A pandemia pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, também conhecido como covid-19, mudou os rumos de 2020. Uma doença infecciosa nova, cuja evolução e formas de acometimento ainda não são bem conhecidas, altamente contagiosa, que atinge todas as faixas etárias e potencialmente mortal, se tornou prioridade número um em termos de saúde pública. O distanciamento social e mudança de hábitos para conter a doença e diminuir a disseminação do vírus se tornou uma necessidade mundial, que impactou toda sociedade e gerou muitas dúvidas. Afinal, como exatamente essa doença é transmitida? Pode haver transmissão vertical, isto é, ela pode passar da mãe para o bebê durante a gestação ou pelo leite materno? Bem, até a presente data, se sabe que a transmissão se dá através do contato de gotículas de saliva e secreção nasal de uma pessoa doente com a mucosa nasal e/ou oral de uma pessoa saudável.

Nada comprova que a covid-19 possa ser transmitida através do leite materno. Por isso há consenso na comunidade médica no que diz respeito à manutenção da amamentação por todas as mães, quer sejam elas assintomáticas, sintomáticas ou com confirmação diagnóstica de covid-19.

Essa decisão leva em conta que os benefícios do aleitamento materno superam em muito os riscos da covid-19.

A manutenção da amamentação é recomendada e deve ser orientada, pois o aleitamento materno exclusivo e em livre-demanda até o 6º mês de vida do bebê, complementado com alimentação saudável até 2 anos ou mais, é fator determinante para o ótimo crescimento e desenvolvimento de uma criança.

Repetindo: Nos casos confirmados de infecção pela SARS-CoV-2 em lactantes, a amamentação deve ser mantida, desde que a mãe deseje amamentar e esteja em condições clínicas adequadas para fazê-lo.

Nesses casos é necessário um cuidado diferenciado na higienização das mamas e mamilos? A resposta é não. A mãe deve lavar as mamas normalmente durante o banho e manipulá-las com as mãos lavadas.

Porém, como a disseminação do vírus ocorre através das gotículas respiratórias, é importante observar alguns cuidados especiais a serem tomados pela mãe que amamenta:

1 - Lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos antes e depois de tocar no bebê;

2 - Durante a amamentação a mãe deve usar máscara facial de tecido (cobrindo completamente nariz e boca), evitando falar, tossir ou espirrar;

3 - A máscara deve ser imediatamente trocada em caso de tosse ou espirro ou a cada nova mamada;

4 - Evitar que o bebê toque na face da mãe, especialmente na boca, nariz, olhos e cabelos;

5 - Após a mamada, especificamente no caso de mães suspeitas ou confirmadas de covid-19, todos os outros cuidados com o bebê como dar banhos, colocar para dormir, arrotar, etc, devem ser realizados por outra pessoa na casa que não tenha sintomas ou que não seja também confirmado para covid-19.

E em relação à mãe que esteja com a covid-19 e que não se sinta confortável em amamentar? Nesse caso é possível optar por extrair o leite para que ele seja oferecido ao bebê por outra pessoa da casa. Importante frisar que a bomba para extração de leite deve ser higienizada adequadamente após o uso e que o leite materno seja oferecido ao bebê em copinho, xícara ou colher.

Não é recomendado utilizar bicos ou mamadeiras pois isso pode gerar a chamada “confusão de bicos” e dificultar que o bebê volte a sugar ao seio após a mãe se recuperar da doença.

Procure sempre orientação de seu pediatra. Ter informação e apoio é fundamental para sucesso na amamentação e no enfrentamento dessa doença. E lembre: ser alimentado com leite materno é o melhor começo de vida para toda criança!

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.